Comentário de Soró em "Comentário de Adenor no Meu Timão"

Graças a pessoas inteligentes como você temos que ver cenas lamentáveis envolvendo marginais que se julgam torcedores...
se uma associação que se julga organizada não consegue cadastrar e fiscalizar seus membros, o que podemos esperar do país como um todo? Imagina se pessoas inteligentes como você caissem no poder não é?
lugar de bandido é na cadeia e não nos estádios...
o Corinthians não é mais forte ou menos forte por que tem marginais que se intitulam organizados...os maiores publicos do mundo não são de torcidas "organizadas"...muito pelo contrário...

em Notícia > Comentário de Adenor no Meu Timão

Em resposta ao comentário:

Inversão de papéis mesmo, um burro comentando no computador ao invés de estar comendo mato. A questão jumentão, é que a diretoria da torcida não pode controlar seus milhares de associados, então pede responsabilidade às "autoridades" tentando justamente EVITAR confrontos

Responda o comentário do Soró

  • 1000 caracteres restantes

Réplicas desse comentário

  • Foto do perfil de SNAIHTNIROC

    SNAIHTNIROC 1470 comentários

    1.

    1.Corinthians não é forte por ter "maiores públicos". É reconhecido pela fidelidade e fúria (na cobrança) de sua torcida, sempre com média alta de público, e pelas invasões (Rio/Japão/Etc). Nisso as organizadas tem um papel importante.
    2.Nunca pratiquei nenhum ato no estádio/trajeto seja de violência ou vandalismo, seja com camisa dos gaviões ou do Corinthians
    3.Torcida não é polícia, não pode se responsabilizar pelo que os associados fazem, muito menos tem a força necessária para puní-los, quem deve fazer isso é a polícia e justiça, que não o fazem. A torcida tem o papel de orientar seus associados, e isso é feito, em nenhuma reunião, palestra, discurso, dentro da torcida, é pregada a violência, apenas reivindicações em prol da torcida, do clube, orientações e exaltação do SCCP e amor ao clube. Agora, enquanto houver impunidade, haverão grupos voltados a se degladiar pois isso é uma demanda do homem, lutar, brigar, se expressar de forma violenta para ser reconhecido na sociedade.