Vereador adia votação sobre incentivos fiscais do Fielzão

Vereador adia votação sobre incentivos fiscais do Fielzão

Por Meu Timão

Depois de Aurélio Miguel (PR), agora foi a vez de Adilson Amadeu (PTB) posicionar-se contra a votação imediata do projeto de lei que autoriza a prefeitura a dar incentivos fiscais para a construção do estádio do Corinthians, em Itaquera. Como fizera Miguel na última semana, que pediu vistas do projeto, agora é Amadeu que entrou com requerimento na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para adiar a votação da proposta em dois dias. A primeira das duas votações obrigatórias para se aprovar o projeto aconteceria nesta terça-feira. Agora, a primeira votação só deve acontecer na quinta.

Estimado em cerca de R$ 420 milhões, os incentivos fiscais para Itaquera precisam ser liberados para que o estádio corintiano tenha condições de receber a abertura da Copa de 2014. Somado a esses incentivos, o clube tenta fechar com o BNDES um empréstimo de R$ 400 milhões tendo a Odebrecht como avalista para assim apresentar à Fifa até o dia 11 de julho os documentos que comprovem a viabilidade financeira da obra.

Havia a expectativa de que o projeto de lei fosse a plenário para a segunda votação nesta sexta-feira, mas o pedido de Amadeu atrasará a votação. Em visita recente ao terreno de Itaquera, o presidente da Câmara, Paulo Frange (PTB) disse os vereadores poderiam adiar o recesso da Casa, a partir de 1º de julho, para votar essa questão, dada a urgência do caso.

O presidente corintiano, Andrés Sanchez, sabendo da possibilidade de a votação ser adiada na última semana quando esteve na Câmara dos Vereadores disse na sexta-feira que de acordo com as conversas com os vereadores, a lei deve ser votada até o dia 5 de julho. Segundo Andrés, sem aprovação de tais incentivos, o estádio não será sede da abertura da Copa. "O estádio sem os incentivos, mas sem abertura. Com os R$ 400 milhões emprestados pelo  BNDES sai o estádio do Corinthians que a gente esperar pagar com o naming rights e outras receitas nossas", disse Andrés.

Por meio da construtora Odebrecht, o clube receberá os incentivos fiscais em CIDs (Certificado de Incentivo ao Desenvolvimento), títulos que totalizarão R$ 420 milhões e poderão ser vendidos no mercado, com deságio (valor inferior) de 20%, em vez de serem usados para pagar impostos futuros após a obra concluída.

Fonte: IG

Veja Mais:

  • Guilherme Arana está lesionado

    Possível nova oferta por Guilherme Arana não abala diretoria do Corinthians

    ver detalhes
  • Clayton se despediu do Corinthians em rede social

    Clayton se despede do Corinthians em rede social: 'Dever cumprido'

    ver detalhes
  • Romero e Balbuena foram convocados pelo técnico Arce

    Lesão não impede convocação de Balbuena; Paraguai libera lista com os jogadores do Corinthians

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians não vê jogo da equipe na TV aberta há quase um mês

    Fiel só tem uma opção para assistir na TV ao jogo do Corinthians contra Chapecoense

    ver detalhes

Comente a notícia:

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar!

  • 1000 caracteres restantes