MP questiona Governo se haverá uso de grana pública no Fielzão

MP questiona Governo se haverá uso de grana pública no Fielzão

O Ministério Público questionou o governo e a Prefeitura de São Paulo sobre se haverá ou não uso de dinheiro público nas obras do estádio do Corinthians e em seu entorno. Os ofícios foram enviados há duas semanas, e a prefeitura acusou o recebimento no dia 1º de fevereiro. Porém até o momento não houve resposta.

A informação é da coluna Painel FC, assinada por Bernardo Itri e Eduardo Ohata e publicada na edição desta sexta-feira na Folha. A íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL.

No Ministério Público questiona-se a indicação de Gilberto Kassab de que tudo está bem encaminhado. Autoridades acrescentam que, se a prefeitura não responde a uma simples questão, então é impossível o tema estar resolvido com o Ministério Público.

De acordo com a coluna, as autoridades lembram que um dos mantras do prefeito e do governador no que toca o estádio corintiano para a Copa é o de que não haverá dinheiro público na arena. Assim, uma resposta oficial já estaria pronta, não havendo motivos para morosidade.

No Ministério Público, o estádio de Itaquera é tratado ainda como possibilidade, não como fato.

Fonte: Folha

Enviado por: Will2S

Veja Mais:

  • Corinthians é líder do Brasileirão de forma isolada

    Palmeiras perde em casa, Santos tropeça fora, e Corinthians segue líder isolado do Brasileirão

    ver detalhes
  • Vagner Mancini teria ofendido jornalista da Rádio Bandeirantes

    Vaza suposto áudio de Mancini festejando vitória com ofensa a jornalista: 'Babaca corinthiano'

    ver detalhes
  • Vitória comemorou triunfo sobre o Corinthians nas redes sociais

    Vitória cita jargão corinthiano para comemorar triunfo na Arena

    ver detalhes
  • Titular contra o Vitória, Gabriel se posicionou sobre a derrota em rede social

    'Mais forte do que nunca': jogadores do Corinthians comentam derrota nas redes sociais

    ver detalhes

Comente a notícia:

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar!

  • 1000 caracteres restantes