Parada da Copa América: sugestões para os departamentos de futebol e marketing

Rodrigo Vessoni

Formado pela FIAM, trabalhou na Rádio Transamérica e por 12 anos foi repórter e editor no Diário Lance!. Participa, quando convidado, de programas esportivos no SporTV e na Band.

ver detalhes

Parada da Copa América: sugestões para os departamentos de futebol e marketing

Coluna do Rodrigo Vessoni

Opinião de Rodrigo Vessoni

3.2 mil visualizações 39 comentários Comunicar erro

Parada da Copa América: sugestões para os departamentos de futebol e marketing

Diretoria do Corinthians deve promover chegadas e saídas durante a Copa América

Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

O futebol para os clubes vai parar no Brasil por cerca de um mês para a disputa da Copa América em solo brasileiro. Uma ótima oportunidade para o técnico Carille tentar consertar defeitos e criar novas perspectivas de jogo para a equipe. Mas não só pra ele...

Os departamentos de futebol e de marketing do clube também devem aproveitar a parada para ajustes. Vai aqui algumas sugestões:

Ao marketing:

Montar um pacote de ingressos com valor bacana para os 15 jogos como mandante. Algo que valia MESMO a pena para o torcedor encarar com um pagamento à vista, já que dará um voto de confiança de cinco meses à equipe, que pode ir bem ou não.

Norte por R$ 20 e Sul por R$ 25 certamente causaria um impacto positivo na torcida que, respectivamente, desembolsaria de uma única R$ 300 e R$ 375. O mesmo poderia ser feito nas Lestes inferior e Superior, também com um valor atrativo. Repito: devido ao voto de confiança que será dado com tanta antecedência.

Com o apoio em peso da torcida na Arena, a chance de melhores resultados sempre aumenta. É possível, sim, beirar uma média de quase 40 mil até o fim do ano.

Ao futebol:

O elenco atual está com 36 jogadores, incluindo uma molecada da base que subiu recentemente. É preciso enxugar isso, emprestando alguns. Isso sem falar nos reforços que podem pintar.

Por falar em reforços, Gil é o mais próximo a acertar. E seria um grande acerto mesmo da diretoria. Faltaria ainda mais um jogador de beirada, que faça gols, que não apenas queira servir os companheiros ou driblar. Aquele papel que fez com maestria William Cebolinha no Brasileirão 2011 (hoje William Bigode, no Palmeiras).

Vender alguém? Só se o valor, realmente, fizer a diferença nas finanças do clube. É preciso montar uma base interessante para 2019, quando talvez seja possível contratar jogadores de maior importância no cenário nacional.

Bem, sugestões um tanto quanto básicas, mas que certamente deixariam o Corinthians mais forte no segundo semestre. Tanto para o Brasileirão quanto para a Sul-Americana.

Coluna do Rodrigo Vessoni

Por Rodrigo Vessoni

Formado pela FIAM, trabalhou na Rádio Transamérica e por 12 anos foi repórter e editor no Diário Lance!. Participa, quando convidado, de programas esportivos no SporTV e na Band.

O que você achou do post do Rodrigo Vessoni?