Por que ainda ficamos surpresos com o novo normal do Corinthians?

Memória Fiel

Nostalgia alvinegra que vai além dos jogos, gols e súmulas. Aqui reviramos os arquivos para reencontrar as várias pequenas histórias e detalhes que formam a gigantesca história do Corinthians.

ver detalhes

Por que ainda ficamos surpresos com o novo normal do Corinthians?

Coluna do Juliano Barreto

Opinião de Memória Fiel

2.8 mil visualizações 49 comentários Comunicar erro

Por que ainda ficamos surpresos com o novo normal do Corinthians?

No filme Feitiço do Tempo, Bill Murray revive o mesmo dia infinitas vezes

Foto: Columbia Pictures / Divulgação

Técnico irritado com a imprensa pelos questionamentos sobre o maus resultados e o mau desempenho do time. Fecha o treino, muda tudo todo jogo, e os resultados (e os questionamentos) deixam o técnico mais irritado ainda.

Jogadores com passagens meia-boca pelo Fluminense e outros times que brigam para não cair no Campeonato Brasileiro chegam ao Corinthians sem nenhuma credencial para justificar suas contratações. Em campo, comprovam que nunca deveriam ter vindo mesmo.

Apesar de ter um centroavante com certa qualidade, a bola nunca chega. Quando chega, vem de chutes e cruzamentos desesperados no fim do jogo. Isso não adianta nada, porque esse centroavante não tem mais idade para se movimentar tanto e ninguém se aproxima dele.

Fagner não tem um reserva. Se o lateral se machuca, é suspenso ou faz uma partida abaixo da média, o Corinthians praticamente fica em campo com um jogador a menos.

A torcida pega no pé de um jogador que não consegue engrenar sequer dois jogos decentes, mas os moleques da categoria de base, nas raras chances que conseguem, entram e nunca conseguem fazer nada que justifique a manutenção deles entre os titulares.

O Campeonato Brasileiro escancarou as dificuldades que já estavam bem claras durante o Campeonato Paulista --e foram ignoradas porque o Corinthians chegou longe no estadual.

Trocar de técnico parece inevitável, mas também é certo que a mudança não vai transformar um elenco fraco e um time com caixa negativo em potência no meio do campeonato.

No final das contas, o discurso sobre brigar por títulos e classificar para a Libertadores fica cada vez menos realista. A torcida sabe, no entanto, que o time não tem fôlego para disputar a competição continental com dignidade e pensa: “tanto faz ficar em oitavo, sétimo ou décimo primeiro.”

Sem competir para valer em nada, resta para a torcida se divertir com os fracassos dos rivais e discutir os motivos do empobrecimento técnico do futebol brasileiro, que, afinal, não afetaram apenas o Corinthians.

Os parágrafos acima descrevem a temporada 2020? Sim, mas também caberiam perfeitamente no Corinthians de 2019 e de 2018. Vivemos um “Dia da Marmota” onde assistimos a diretoria fazer tudo errado e esperar que dê tudo de certo.

Continuamos a torcer para que mude, mas já sabemos do resultado. E domingo tem mais.

Veja mais em: Elenco do Corinthians e Diretoria do Corinthians.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Juliano Barreto

Por Juliano Barreto

Jornalista, biógrafo, maloqueiro e sofredor. Desde 1993 recorta jornais, revistas e guarda tudo relacionado ao Coringão. Neste blog, vamos tirar a poeira desses arquivos e matar as saudades.

O que você achou do post do Juliano Barreto?