Janderson fez por merecer chances no Timão e vai errar, às vezes, por querer demais

Tomás Rosolino

Tomás Rosolino é jornalista faz um tempo. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, ex-Agora SP e Gazeta Esportiva. Hoje no Meu Timão. Vejo muito esporte, todo dia, o dia todo.

ver detalhes

Janderson fez por merecer chances no Timão e vai errar, às vezes, por querer demais

Coluna do Tomás Rosolino

Opinião de Tomás Rosolino

2.4 mil visualizações 49 comentários Comunicar erro

Janderson fez por merecer chances no Timão e vai errar, às vezes, por querer demais

O atacante merece as chances que vem recebendo - erros fazem parte

Foto: Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians

O atacante Janderson errou no último domingo e vai errar mais algumas vezes até entender que não precisa ser perfeito em todos os lances, principalmente na defesa. O ponta, porém, merece as chances que vem recebendo no Corinthians e só conseguirá amadurecer quando multiplicar os oi jogos como titular que teve em 2019.

Explico: Janderson nem precisava estar com a bola no lance em que foi desarmado e acabou cometendo o pênalti em Cazares. Atento, ele conseguiu antecipar um toque do meia equatoriano para Marquinhos em escanteio curto e tomou a frente do adversário. O problema, porém, foi que ele ficou com a bola de costas para dos rivais, do lado da área.

Provavelmente em busca de um contra-ataque, Janderson tentou girar para sair jogando com qualidade e dar ao Timão a chance de aproveitar o adversário mais exposto, como ocorrera minutos antes em lançamento de Cássio para ele. O ideal, porém, era só cercar, dificultar o cruzamento e confiar na defesa, armada e treinada para afastar esse tipo de lance.

No afã de ser perfeito, Janderson acabou colocando a perder aquela que era uma boa atuação sua, com golaço no primeiro tempo e muita participação. Com e sem a bola, ele foi o nome do quarteto ofensivo que mais buscou o jogo, superando Clayson, Pedrinho e Gustagol.

O processo poderia ser muito mais simples e menos oneroso à pontuação no Brasileiro caso Fábio Carille o tivesse acelerado. O ideal seria Janderson ter sido testado no Paulista e chegar a essa fase do ano já com duas, três dezenas de jogos como titular do Corinthians. Como isso não ocorreu, a evolução passa por isso mesmo.

Os números, aliás, comprovam que vale a pena esse custo. Com dois gols marcados e uma assistência, o jovem das categorias de base já tem números semelhantes a Mateus Vital, que possui apenas um passe a mais para gol. O armador, porém, foi titular em mais que o dobro dos jogos (19 a 8).

Veja mais em: Janderson.

Coluna do Tomás Rosolino

Por Tomás Rosolino

Tomás Rosolino é jornalista faz um tempo. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, ex-Agora SP e Gazeta Esportiva. Hoje no Meu Timão. Vejo muito esporte, todo dia, o dia todo.

O que você achou do post do Tomás Rosolino?