Corinthians reencontra solução para a ponta depois de anos sem Romero

Beatriz Zoccoler

Beatriz Zoccoler, 19 anos e, com muito orgulho, estagiária do Meu Timão que tem como melhor característica ser corinthiana.

ver detalhes

Corinthians reencontra solução para a ponta depois de anos sem Romero

Coluna do Beatriz Zoccoler

Opinião de Beatriz Zoccoler

17 mil visualizações 79 comentários Comunicar erro

Corinthians reencontra solução para a ponta depois de anos sem Romero

Romero e Gustavo Silva

Foto: Rodrigo Gazzanel/Daniel Augusto Jr

E não é que o Corinthians, enfim, encontrou o seu ponta?! Anos após a saída de Romero, passagens curtas de diversos jogadores, problemas no setor e dificuldades para jogar, a equipe finalmente pode confiar em um jogador: Gustavo Mosquito.

Mosquito é a melhor notícia da beirada do campo desde que o paraguaio deixou o Timão. Pra mim, não existe um abismo entre os dois, na realidade, guardadas todas as proporções de títulos, vivências e momentos do time, eles são até comparáveis.

Fato que nenhum dos dois é um primor técnico, porém, sabemos que Romero compensava isso na entrega e na mobilidade, e tenho observado muito isso no Gustavo. Desde que Mancini começou a utilizá-lo, ele tem evoluído tanto e feito tanta diferença pro time, que a vontade dele em campo se mostrou extremamente parecida com a de Romero.

Sempre é bom lembrar que comparar dois jogadores não significa diminuir um para exaltar o outro, o que eu penso é que algumas características são tão parecidas que faz sentido parar para observá-las. Eles têm suas diferenças, mas um fato é um fato: temos o ponta que procurávamos há tanto tempo.

Na questão de marcação, o paraguaio se sobressai, e no quesito profundidade, o atual camisa 19 leva vantagem. Mas em movimentação, agilidade, correria e confiança, acho esse paralelo bem válido. Gustavo tem mostrado cada vez mais que tem muita capacidade de se mover com inteligência, abrir espaços, conduzir e atacar em velocidade - principalmente na diagonal, entre o lateral e o zagueiro.

Assim, apesar de terem intuitos diferentes na partida, não é nenhum absurdo reconhecer o Mosquito como um jogador que vai deixar tudo em campo, que vai tentar desequilibrar o jogo, se desdobrar pra dar assistências e fazer gols, tal qual Romero fazia - nesse sentido de ser mais voluntarioso, com essa característica da dedicação.

Como tenho repetido ao longo do texto, pra mim, desde a saída do ex-camisa 11, o Corinthians ainda não havia encontrado um jogador pro setor que pudesse cumprir essa função como Gustavo tem feito. Desde que foi resgatado por Tiago Nunes em agosto de 2020, ele foi trabalhando em silêncio, teve paciência e aos poucos ganhou seu espaço no elenco.

Agora, já podemos dizer que foi muito potencializado com Mancini e é peça fundamental para o funcionamento do time, já que tem se firmado cada vez mais, evoluindo a cada jogo e conquistando confiança. Tem melhorado seu poder de finalização, ouvido o treinador, mostrado disposição e, mesmo com limitações, vive uma ótima fase.

Conclusão? Algumas vezes procuramos por um jogador que estava bem embaixo do nosso nariz, mas não tinha todo seu potencial extraído. Sobre a comparação com Romero? Nenhum dos dois é craque, mas ambos se ajustaram como jogadores que fazem a diferença pelo lado do campo justamente por conseguir ajudar o time da melhor forma possível.

Veja mais em: Romero e Gustavo Silva.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Beatriz Zoccoler

Por Beatriz Zoccoler

Beatriz Zoccoler, 19 anos e, com muito orgulho, estagiária do Meu Timão que tem como melhor característica ser corinthiana.

O que você achou do post do Beatriz Zoccoler?

x