Os Reis da América do Corinthians

Tomás Rosolino

Tomás Rosolino é jornalista faz um tempo. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, ex-Agora SP e Gazeta Esportiva. Hoje no Meu Timão. Vejo muito esporte, todo dia, o dia todo.

ver detalhes

Os Reis da América do Corinthians

Coluna do Tomás Rosolino

Opinião de Tomás Rosolino

1.4 mil visualizações 13 comentários Comunicar erro

Os Reis da América do Corinthians

Ídolo do Timão, Sócrates foi o primeiro jogador do clube eleito 'Rei da América'

Foto: Divulgação

Fala, pessoal. Em mais uma coluna buscando resgatar histórias pouco lembradas do Corinthians, principalmente enquanto vivemos a pandemia e o time não pode entrar em campo, vou contar para vocês quais foram os jogadores corinthianos mais lembrados na famosa eleição do Rei da América, que serve para definir os melhores atletas sul-americanos de cada temporada.

Iniciada em 1971, em uma eleição coordenada pelo Diário El Mundo, da Venezuela, que convidava cronistas esportivos de todo o continente para chegar aos premiados, a premiação tem alguns momentos marcantes para jogadores do clube. A começar pelo formidável ano de 1983 de Sócrates no clube.

O Meu Timão até fez uma arte para mostrar os números do ano em que, pela primeira vez na história, um jogador do clube ganhou a eleição. Capitão do clube e da Seleção Brasileira, o Doutor anotou 40 gols e deu 11 assistências em 63 jogos pelas duas equipes. Foi o vice-artilheiro do Timão no bicampeonato paulista e terceiro maior goleador do Brasileiro.

Para se ter uma ideia da grandiosidade da eleição, Sócrates levou o título deixando Ubaldo Fillol, campeão do mundo com a Argentina em 1978, na segunda posição, e Éder Aleixo, outro craque brasileiro, do Atlético-MG, na terceira colocação.

Enquanto isso, na Europa, a Bola de Ouro, então restrita a jogadores europeus, foi vencida por Michel Platini, seguido por Kenny Dalglish, do Liverpool, e Allan Simonsen, do Vejle. No mínimo parelhas as listas, não?

O equilíbrio, aliás, era coisa recente. Nos anos 1970, a lista das Américas era consideravelmente melhor que a europeia. Em 1973, por exemplo, o trio do continente foi Pelé, em primeiro, Brindisi, em segundo, e Rivellino, o primeiro corinthiano citado, em terceiro. Em 1977, os quatro primeiros foram Zico, Rivellino, Figueroa e Pelé.

Três anos depois, quando Maradona bateu Zico na eleição sul-americana, Sócrates foi citado pela primeira vez. O craque corinthiano ficou em oitavo nos anos de 1980 e 1981, e sexto em 1982. Tudo isso sem nunca ter sequer disputado uma Taça Libertadores da América, fator muito relevante na eleição.

A lista dos dez mais votados nas temporadas ainda passa por diversos nomes da história alvinegra, como Casagrande e Marcelinho Carioca, até chegar em Tevez. Em 2005, o argentino foi o segundo corinthiano a vencer a disputa, agora restrita a jogadores que atuassem no continente, deixando para trás os são-paulinos Lugano, Cicinho e Rogério Ceni.

Em 1999, o Timão teve seu grande recorde de nomeações: cinco jogadores daquele time campeão paulista e brasileiro foram lembrados na eleição. Vampeta foi o oitavo e Rincón, o nono. Dida fiou na 18ª posição enquanto Edilson e João Carlos dividiram a 20ª colocação.

Em 2005, outro bom número de citados: Além de Tevez, Mascherano foi o nono colocado. A surpresa ficou pela sétima posição do lateral esquerdo Gustavo Nery. Depois disso, a divulgação dos números se limitou aos três primeiros e Paolo Guerrero foi o único corinthiano citado, sendo o vice na eleição de 2012.

Luan, hoje no Timão, foi o vencedor do prêmio em 2017, quando atuava pelo Grêmio. Ao todo, o clube do Parque São Jorge está ao lado de São Paulo, Santos, Flamengo e Internacional como únicos clubes brasileiros a terem dois atletas diferentes vencendo o prêmio.

Confira o histórico do Corinthians no Rei da América

1971 - Rivellino (9º lugar)
1972 - Não houve jogadores do Corinthians
1973 - Rivellino (3º lugar)
1974 - Rivellino (10º lugar)

1975 - Não houve jogadores do Corinthians
1976 - Não houve jogadores do Corinthians
1977 - Não houve jogadores do Corinthians
1978 - Não houve jogadores do Corinthians
1979 - Não houve jogadores do Corinthians
1980 - Sócrates (8º lugar)
1981 - Sócrates (8º lugar)
1982 - Sócrates (6º lugar)
1983 - Sócrates (vencedor)

1984 - Não houve jogadores do Corinthians
1985 - Casagrande (5º lugar)
1986 - Não houve jogadores do Corinthians
1987 - Não houve jogadores do Corinthians
1988 - Não houve jogadores do Corinthians
1989 - Não houve jogadores do Corinthians
1990 - Não houve jogadores do Corinthians
1991 - Não houve jogadores do Corinthians
1992 - Não houve jogadores do Corinthians
1993 - Não houve jogadores do Corinthians
1994 - Não houve jogadores do Corinthians
1995 - Não houve jogadores do Corinthians
1996 - Não houve jogadores do Corinthians
1997 - Não houve jogadores do Corinthians
1998 - Gamarra (2º lugar) / Marcelinho Carioca (8º lugar)
1999 - Vampeta (8º lugar) / Rincón (9º lugar) / Dida (18º lugar) / Edilson (20º lugar) / João Carlos (20º lugar)
2000 - Vampeta (8º lugar)

2001 - Não houve jogadores do Corinthians
2002 - Ricardinho (24º lugar)
2003 - Não houve jogadores do Corinthians
2004 - Não houve jogadores do Corinthians
2005 - Tevez (vencedor) / Gustavo Nery (7º lugar) / Mascherano (9º lugar)
2006 - Não houve jogadores do Corinthians
2007 - Não houve jogadores do Corinthians
2008 - Não houve jogadores do Corinthians
2009 - Não houve jogadores do Corinthians
2010 - Não houve jogadores do Corinthians
2011 - Não houve jogadores do Corinthians
2012 - Guerrero (2º lugar)
2013 - Não houve jogadores do Corinthians
2014 - Não houve jogadores do Corinthians
2015 - Não houve jogadores do Corinthians
2016 - Não houve jogadores do Corinthians
2017 - Não houve jogadores do Corinthians
2018 - Não houve jogadores do Corinthians
2019 - Não houve jogadores do Corinthians

Veja mais em: Ídolos do Corinthians e História do Corinthians.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Tomás Rosolino

Por Tomás Rosolino

Tomás Rosolino é jornalista faz um tempo. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, ex-Agora SP e Gazeta Esportiva. Hoje no Meu Timão. Vejo muito esporte, todo dia, o dia todo.

O que você achou do post do Tomás Rosolino?