A apresentação da maior contratação do futebol brasileiro

Sarah Tonon

Trabalhou na ESPN e já tem duas Copas do Mundo no currículo. Atualmente produtora do Meu Timão que marcou o amor incondicional pelo Corinthians na pele!

ver detalhes

A apresentação da maior contratação do futebol brasileiro

Coluna da Sarah Tonon

Opinião de Sarah Tonon

10 mil visualizações 80 comentários Comunicar erro

A apresentação da maior contratação do futebol brasileiro

Queria usar uma foto minha aqui, mas já que não tenho, uso a do mestre Daniel Augusto.

Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

Foi numa sexta-feira ensolarada de dezembro que o futebol brasileiro recebia, no Parque São Jorge, a maior contratação de sua história.

Eu tinha 15 anos e passei a semana toda ansiosa esperando o grande dia chegar. Eu já estava de férias na escola mas me lembro bem dos meus amigos e professores semanas antes questionando tamanha euforia de uma menina por causa de futebol. "Que bobos, ah... que bobos!" pensava eu.

Chegou a sexta-feira, 12/12/2008, saí de casa direto para o Parque São Jorge. Moro na Zona Norte e peguei o ônibus rumo à Zona Leste, caminho que eu já estava acostumada a fazer com frequência por treinar e frequentar o clube alvinegro com a família desde muito nova.

Antes de ir, vesti meu manto alvinegro e peguei uma câmera fotográfica que eu tinha ganhado de Natal antecipado. Sempre fui apaixonada por fotografia e falava pra mim mesma: vou tirar essas fotos e guardar pra sempre! Quando eu cheguei na saudosa Rua São Jorge, 777 me encantei com a atmosfera. Filas de pessoas nas ruas e em todas as entradas do Parque São Jorge com quilos e mais quilos de alimento para trocar por entradas, carros de televisão, câmeras, repórteres, equipes de jornalismo de todos os lugares do mundo, milhares de torcedores e celebridades por todos os lados. Eu nunca tinha visto nada parecido.

Logo corri para a Fazendinha para encontrar o melhor lugar. E este não poderia ser outro a não ser a grade. Grudei nas grades ao lado dos bancos de reservas, encaixei a lente da câmera no espaço do alambrado e pensei: "Daqui ninguém me tira!"

E foi dali, através das lentes da minha primeira câmera que eu vi o meu ídolo vestir a mesma camisa que eu. Que eu vi Ronaldo Fenômeno ser apresentado no Sport Club Corinthians Paulista. Vi mais ou menos, né... porque eu chorava tanto que dificultava a visão. Mas consegui olhar nos olhos do Ronaldo e vê-lo admirado com tudo aquilo. Com o que tínhamos preparado para recebê-lo e com o que a torcida corinthiana representava, o que aquele momento significava pra ele e todos nós. O brilho no olhar dele, era parecido com o meu.

Lembro de fotografar o abraço de Andrés Sanchez nele, o discurso do corinthiano raiz Rappin Hood que foi o mestre de cerimônias, a queda dos papeis preto, branco e roxo e os bandeirões que começaram a dar a volta olímpica no gramado enquanto Ronaldo saudava a torcida. Lembro do Andrés estourando champanhe e derrubando toda a bebida, da Sabrina Sato colocando a camisa da Gaviões da Fiel no nosso novo camisa 9, lembro do Ronaldo chutando bolas pra torcida e mostrando bandeiras das torcidas organizadas pras fotos. Fiquei emocionada por registrar e viver todos aqueles momentos.

Tão emocionada que, no momento em que Ronaldo passaria pela minha frente, esqueci de tirar foto e quase esqueci de respirar. Travei e só aproveitei o momento. Cantei com todas as minhas forças: "Não é mole, não. Ronaldo é mais um louco pra jogar no Coringão!" junto com todos os outros milhares de loucos do bando que estavam presentes. Até peguei um pouco do papel picado que caía no gramado ou que ficava preso no alambrado pra guardar de recordação.

Assisti um pouco da coletiva pela televisão da lanchonete do clube e depois voltei pra casa. Realizada, feliz e louca pra poder ver as minhas fotos e mostrar pra todo mundo junto com os papeis picados que eu havia recolhido! Vai entender... coisa de louco, de louco do bando!

Infelizmente, alguns anos depois, assaltaram a minha casa e acabei perdendo todas essas recordações. A câmera, as fotos e até os papeis picados que estavam guardados junto com outras coisas especiais do Corinthians.

Mas são apenas coisas materiais, certo? Porque as memórias desse dia inesquecível estão vivas na minha mente e coração todos os dias, pra quando eu quiser revivê-las. E essa coluna é mais uma recordação, pra eu guardar e poder contar com orgulho o dia que vivi.

Agora, quero saber de vocês, leitores do Meu Timão, como foi o dia da maior contratação da história do futebol brasileiro pra vocês? Conta aqui nos comentários!

Veja mais em: Ídolos do Corinthians, Torcida do Corinthians, Especiais do Meu Timão e Ex-jogadores do Corinthians.

Coluna da Sarah Tonon

Por Sarah Tonon

Trabalhou na ESPN e já tem duas Copas do Mundo no currículo. Atualmente produtora do Meu Timão que marcou o amor incondicional pelo Corinthians na pele!

O que você achou do post da Sarah Tonon?