Atlético de Madri inaugura estádio de mais de R$ 1 bilhão, só que tem capacidade para 73.729 pessoas

Fórum do Corinthians
Tópico popular Entenda as regras

Samuel #3.391 @samuel.pires em 17/09/2017 às 00:17

https://www.msn.com/pt-br/esportes/campeonato-espanhol/atl%C3%A9tico-de-madri-inaugura-est%C3%A1dio-de-rdollar-1-bilh%C3%A3o-que-queria-pagar-com-%E2%80%98base-do-samu%E2%80%99-mas-que-ser%C3%A1-quitado-com-china-e-simeone/ar-AAs08od#image=AAs08od_1 https://www.msn.com/pt-br/esportes/campeonato-espanhol/atl%C3%A9tico-de-madri-inaugura-est%C3%A1dio-de-rdollar-1-bilh%C3%A3o-que-queria-pagar-com-%E2%80%98base-do-samu%E2%80%99-mas-que-ser%C3%A1-quitado-com-china-e-simeone/ar-AAs08od#image=AAs08od_1 msn.com |3

Atlético de Madri inaugura estádio de R$ 1 bilhão que queria pagar com ‘base do Samu’, mas que será quitado com China e Simeone.

Neste sábado, dia 17 de setembro de 2017 o Atlético de Madri inaugura seu novíssimo estádio, o Wanda Metropolitano, que tem capacidade para 73.729 pessoas e que já é classificado como um dos melhores e mais modernos do planeta tanto pela Fifa quanto pela Uefa. O primeiro duelo será contra o Málaga, às 15h45 (de Brasília), pela 4ª rodada do Espanhol, e terá transmissão ao vivo da ESPN Brasil e do WatchESPN.

Para o duelo, o Atlético preparou uma grande festa, que contará inclusive com a presença do rei da Espanha, Felipe II, que acompanhará dos camarotes.

Os torcedores que forem chegando desde cedo também serão agraciados com muitas atrações, como a abertura da nova loja oficial e das fan zones para quem não conseguiu ingressos, atividades para crianças e um happy hour com tinto de verano (bebida típica espanhola), cerveja, sucos e refrigerantes a 2 por 1.

Como quase toda grande obra, a arena colchonera não saiu barata: custou 306 milhões de euros (R$ 1,146 bilhão), sendo 240 milhões de euros (R$ 899 milhões) na construção e o restante em obras dos arredores, impostos e exigências da prefeitura da capital espanhola, como o preço do terreno (30,4 milhões de euros, ou R$ 113,74 milhões).

A equipe alvirrubra teve que assumir, por exemplo, o custo das obras de urbanização do entorno, que ficaram em 29,8 milhões de euros (R$ 111,5 milhões), além de também fazer 4 mil vagas de estacionamento ao redor do Metropolitano, que serão utilizadas por torcedores em dias de jogos, mas depois tornar-se-ão de uso público nos dias normais para quem quiser parar o carro na região.

Mesmo antes do início da construção, em 2013, o Atlético parecia ter o plano perfeito para ajudar a quitar todo esse montante: em um acordo firmado com a prefeitura, o clube iria ceder um setor do estádio para servir como base do Samur, o serviço de atendimento de emergência que corresponde ao Samu brasileiro.

Além disso, o clube iria ceder de 500 a 1 mil ingressos à prefeitura a cada partida de lá Ligaou da Copa do Rei, ao preço de 40 euros (R$ 150), como forma de abatimento de impostos.

Contudo, isso acabou sendo proibido, já que, quando Madri perdeu a eleição para ser sede dos Jogos Olímpicos de 2016, que acabaram sendo no Rio de Janeiro, a arena deixou de ser candidata a ser o Estádio Olímpico da cidade no evento, o que tornou a obra exclusiva para uso privado (no caso, os jogos do Atlético).

Com isso, as leias espanholas proibiram esse tipo de ajuda do Estado a uma entidade particular, e o plano da 'base do Samu' acabou indo para o brejo.

O que parecia ter virado um problema, porém, foi solucionado com maestria.

Negócio da China
Em 2014, o Atlético de Madri vendeu 20% de suas ações por 45 milhões de euros (R$ 168,37 milhões) ao grupo chinês Dalian Wanda, que possui uma série de negócios na China, como shopping centers, cinemas e hotéis de luxo.

De cara, isso ajudou a agremiação a equacionar a antiga dívida de 200 milhões de euros com o fisco espanhol - algo que 'afogou' os colchoneros em anos de crises e fracassos antes de sua atual era de ouro.

Depois, a equipe acertou a venda dos naming rights de seu CT por 15 milhões de euros (R$ 56 milhões) e também de estádio para o próprio conglomerado chinês, em um acordo de uma década que renderá mais 10 milhões de euros (R$ 37,41 milhões) por ano aos cofres alvirrubros.

Com isso, os asiáticos irão injetar um total de 165 milhões de euros (R$ 617,38 milhões) no Atlético ao longo de 10 anos.

Isso é suficiente para pagar mais da metade do custo da construção do novo estádio (os 306 milhões de euros).

A entrada de dinheiro chinês também permitiu aos clube começarem a criar uma teia para expandir a marca pelo mundo e revelar novos jogadores.

Para isso, foi criada uma filial do Atlético na Índia, um dos mais novos (e ricos) mercados do futebol. Ademais, foram compradas 34% das ações do Lens, tradicional equipe da França - e conhecida por sua boas categorias de base - que passará a ser usada como centro de desenvolvimento de atletas pelos madrilenhos.

Mas de onde vem o restante do dinheiro que o Atlético vai usar para pagar o Metropolitano? A resposta tem nome e sobrenome.

Simeone 'paga' o resto
Não é segredo para ninguém que o técnico Diego Simeone transformou o Atlético de Madri da água para o vinho.

Quando o argentino chegou à equipe, em dezembro de 2011, o time estava completamente endividado, no fundo da tabela do Campeonato Espanhol, havia sido eliminado da Copa do Rei pelo Albacete, da 3ª divisão, e não tinha nem patrocinador master. A consultoria Deloitte o colocava como 25º mais rico da Europa (atrás de times como Schalke 04 e West Ham), e apenas o 5º da Espanha.

Seis anos depois, os colchoneros vêm de duas finais recentes de Uefa Champions League e títulos de lá Liga, Copa do Rei, Supercopa da Espanha, Supercopa da Uefa e Liga Europa.

O faturamento quase triplicou (dos 100 milhões de euros para os atuais 280 milhões de euros), os sócios pularam de 60 mil para 87 mil e a Deloitte hoje o considera o 11º time mais rico do mundo. Aquela dívida 'monstruosa' de 200 milhões de euros com o fisco, por sua vez, já está quase encerrada.

Ninguém faz nada sozinho, mas certamente dá para dizer que o Cholo, com seu estilo aguerrido e meio louco, além de seu lema ('O coração em campo iguala qualquer orçamento'), teve grande parte de responsabilidade pelo sucesso.

O plano da diretoria alvirrubra é torná-lo um 'novo Alex Ferguson'. Não à toa, ele renovou recentemente seu contrato com a equipe madrilenha até 2020, o que já o deixará com nove anos no cargo ao final deste período.

Com o 'Cholo', os cartolas têm certeza que o Atlético estará sempre disputando as primeiras posições da tabela do Espanhol e também brigando pela taça na Champions, a consequência é estádio sempre cheio e torcida animada, o que significa entrada de muito dinheiro com bilheteria e direitos de TV.

O carisma do argentino também é responsável por gerar muitos milhões para a equipe de Madri, principalmente com marketing e na internet. Desde que ele assumiu como treinador, o Facebook do clube passou de 4 para quase 14 milhões de likes, por exemplo.

Além disso, o sucesso em campo trouxe fontes diversificadas de renda. Hoje, o Atlético excursiona para promover a marca do time na Ásia, na América Latina e nos Estados Unidos durante as pré-temporadas. A camisa nunca esteve tão em alta, com um vantajoso contrato com a Nike, cada vez mais patrocinadores e aumento de 25% das vendas de uniformes desde 2014.

Bom de mercado, Diego também transformou o Atlético em uma máquina de fazer dinheiro no mercado da bola, comprando jogadores jovens, desconhecidos ou em má fase por valores baixos e depois os vendendo por quantas exorbitantes (isso depois de 'espremer' todo o potencial do atleta), como nos casos dos atacantes Diego Costa e Jackson Martínez ou do meia Arda Turan, por exemplo.

Orçamento não para de crescer
A era de ouro do Atlético nas mãos de Simeone fez o clube sair da crise para se tornar um dos clubes mais ricos do mundo. O orçamento aumenta ano a ano, e o céu parece ser o limite para a diretoria colchonera.

Quando o 'Cholo' assumiu, em 2011, o clube faturava meros 124 milhões de euros (R$ 464 milhões, na cotação atual) por ano.

Já nesta semana, o jornal Marca publicou que os cartolas do clube já aprovaram uma receita de 343 milhões de euros (R$ 1,283 bilhão) para a próxima temporada, disparado o maior valor da história do clube - o recorde anterior era de 280 milhões de euros (R$ 1,047 bilhão), na temporada passada.

E as previsões são ainda mais ambiciosas.

Na reunião, o presidente da agremiação, Enrique Cerezo, disse que a meta é chegar a um orçamento próximo de 400 milhões de euros (quase R$ 1,5 bilhão) até a temporada 2019/20 - ou seja, a distância para os poderosos Real Madrid e Barcelona vai ficando cada vez menor.

Com tanto dinheiro entrando, fica fácil pagar o Metropolitano.

E o futuro parece brilhante (e cheio de dinheiro) para o Atlético de Madri.

Atlético de Madri deve ter casa lotada para a inauguração do estádio.

1.135 visualizações e 34 respostas neste tópico

Avaliação do tópico:

Responder tópico

Melhores respostas

Lucca Ro #1.569 @luiz.otrio em 17/09/2017 às 02:28

Isso só mostra o tanto que nos roubaram

Richard Vinicius #342 @richard.vinicius1 em 17/09/2017 às 02:10

Isso tudo é impossível no futebol brasileiro

Últimas respostas

Anisio Molim #96 @amoamolim em 18/09/2017 às 12:58

Ajuda militar entra em outro contexto, e não na questão do Euro, Estou falando que a Espanha jamais recebeu ajuda da Inglaterra por questões do Euro que você assinalou.

Questão militar temos que comentar sobre o papel da OTAN, os interesses da Inglaterra em energias como petróleo, urânio e outros minérios como Cobre, Diamante, enfim essas coisas.

Não tem nada de Euro nisso. E com relação aos refugiados, todos os países Europeus sofrem dessa situação desde quando estabeleceram suas colônias pelo mundo. Hindus por exemplo como os da Índia, Paquistão, antiga Birmânia, existem por lá a séculos. E os refugiados de hoje expulsos e espoliados de seus territórios dos conflitos de guerra existentes nesse momento, no fundo provocados pelos colonizadores como Inglaterra, EUA e outros países, estão espalhados por todo o território Europeu.

A instabilidade da Europa, vem da farra do boi provocada pelo Euro que aceitou países sem lastros de sua moeda, se equiparando a países dom Alemanha e França, as duas maiores potência, Inglaterra saiu fora disso, justamente para não sofrer com sua moeda que teria de sustentar lastros de países como Grecia, Espanha, Portugal, Itália e outros do Leste europeu pós derrubada do muro.

E nessa farra, quebradeiras do grandes monopólios financeiros que jogaram dinheiro de empréstimos e com isso uma grande bolha sem sustentação de fianças, culminou na maior crise econômica do mundo, quebrando inclusive bancos Japoneses e Norte Americanos que tinham suas fatias emprestadas a essa farra do boi chamado Euro.

Entretanto crise na Europa também não se mede com países de terceiro mundo como o nosso. Assim como a disposição de 300 milhões de euros para se fazer um estádio de futebol, não é a mesma coisa do que dispor aqui de 1 bilhão e sei lá quando mais.

O indivíduo que sub-existe na Europa ganha no mínimo 1.200 euros por mês, aqui são 987 reais. Ou seja 3,72 vezes mais.

O cidadão médio na Europa pode ver jogos de preços de 40 a 100 euros, aqui é de 57 reais a média. Pelo menos essa é a média do Corinthians.

Portanto meu caro, não jogue assunto fora daquilo que se estava comentando. É energia gasta a toa.

Edu #1215 @eduardo.marques13 em 17/09/2017 às 18:37

" "

Ela nunca chegou a entrar por completo, nisso você tem razão, mas ela sempre ajudou militarmente ou não!? Para citar uma delas como exemplo, ainda temos a questão da imigração(direitos iguais para ambos os lados), digamos que ela não está obrigada a ajudar, mas sim ela tinha meio pé dentro e agora tenta tirar os dois. E se preferir, pode trocar a Inglaterra pela Alemanha e França... Afinal através dessas nações, alguns países continuam sendo beneficiados pelos burocratas transnacionais(é assim que eles chamam), que no impeto de fazer justiça e promover a igualdade, acabam prejudicando estes economicamente. Sabe por que está acontecendo? Está acontecendo principamente pelo alto indice de desemprego na Inglaterra, alias muito disso se deve pela grande busca de emprego por parte de cidadãos de nações vizinhas, que então chegam em terras inglesas procurando trabalho, pois tem passe livre naquele país, os próprios ingleses sofrem as consequencia dessa grande procura!

Publicidade

Edu Marques #1.215 @eduardo.marques13 em 17/09/2017 às 18:37

Ela nunca chegou a entrar por completo, nisso você tem razão, mas ela sempre ajudou militarmente ou não!? Para citar uma delas como exemplo, ainda temos a questão da imigração(direitos iguais para ambos os lados), digamos que ela não está obrigada a ajudar, mas sim ela tinha meio pé dentro e agora tenta tirar os dois. E se preferir, pode trocar a Inglaterra pela Alemanha e França... Afinal através dessas nações, alguns países continuam sendo beneficiados pelos burocratas transnacionais(é assim que eles chamam), que no impeto de fazer justiça e promover a igualdade, acabam prejudicando estes economicamente. Sabe por que está acontecendo? Está acontecendo principamente pelo alto indice de desemprego na Inglaterra, alias muito disso se deve pela grande busca de emprego por parte de cidadãos de nações vizinhas, que então chegam em terras inglesas procurando trabalho, pois tem passe livre naquele país, os próprios ingleses sofrem as consequencia dessa grande procura!

anisio #96 @amoamolim em 17/09/2017 às 15:27

" "

Amigo, A Inglaterra não está na Zona do Euro, tem sua moeda própria e de maior valor que o Euro, de nome Libra. Ela ainda faz parte do antiga acordo da União Europeia, que era um bloco Europeu de comércio, Cultura, e Economia com fronteiras livres. Hoje não é maiassim, está bem modificado.

E com isso, a Espanha jamais recebe benefícios da Inglaterra por esse aspecto do euro. Pode, se tiver algum acordo econômico entre eles, pois, isso até seria possível porque os dois países são monárquicos. Assim como a Bélgica, Holanda, os países do norte os escandinavos como Suécia, Dinamarca e Noruega.

Edu Marques #1.215 @eduardo.marques13 em 17/09/2017 às 18:35

Ela nunca chegou a entrar por completo, nisso você tem razão, mas ela sempre ajudou militarmente ou não!? Para citar uma delas como exemplo, ainda temos a questão da imigração(direitos iguais para ambos os lados), digamos que ela não está obrigada a ajudar, mas sim ela tinha meio pé dentro e agora tenta tirar os dois. E se preferir, pode trocar a Inglaterra pela Alemanha e França... Afinal através dessas nações, alguns países continuam sendo beneficiados pelos burocratas transnacionais(é assim que eles chamam), que no impeto de fazer justiça e promover a igualdade, acabam prejudicando estes economicamente. Sabe por que está acontecendo? Está acontecendo principamente pelo alto indice de desemprego na Inglaterra, alias muito disso se deve pela grande busca de emprego por parte de cidadãos de nações vizinhas, que então chegam em terras inglesas procurando trabalho, pois tem passe livre naquele país, os próprios ingleses sofrem as consequencia dessa grande procura!

Fábio Rogério Gomes Garcia #820 @fabiogarcia em 17/09/2017 às 16:29

Isso só mostra o tamanho do roubo que aconteceu pelas bandas de cá, mas independentemente disso lá é tudo mais barato, os impostos pra cá, nos comem pelas pernas, encarece tudo.

Roberto Roja #350 @carlos.roberto.roja em 17/09/2017 às 16:22

Para o meu gosto bem mais bonito que o nosso, arena monumental.

Rafael Marques #68 @rafa.235 em 17/09/2017 às 15:55

Cara, eu não sou especialista, mas justamente eu imagino que deve ser muito mais caro construir um estádio de PRIMEIRO MUNDO aqui..

Imagina só o custo básico de materiais importados...

Fora outros detalhes que devem ter, e eu não sei..

Além das baboseiras da Fifa, que encarecem qualquer estádio que participa de uma copa...

Enfim, como eu disse, ninguém vai botar a mão no fogo falando que não tem nada de errado lá, mas mesmo que haja, o preço enorme com certeza não se deve só à isso...

Miguel Oliveira #1.677 @mitintn em 17/09/2017 às 15:42

Não se compara impostos, custo de material de um país para o outro + suborno rsr

Alexandre Domingos #809 @adomingos em 17/09/2017 às 15:40

Fomos roubados em 400 milhões de reais, quem vai averiguar o Andrés?

Lava-Jato na Arena Corinthians senão vamos morrer sem saber qual valor real da obra, se foi presente para o Lulla então ele negociou um por fora, a Arena tá linda porém saiu muito cara.

Não podemos fazer de conta que está tudo bem, tipo avestruz, vamos descobrir e doa a quem doer.

Anisio Molim #96 @amoamolim em 17/09/2017 às 15:27

Amigo, A Inglaterra não está na Zona do Euro, tem sua moeda própria e de maior valor que o Euro, de nome Libra. Ela ainda faz parte do antiga acordo da União Europeia, que era um bloco Europeu de comércio, Cultura, e Economia com fronteiras livres. Hoje não é maiassim, está bem modificado.

E com isso, a Espanha jamais recebe benefícios da Inglaterra por esse aspecto do euro. Pode, se tiver algum acordo econômico entre eles, pois, isso até seria possível porque os dois países são monárquicos. Assim como a Bélgica, Holanda, os países do norte os escandinavos como Suécia, Dinamarca e Noruega.

Edu #1215 @eduardo.marques13 em 17/09/2017 às 12:07

" "

A taxa básica de Juros da Espanha este ano, é de 0,00, claro que o correto seria pegar a taxa referente ao ano em que fizeram o projeto para construir o estádio de Atlético de Madrid, afinal o financiamento para a sua construção foi calculado com as taxas da época, mas não deveria estar muito acima dessas taxas, lembrando que essa taxa básica de juros só é possível de ser praticada, pelo fato de estarem na chamada zona do euro(países como a Espanha recebem benefícios de países como a Inglaterra que aplica uma política mais austera do que a primeira).

Então devemos ter certo cuidado quando paramos para compararmos os valores de nosso país(nesse caso mercado imobiliário, pois o estádio entra nesse setor)com outro de um outro continente

Então temos que considerar outras coisas além da corrupção, não estou dizendo, que o que estamos pagando é o valor real da arena, mas creio que não difere muito disso não.

Caio Batista #1.670 @starxdust em 17/09/2017 às 13:28

Cara, lá é a Espanha