Após pouco menos de um ano, Felipe reencontra a Nação Corinthiana

Após pouco menos de um ano, Felipe reencontra a Nação Corinthiana

Felipe, que durante muito tempo foi ídolo Corinthiano, jogará contra o Corinthians neste Domingo, às 16h. O goleiro que antes ficava com o apelido de Muralha, após anunciar sua saída para o Braga, de Portugal, ficou com o apelido de Traidor.

Veja o que Felipe falou na época que iria para o Braga, de Portugal:

“Joguei com dedo quebrado, com vencimentos atrasados, e ainda assim fui taxado como ‘mercenário’ por muita gente. E isso me doía demais”, escreveu Felipe, que negocia com o Braga, de Portugal.
“O ‘mercenário’ aqui abre mão de um contrato de milhões e devolve as luvas que recebeu do clube. Tudo para parar de ser humilhado e poder fazer o meu trabalho em paz. Mostrei que não ligo pro dinheiro como muitos diziam, e que antes de qualquer centavo a coisa que sempre norteou minha vida no Corinthians foi o amor à essa gloriosa camisa”, complementou.

Felipe foi contratado em 2007 e diz ter tido muitas lembranças com a torcida alvinegra. Para ele, seu melhor momento no Corinthians ocorreu no final de 2008, quando o Timão retornou para a Série A do Brasileiro com o apoio da torcida.

“Sofri com a torcida, perdemos e choramos juntos. Vencemos e vibramos com a mesma união a cada vitória e a cada conquista. Não me esqueço da sensação de estar no meio de vocês quando voltamos à Série A, e eu pulei o alambrado do Pacaembu”.

Esta foi a carta de agradecimento mandada por Felipe:

Em primeiro lugar, queria agradecer à minha família e meus empresários, que sempre me deram força e, neste momento delicado pelo qual passei nos últimos 40 dias, estiveram mais do que nunca ao meu lado.
À imensa Nação Corintiana, agradeço pelo constante apoio e carinho que demonstraram comigo desde a minha chegada ao Corinthians, em 2007. Nesses três anos de trajetória, vitórias, derrotas, títulos e, acima de tudo, respeito pela camisa e pela torcida deste Clube, que levarei para sempre comigo.
Foram três títulos e uma identificação que nada, nem ninguém, poderá apagar. Sofri com a torcida, perdemos e choramos juntos. Vencemos e vibramos com a mesma união a cada vitória e a cada conquista. Não me esqueço da sensação de estar no meio de vocês quando voltamos à Série A, e eu pulei o alambrado do Pacaembu.
Penso que nada, muito menos ninguém é eterno. Por isso, deixo aqui o meu ‘até breve’, pois confesso que espero voltar a vestir este Manto Sagrado, se um dia o clube não for mais gerido pelas pessoas que hoje lá estão.
Enfim, passei 3 anos dedicando a minha vida ao Corinthians. Joguei com dedo quebrado, com vencimentos atrasados, e ainda assim fui taxado como “mercenário” por muita gente. E isso me doía demais. Hoje, depois de alguns anos a verdade vem a tona. O “mercenário” aqui abre mão de um contrato de milhões e devolve as luvas que recebeu do clube. Tudo para parar de ser humilhado e poder fazer o meu trabalho em paz. Mostrei que não ligo pro dinheiro como muitos diziam, e que antes de qualquer centavo a coisa que sempre norteou minha vida no Corinthians foi o amor à essa gloriosa camisa.
Felipe

Após pouco menos de um ano, Felipe reencontra a Nação Corinthiana

Enviado por: República Popular do Corinthians

Veja Mais:

  • Guilherme Arana está lesionado

    Possível nova oferta por Guilherme Arana não abala diretoria do Corinthians

    ver detalhes
  • Clayton se despediu do Corinthians em rede social

    Clayton se despede do Corinthians em rede social: 'Dever cumprido'

    ver detalhes
  • Romero e Balbuena foram convocados pelo técnico Arce

    Lesão não impede convocação de Balbuena; Paraguai libera lista com os jogadores do Corinthians

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians não vê jogo da equipe na TV aberta há quase um mês

    Fiel só tem uma opção para assistir na TV ao jogo do Corinthians contra Chapecoense

    ver detalhes

Comente a notícia:

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar!

  • 1000 caracteres restantes