O céu e o inferno de Adriano

O céu e o inferno de Adriano

Conversei com um funcionário do Corinthians que estava olhando para Adriano no momento em que ele se machucou no treino no CT Joaquim Grava.

Minutos antes, o Imperador estava feliz como nunca havia sido visto no convívio com os corintianos. Sorridente e brincalhão com todos, ele comemorava o fato de exercitar-se no gramado após meses.

Era a primeira vez que o atacante fazia uma atividade no campo depois de sofrer a lesão no ombro direito, no dia 19 de janeiro, quando atuava pela Roma (ITA). Desde que chegou ao clube, só ficava na academia fazendo fisioterapia e exercícios aeróbicos.

A atividade fatídica consistia em correr pulando “mini-traves”, formadas por tubos de PVC. Na repetição, ele acabou se descuidando e sentiu o pé esquerdo.

Foi com vontade excessiva que ele rompeu o tendão-de-aquiles e ficará fora de combate por cerca de cinco meses.

Assim que caiu e sentiu a dor, Adriano chorou muito. A cena comoveu todos os presentes.

No dia em que era para ser só alegria para Adriano, o jogador sofre um dos piores baques da carreira que, por sua sorte, nunca fora marcada por graves lesões.

O céu e o inferno de Adriano

Enviado por: Patricia Bernardo

Veja Mais:

  • Artilheiro do Brasileirão com 18 gols, Jô está escalado

    Corinthians é escalado com seis mudanças para clássico diante do Flamengo

    ver detalhes
  • Com Balbuena e Jô, Timão tenta engatar 5ª vitória consecutiva no Brasileirão

    Com novas motivações, Corinthians encara Flamengo em primeiro teste como heptacampeão

    ver detalhes
  • Antes doo Dérbi, mais de 30 mil corinthianos apoiaram os jogadores alvinegros

    Diretor se anima com chance de mais treinos abertos na Arena: 'Talvez antes do próximo jogo'

    ver detalhes
  • Vágner Love foi quem marcou no empate decisivo para sagrar o título do Corinthians

    Há dois anos, Corinthians garantia hexa do Brasileirão com empate no Rio de Janeiro

    ver detalhes

Comente a notícia:

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar!

  • 1000 caracteres restantes