Os dois absurdos que se relacionam na 'quase venda' de Gabriel pelo Corinthians

Lucas Faraldo

Escrevendo sobre o Corinthians desde 2014

ver detalhes

Os dois absurdos que se relacionam na 'quase venda' de Gabriel pelo Corinthians

Coluna do Lucas Faraldo Knopf

Opinião de Lucas Faraldo

11 mil visualizações 84 comentários Comunicar erro

Os dois absurdos que se relacionam na 'quase venda' de Gabriel pelo Corinthians

Gabriel quase foi vendido pelo Corinthians

Foto: Danilo Fernandes/ Meu Timão

Você leitor do Meu Timão certamente está por dentro das tratativas que deram errado entre Al-Hilal e Gabriel. E destaco abaixo dois absurdos que se correlacionam.

Primeiro a postura do Al-Hilal: os sauditas não fizeram o Corinthians de circo só uma, mas duas vezes. Ano passado, acenou com proposta para contratar Fábio Carille e depois voltou atrás para fechar negócio com Jorge Jesus, com quem já havia iniciado conversas antes de procurar o treinador do Timão. Agora assinou a papelada pela compra de Gabriel mas na verdade retomou negociações com o Flamengo por Cuellar e, preferindo desde sempre o colombiano, desistiu do corinthiano quando este já viajava para o Oriente Médio.

Ciente da atitude do Al-Hilal em 2018, por que aceitar negociar com eles agora? Não dá nem para falar, do lado corinthiano, tratar-se de uma montanha irrecusável de dinheiro...

É aí que falo do segundo absurdo: a postura do próprio Corinthians. Era de conhecimento público, quando os sauditas demonstraram interesse por Gabriel, que o mesmo Al-Hilal havia dias antes recebido uma negativa do Flamengo por oferta de 8 milhões de euros (R$ 37 milhões) para o também volante de quase 27 anos Cuellar. O que o Timão fez? Topou 5,5 milhões de euros (R$ 27 milhões) por um de seus principais jogadores. E detalhe: o clube alvinegro tem ainda menos percentual (50%) por seu atleta que os cariocas (70%).

Ciente da situação anterior envolvendo Al-Hilal-Cuellar-Flamengo, por que aceitar proposta 31% menor? O Corinthians acredita Gabriel ter apenas 69% da qualidade que Cuellar? Acredita ser um "exportador brasileiro" 31% menos importante que os cariocas?

Outro caso recente, também envolvendo volantes de Corinthians e Flamengo, chamou atenção: o jovem Jean Lucas, que estava emprestado pelos cariocas ao Santos, foi vendido ao Lyon, da França, por 8 milhões de euros (R$ 34 milhões) na última janela de transferências do exterior. Exatos 12 meses antes, o Timão se desfazia de Maycon aceitando proposta do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, de 6,6 milhões de euros (R$ 27,8 milhões). Ambos foram negociados quando tinham 20 anos de idade. E Maycon, diferentemente de Jean Lucas, tem carreira construída com passagens pelas seleções de base do Brasil.

O Corinthians precisa se fazer respeitado. E isso não acontecerá só com a bandeira de um passado recheado de feitos e ídolos ou com a lição do presente mais vitorioso possível. Se quiser ser respeitado no mercado da bola do exterior, o Timão tem de primeiro se respeitar.

Veja mais em: Gabriel, Mercado da bola e Diretoria do Corinthians.

Coluna do Lucas Faraldo Knopf

Por Lucas Faraldo Knopf

Jornalista pela ECA-USP e ex-Esporte Interativo, Jovem Pan e Lance!. Hoje trabalha no Meu Timão. Autor do livro 'Impedimento - Machismo, racismo, homofobia e elitização como opressões no futebol'.

O que você achou do post do Lucas Faraldo?