Emerson e Guerrero recusaram propostas da diretoria para permanecerem no Timão

Marco Bello

Setorista do Corinthians desde 2009 pela Rádio Transamérica, Marco Bello acompanha o dia a dia do clube

ver detalhes

Emerson e Guerrero recusaram propostas da diretoria para permanecerem no Timão

Emerson e Guerrero recusaram propostas da diretoria para permanecerem no Timão

Emerson e Guerrero recusaram propostas da diretoria

Foto: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Os dois principais jogadores do Corinthians foram procurados pela diretoria antes da partida contra o São Paulo pela Libertadores da América para tentarem acertar a renovação de seus contratos. O vínculo de Emerson Sheik termina no dia 31 de julho, e o de Paolo Guerrero acaba antes, em 15 de julho deste ano.

Mesmo com toda a dificuldade financeira, o clube tentou uma última manobra para continuar com seus atacantes. Com Guerrero, o problema foi mesmo o dinheiro. Com Emerson, o tempo de contrato.

Mesmo aos 36 anos de idade (completará 37 em setembro), Emerson não pensa em parar no final deste ano. Quer jogar até o final de 2016. O pedido para a diretoria foi o mesmo da renovação passada: mais um ano e meio de contrato. O jogador sabe que é muito bem quisto pelo técnico Tite, e gostaria de fazer seu último grande acordo.

Como o time ainda disputava a Libertadores, estava vivendo um bom momento e Emerson estava em alta, a diretoria propôs seis meses de contrato (como adiantado aqui nesta coluna), que poderiam ser renovados no final do ano. Sheik não quis.

Pois bem, para o azar do atacante ele foi expulso contra o São Paulo, o time foi eliminado da Libertadores, as críticas vieram e agora nem os seis meses vai conseguir. Na última segunda-feira ele foi avisado que o contrato não será renovado, e já procura um novo clube para jogar.

Caso as partes entrem em acordo, o jogador pode ser liberado até mesmo neste mês para não completar sete jogos no brasileiro. Mas para isso, teria que abrir mão de quase um milhão de reais que ainda tem a receber até o final do contrato.

O caso de Guerrero é ainda mais difícil, pois o atleta não aceita reduzir a pedida de luvas e salário. O Corinthians já avisou que não pode pagar o que o atacante quer receber. Nem mesmo a proposta corinthiana do começo do ano poderá ser mantida. A crise econômica vivida pelo clube é maior do que o presidente imaginava quando assumiu o cargo em fevereiro.

Guerrero só fica se não receber nenhuma proposta, de dentro e fora do país, e tenha que abrir mão de muito dinheiro por isso. Mas este não é o cenário pensado pelos empresários do atleta, que tentaram oferecê-lo para a Europa, e como não conseguiram nenhuma oferta concreta agora buscam interessados no mercado interno.

Sem Emerson e Guerrero, o Corinthians já conseguirá para o segundo semestre o principal objetivo financeiro, que é reduzir a folha salarial que hoje chega a 10 milhões de reais. Negociando ainda o atacante Luciano e o meia Petros, sem contar a possível saída do zagueiro Gil, o clube tenta equilibrar as contas para viver um 2016 bem mais tranquilo fora e dentro de campo.

Coluna do Marco Bello

Por Marco Bello

Marco Bello é jornalista, apresentador e repórter da Rede Transamérica de Rádio, setorista do Corinthians desde 2009

O que você achou do post do Marco Bello?

  • 1000 caracteres restantes