Rincón, Ídolo do Corinthians

Volante

Rincón

Biografia

Quando Rincón chegou ao Corinthians o seu nome já estava marcado na história do futebol mundial. Tinha em seu currículo duas copas do mundo (1990 e 1994) e diversos títulos em seu país e no mundo todo e tendo passado por times como Napoli (Ita) e Real Madrid (Esp). Mas foi no Corinthians que Rincón viveu o seu melhor momento e ainda foi convocado para disputar a sua terceira copa do mundo, a de 1998.

Se antes era um meia ofensivo, no Corinthians foi recuado pra posição de volante e acabou "redescobrindo" o seu futebol e jogando como poucos no mundo, aliando técnica, marcação forte e o espírito guerreiro e raçudo que todo corinthiano gosta de ver em campo.

Ao lado de Vampeta, Rincón formou a melhor dupla de volantes do futebol brasileiro e uma das melhores duplas de volante do mundo na época.

Jogador experiente e com um espírito de liderança natural e pouco visto, Rincón normalmente virou o líder e capitão da equipe que era cheia de jogadores craques e de temperamento difícil. Como era muito respeitado por todos, Rincón sempre resolvia os problemas existentes no elenco e não deixava que problemas extra campo interferissem no rendimento da equipe dentro das quatro linhas.

Ao lado de Vampeta, Marcelinho e Ricardinho, Rincón formou um dos melhores meios de campo da história do Corinthians e que ganharia, entre outros títulos, o primeiro campeonato mundial interclubes reconhecido pela FIFA, no ano de 2000. Inclusive o momento em que Rincón ergue a taça do campeonato mundial com a camisa do Corinthians é um dos mais marcantes e emocionantes na história do Corinthians e sem dúvida o momento mais importante da carreira de Rincón.

Após o Mundial, Rincón saiu do Corinthians e perambulou por outros times de menor expressão no Brasil. Retornou ao Corinthians em 2004, aos 37 anos. Mas não teve o mesmo rendimento da sua primeira passagem extremamente vitoriosa.

Relembre de outros ídolos que jogaram no Corinthians

O que você mais lembra do Rincón no Corinthians?