Sempre Com Democracia

Otávio Ariano Gaio

Designer e Analista de Social Media do Meu Timão, encontra o amor por seu trabalho na paixão por futebol e pelo Corinthians.

ver detalhes

Sempre Com Democracia

1.6 mil visualizações 129 comentários Comunicar erro

Sempre Com Democracia

O Corinthians sempre foi engajado politicamente. Isso não vai mudar.

Foto: Montagem Otávio Ariano/Meu Timão

Não é novidade para ninguém que o Brasil vem sofrendo um momento turbulento na política nacional. Seja você de direita ou esquerda, havemos de concordar que existe instabilidade no país. Estes assuntos, finalmente, chegaram com força ao Corinthians e à Fiel.

Dito isso, tem me chamado a atenção, especialmente, a seguinte frase: “não podemos misturar política e futebol”. Oras, é necessário observar o quanto esta frase não faz o menor sentido, ao menos àqueles que conheçam as origens do futebol, sua influência na construção da identidade nacional do povo brasileiro (e de outros povos) e seu desenvolvimento ao longo do século XX.

O “nascimento” do futebol, mais próximo de como é hoje, é marcado pela fundação da Football Association, na Inglaterra, em 1863. Antes disso, o esporte era jogado de diversas maneiras diferentes, sem organização, com divergências de regras e diversos outros problemas. O futebol, portanto, nasce de uma necessidade esportiva, mas de uma ação política, em si.

Com o tempo os clubes se organizam, ganham características, uniformes, torcida. Criam tradições, se tornam, de certa forma, nações. Muito comumente, se envolvem nos assuntos políticos de seus países, como é o caso de Celtic e Rangers, clubes que separam a Escócia entre Católicos separatistas e Protestantes à favor do Reino Unido. Por todo o mundo encontram-se casos como este. Pelo Brasil todo. É possível escrever teses completas de centenas de páginas sobre o assunto (acredite em mim, eu fiz). Enfim, quanto ao Timão, é necessário dizer que a relação do Corinthians com a política nacional brasileira é muito poderosa.

Logo no início de sua história, o Corinthians enfrenta, politicamente, fora do gramado, sanções contra sua existência. O clube chegou a ser proibido de jogar o campeonato paulista, por sua origem humilde (e também por ser extremamente competitivo). Se você gosta da camisa preta com riscas brancas, não pode negar a existência – e necessidade – do envolvimento do futebol em política: saiba a história aqui: https://www.meutimao.com.br/noticias-do-corinthians/310377/voce-conhece-a-historia-da-camisa-listrada-do-corinthians

Mas ainda mais marcante foi o período da Democracia Corinthiana, quando Sócrates, Casagrande, Wladimir e tantos outros jogadores históricos do Corinthians não só se envolveram com política, e envolveram o clube ativamente com a política brasileira, mas subiram em palanques, carregaram faixas, protestaram.

Corinthianos nas Diretas Já

Corinthianos nas Diretas Já

Folha

O Corinthians não é somente um clube que se envolve com política, pura e simplesmente. O Corinthians é o clube mais politizado e engajado do Brasil. Você pode não gostar disso, discordar das posições do clube, mas tentar negar isso é completa enganação.

Finalmente, gostaria de fazer uma recomendação: se você discorda de uma posição tomada pelo clube, expresse essa discordância. Não esconda sua posição política por trás dessa frase vazia e sem sentido. Tudo é política. Não existem relações humanas não permeadas pela política, filosoficamente falando. O futebol, ao longo de sua história, prova isso. O Corinthians, durante toda sua história, se envolveu nas atividades políticas da cidade de São Paulo, do estado e do país. Isso não vai, nem se fosse plausível, mudar agora.

Veja mais em: Democracia Corinthiana.

Coluna do Otávio Ariano Gaio

Por Otávio Ariano Gaio

Designer e Analista de Social Media do Meu Timão, encontra o amor por seu trabalho na paixão por futebol e pelo Corinthians.

O que você achou do post do Otávio Ariano Gaio?