A culpa não é do empresário

Fórum do Corinthians
Tópico Lendário Entenda as regras

Maria #148 @timaoparasempre em 28/11/2017 às 22:48

Tem muita gente responsabilizando o empresário do Pablo pelo não acerto do jogador com o Corinthians com base no fato dele sempre ter declarado o desejo de permanecer no clube. Diante da malograda negociação, a única conclusão possível é que o amor pelo dinheiro sobrepujou o declarado desejo de continuar defendendo o Timão. Convém lembrar que quem contrata o empresário é o jogador, e não o contrário, portanto, a última palavra é do contratante e não do contratado. Assim, Pablo é o único responsável pela sua decisão de não permanecer no Corinthians e passar tal responsabilidade para seu empresário seria destituí-lo de seu livre arbítrio e da condução de seu destino.

É óbvio que ele tem o direito de escolher o que acha ser melhor para ele. Mas não foi nada elegante permitir que seu empresário sondasse outros times, num verdadeiro leilão do jogador, enquanto declarava que queria permanecer, prolongando a negociação para ganhar tempo até aparecer uma proposta financeiramente melhor. Deveria ter sido honesto e aberto o jogo de quanto queria ganhar e em que condições e não ficar 'cozinhando o galo', à espera de uma proposta economicamente mais vantajosa. Em nenhum momento ele considerou o fato de que estava encostado no Bordeaux e que o Corinthians recuperou-o para o futebol, colocando-o na vitrina onde passou a ser cobiçado por outros times. Se, profissionalmente, ele tem o direito de escolher o que lhe parece ser melhor, o Corinthians tem o direito de dispensar seus préstimos e devolvê-lo ao time a que pertence, da mesma forma que o Marciel foi devolvido ao Corinthians antes do término da vigência do empréstimo.

Quanto ao veto à participação na festa da entrega da taça, considero que o mesmo serviu para preservá-lo de um vexame, pois, com certeza seria vaiado e xingado pela torcida. Se o clima era de festa, de celebração, de confraternização, não teria sentido possibilitar uma situação constrangedora para o jogador e para a própria festa. Se ele ajudou a conquistar o título, foi pago para isso e conforme declaração de seu empresário, o Corinthians não lhe deve nada, seus proventos estão em dia. Pablo supervalorizou-se ao pedir um salário muito acima ao teto do clube e condições especiais para o pagamento de luvas. Parece que pediu algo desproposital para poder ficar livre para fechar contrato com outro time. Está no seu direito, assim como o Corinthians está no direito de não relacioná-lo para os dois jogos que faltavam.

Sem clima para celebração e até para evitar tumultos, não participou da festa do Hepta, não porque saiu do Corinthians, mas pela forma como saiu. Se usou o Corinthians para se recuperar para o mundo da bola e para se valorizar, se simulou estar satisfeito no clube, manifestando o desejo de ficar ao mesmo tempo que permitiu que seu empresário o colocasse em leilão, se pediu um contrato fora dos padrões do clube para poder ficar livre para fechar com quem venceu o leilão, houve uma quebra de confiança. E com quebra de confiança não existe condições de participar com o grupo, no qual se inclui a diretoria com quem negociou, de uma celebração, que é também uma confraternização.

5.185 visualizações e 101 respostas neste tópico

Avaliação do tópico:

Responder tópico

Iluminado Corinthians #389 @iluminadofiel em 29/11/2017 às 04:23

O diabo fez juntou: jogador, esposa e empresário mau caráter.

Publicidade

Ernesto Da Silva Olimpio Dias #7.065 @ernestoolimpio em 29/11/2017 às 04:22

Não aguento mais esse assunto do Pablo, mas como é a dona Maria construindo o texto vou aplaudir. Parabéns dona Maria!

Eorl Hk #297 @cansado em 29/11/2017 às 03:23

Defendo sempre a liberdade. É normal o clube não relacionar jogador que esta fora dos planos para o próximo ano. Mas não é normal impedir o cara de celebrar aquilo que ajudou conquistar com seus companheiros

Deivid William #201 @deivid.perez em 29/11/2017 às 02:46

Sempre foi meu pensamento, tendo fazer entender que empresário é boi de piranha, suja a própria imagem para defender as vontades do jogador!

Parabéns pelo tópico!

Marcel Moura Cabral #7.890 @marcel8 em 29/11/2017 às 01:44

Acho que uns 90% da torcida vaiaria ele! Eu mesmo não pude ir no jogo, mas iria vaiar com toda a certeza!

Jorge Silva #10.324 @jorge.silva16 em 29/11/2017 às 01:41

Pablo é um picareta, que vá e se F$D#

Tales Lima Santos #446 @tales1910 em 29/11/2017 às 01:03

Tem outro clube na jogada...

Foi oferecido, gostaram... E colocaram os preços lá no alto.

Sergio @sergiofiel em 29/11/2017 às 00:34

" "

Só discordo que o veto foi para preservá-lo de um vexame diante da torcida. Se a intenção fosse essa, era simples, bastava só divulgar o resultado das negociações depois do jogo festivo, por exemplo na segunda-feira, depois da festa do domingo.

O Corinthians quis, sim, dar um troco público no Pablo. Ainda não sabemos direito a razão, porque o troco foi muito forte apenas por uma questão comercial, uma negociação arrastada e uma divergência de valores. Tem mais coisa aí.

A imprensa vem defendendo o direito do Pablo de participar da festa, acusando o Timão de ter sido deselegante. Em condições normais, ele teria mesmo esse direito e seria mesmo deselegante isolá-lo, já que cumpriu bem sua parte e foi campeão com o grupo.

Mas acho que o Corinthians resolveu usar um argumento bem formal ('a partir do fim das negociações, não é mais jogador do clube, não vai comparecer'), pra dar um 'soco' no Pablo e recolocar as coisas no seu devido lugar. Custo a acreditar que foi somente uma demonstração de 'força do patrão' (que, muitas vezes, acontece mesmo).

Uma razão para a reação do clube certamente é o fato do leilão que o empresário nega veementemente e a diretoria não tem como provar, mas tomou conhecimento. Porém, repito, deve ter mais coisa aí. O que será?

Jeferson Gomes #6.134 @jeferson.gomes9 em 29/11/2017 às 00:36

Eu não culpo ele, velho, querendo ou não, jogador de futebol é um ''trabalho'', e todo mundo que recebe uma oportunidade de emprego com um salário mais alto, sempre vai! Então por que ele deveria ficar por amor? Amor não, por dó? Pensem nisso, o jogador que joga insatisfeito nunca rende! Então vamos procurar um jogador mais fácil de trazer, que tenha qualidade... E sem falar que o Corinthians teve uma oferta única pelo Pablo, e que provavelmente será mais caro para outros clubes... O Corinthians não tem dinheiro pra trazer algo caro, então não fiquem falando, ''ai, ele preferiu o dinheiro'' ''ai, ele é traidor''... Mas em que momento ele falou que era corintiano? ENTÃO! ENTÃO PAREM DE RECLAMAR QUE NINGUÉM É OBRIGADO A FICAR NUM TIME!

Ninja Da Fiel #41 @jhony.10 em 29/11/2017 às 00:35

Não confio nem um pouco nessa diretoria, mais uma vez estão sendo massacrados pela mídia, e empresário, e nossos dirigentes calados, e quem cala consente, essas negociações no SCCP ultimamente sempre acaba em novela, são muito nebulosas, e nós torcedores em sua maioria é enganada por esses dirigentes pouco confiáveis.

Sergio #fiel @sergiofiel em 29/11/2017 às 00:34

Só discordo que o veto foi para preservá-lo de um vexame diante da torcida. Se a intenção fosse essa, era simples, bastava só divulgar o resultado das negociações depois do jogo festivo, por exemplo na segunda-feira, depois da festa do domingo.

O Corinthians quis, sim, dar um troco público no Pablo. Ainda não sabemos direito a razão, porque o troco foi muito forte apenas por uma questão comercial, uma negociação arrastada e uma divergência de valores. Tem mais coisa aí.

A imprensa vem defendendo o direito do Pablo de participar da festa, acusando o Timão de ter sido deselegante. Em condições normais, ele teria mesmo esse direito e seria mesmo deselegante isolá-lo, já que cumpriu bem sua parte e foi campeão com o grupo.

Mas acho que o Corinthians resolveu usar um argumento bem formal ('a partir do fim das negociações, não é mais jogador do clube, não vai comparecer'), pra dar um 'soco' no Pablo e recolocar as coisas no seu devido lugar. Custo a acreditar que foi somente uma demonstração de 'força do patrão' (que, muitas vezes, acontece mesmo).

Uma razão para a reação do clube certamente é o fato do leilão que o empresário nega veementemente e a diretoria não tem como provar, mas tomou conhecimento. Porém, repito, deve ter mais coisa aí. O que será?