Quando o Corinthians ficou reconhecido internacionalmente

Fórum do Corinthians
Tópico popular Entenda as regras

Mario #4.334 @mario.mattos em 13/03/2017 às 17:19

O Corinthians formou uma das melhores equipes do mundo na década de 50 e ganhou quase tudo que disputou, vencendo muitas equipes estrangeiras.

1951: o Corinthians fez a sua primeira partida no exterior. Foi em um quadrangular amistoso realizado no Uruguai em comemoração ao primeiro aniversário da conquista da Copa do Mundo no Brasil. O Timão enfrentou um combinado uruguaio, que contava com quatro jogadores campeões mundiais e venceu por 4x1.

1952: o Corinthians realizou pela primeira vez em sua história uma excursão internacional. O time passou por Turquia, Suécia, Finlândia e Dinamarca. Ao todo foram 16 jogos com 12 vitórias, 3 empates e uma derrota. Foram marcados 57 gols (média de 3,5 por partida). Essa excursão rendeu ao clube o título honorífico Fita Azul do Futebol Brasileiro.

1953: A conquista do Torneio Rio-São Paulo deu ao Corinthians uma vaga no antigo Torneio Internacional de Clubes, conhecido na época como Torneio de Caracas ou Troféu Marcos Pérez Jiménez e posteriormente como Pequena Taça do Mundo. Os adversários do Timão foram Barcelona (Campeão Espanhol), Roma (Campeão Italiano) e Seleção de Caracas (representante da cidade sede). Os jogos foram disputados em sistema de pontos corridos com turno e returno. Superando todas as expectativas o Timão venceu o torneio com 100% de aproveitamento.

1954: o Corinthians recebeu mais um título honorífico: Campeão Internacional dos Invictos, referente ao período entre 1952 e 1954 quando o time ficou 32 partidas sem derrota para equipes estrangeiras. Nenhum outro time brasileiro conseguiu essa façanha. Nesse período, além da excursão pela Europa em 1952 e da Pequena Taça do Mundo em 1953 houve mais 11 jogos de invencibilidade.

1955: o Timão venceu o Torneio Internacional Charles Miller que contava com Peñarol, Benfica, Palmeiras, Flamengo e América-RJ. Foram 4 vitórias e 1 empate.

1956: o Corinthians disputou a Copa do Atlântico, um torneio sul-americano disputado por clubes do Brasil, Argentina e Uruguai, considerado um dos propulsores da Copa Libertadores da América. Nas oitavas o Corinthians empatou em 2x2 com o Danúbio do Uruguai e o classificado teve que ser decidido em um sorteio, no qual o Timão levou a melhor. Nas quartas e na semifinal o Corinthians venceu o Santos e o São Paulo pelos placares de 4x3 e 2x0 respectivamente. A final deveria ser disputada contra o Boca Juniors, mas esses jogos nunca aconteceram. Diversas fontes apontam que o clube argentino se negou a jogar por ter discordado da realização do terceiro confronto em terras brasileiras. Porém essa informação não é oficial e os principais historiadores apontam que não houve a finalíssima por motivo de “falta de datas”. No entanto o título ficou com o Corinthians pelo chamado W.O.

1959: O Timão fez sua segunda excursão pela Europa. Não tão brilhante quanto a primeira, mas com bons resultados: 7 vitórias, 1 empate e 2 derrotas. Destaque para a goleada de 5x3 sobre o Barcelona.

871 visualizações e 32 respostas neste tópico

Avaliação do tópico:

Responder tópico

Melhores respostas

Mateus Santos De Almeida #953 @mateus.s em 14/03/2017 às 14:13

Essa pequena taça do mundo de 1953 é moralmente MUITO mais mundial que a copa rio 51 do palmares, essa é a diferença de um gigante para um pequeno, não precisamos mendigar títulos para nos acharmos grandes

CrefisÃo NÃo!!! #49 @anderson.kullowisky. em 13/03/2017 às 23:41

Para o Sormani foi em 2012...KKKKkkkk

Últimas respostas

Alisson Ferreira Alves #2.766 @afalves em 14/03/2017 às 14:20

Esse é o melhor tópico que eu li nos últimos tempos.

Publicidade

Mateus Santos De Almeida #953 @mateus.s em 14/03/2017 às 14:13

Essa pequena taça do mundo de 1953 é moralmente MUITO mais mundial que a copa rio 51 do palmares, essa é a diferença de um gigante para um pequeno, não precisamos mendigar títulos para nos acharmos grandes

Diego Lucas #818 @diilucas em 14/03/2017 às 14:13

Legal

Ricardo Predator( L.h.p) #1.622 @raldi.lhp em 14/03/2017 às 14:11

Bom tópico!

Márcio Souza #501 @naboa em 14/03/2017 às 14:10

Essa vou mandar para o fece Twitter

Anisio Molim #139 @amoamolim em 14/03/2017 às 14:01

Os arquivos da família estão com o meu irmão, que sempre em sua vida se preocupou em guardar fotos e outras recordações distintas da família.

Temos uma foto do meu pai com Luisinho, Claudio Pinho, e o técnico Ratto, que era amigo do meu pai, mas isso será preciso fazer uma busca nos arquivos dele, e talvez um dia eu possa postar no fórum. O meu irmão está passando todos esses arquivos da família em um HD, para que fique a disposição de quem quer arquivar também. Quando estiver pronto, vou fazer o meu arquivo. Tenho fotos com o meu primo remador dentro na fazendinha, de frente onde ficavam os barcos de remo. E da plataforma do Rio Tietê, de frente ao parque São Jorge, que hoje passa a marginal.

Essas coisas de fotografias instantâneas nos locais, não era habito normal das pessoas na época. As vezes uma foto era em função de um acontecimento.

Hoje se faz isso com naturalidade através desses aparelho existentes.

Estamos falando dos anos 50. O que mais havia nessa época era educação, elegância das pessoas, uma São Paulo sem violência, que lembrava Paris e sem poluição tanto sonora, visual e de carbonos generalizados.

Mario #4334 @mario.mattos em 14/03/2017 às 10:04

" "

Caramba, você viveu uma época fantástica. As lembranças devem der muito boas. Você tem fotos dessa época, com jogadores?

Mario M. D. De Mattos #4.334 @mario.mattos em 14/03/2017 às 10:04

Caramba, você viveu uma época fantástica. As lembranças devem der muito boas. Você tem fotos dessa época, com jogadores?

Anisio #139 @amoamolim em 13/03/2017 às 22:58

" "

Pois é Mário, o seu comentário é uma coisa convicta em mim desde quando pisei pela primeira vez na Fazendinha em 1955/56, quando eu e minha família fazíamos píc-níc, nas alamedas do parque, depois de assistirmos as competições de remo no Tietê. (meu primo era remador da equipe do Corinthians)

Quando era possível, ficávamos também para assistir o jogo se tivesse na fazendinha naquele dia. Assisti alguns jogos lá. Nessa época.

Eu tinha 6/7 anos de idade. Cheguei a ver Gilmar, Idário, Homero, Murilo, Olavo. Belangero, Luisinho Rafael, Cláudio Pinho, Paulão, Simão. Nonô, Alan, Zague, Cabeção, Goiano, Julião, enfim muitos deles daquela época.

Graça a Deus. Quando falo desse grupo e dessa época, me vejo como contemporâneo nato, porque em casa todos os meus familiares falavam deses caras todos e isso, parecia que faziam parte da minha família.

Eu era íntimos deles. E quando moleque (nasci e sou destro) praticava chutes com o pé esquerdo por causa do Luisinho, que foi, é, e sempre será o meu maior ídolo, junto com Sócrates.

Todos esses caras estão na minha prateleira emocional no topo dela. Quando penso em Corinthians, são os primeiros caras que vem na minha mente, acho que ajudou muito a minha formação dentro de casa, pois, se falavam desses caras como verdadeiros heróis. E isso me impactou demais.

Por isso que pra mim, é muito difícil tentar adotar outros jogadores como ídolos, ainda mais nessa época que o profissionalismo está acima das paixões.

E também, fico muito a vontade de criticar quem eu quiser, pois, não tenho o menor resquício emocional, com essa pangarezada toda que existem hoje no clube.

Ciro Hey #50 @ciro.hey em 14/03/2017 às 03:21

Com todos esses títulos nessa época..
Em 77 o jejum era tão grande assim? Rs ou títulos internacionais não contam?

CrefisÃo NÃo!!! #49 @anderson.kullowisky. em 13/03/2017 às 23:41

Para o Sormani foi em 2012...KKKKkkkk

André Anjos #9 @andre.anjoss em 13/03/2017 às 23:38

Valeu mano.

Avelino #494 @avelinogb em 13/03/2017 às 20:51

" "

https://www.youtube.com/watch?v=xjgSRL1I6MQ Excursão do Corinthians - 1952 - YouTube Excursão do Corinthians - 1952 - YouTube youtube.comyoutube.com