Tite tem a missão de instigar e controlar as feras corintianas para a Libertadores

Tite tem a missão de instigar e controlar as feras corintianas para a Libertadores

Para ter um bom desempenho em campo, um time precisa de sintonia entre a parte física, técnica e psicológica. A força do corpo é preparada a longo prazo em treinos específicos. A habilidade vem do talento de cada um desenvolvido durante a carreira. E o lado emocional chega pela cabeça de cada um, algo difícil de mensurar. Por isso, o técnico Tite vive o dilema de como motivar seu grupo para as partidas.

Muito elogiado pelos atletas corintianos por suas palestrar antes das partidas, Tite garante que na véspera de um duelo decisivo pela Libertadores não é preciso nenhum ingrediente de motivação.

'Libertadores não precisa acender ninguém. É só olhar a torcida, olhar as ruas. É automático', explicou o comandante.

Por este motivo, a preocupação de Tite é manter a cabeça dos jogadores tranquila. Afinal, é comum a ansiedade tomar conta antes da bola rolar.

'Eu mesmo fico assim', disse.

Desta forma, não adianta apenas colocar pilha em busca da vitória, é preciso acalmar os ânimos.

'Você precisa controlar essa ansiedade de colocar a busca pelo desempenho. Mas ao mesmo tempo lembrar que vale a liderança. Tem um caráter decisivo o jogo', ressaltou o treinador.

A partir da motivação natural, da briga pela ponta e do controle da ansiedade, Tite quer que seu time consiga jogar de forma consciente. O Pacaembu lotado precisa servir de estímulo, não de pressão.

'Tem que ter desempenho igual teve lá. Não fazer com que a expectativa nos apresse. Desempenho mais resultado é igual a confiança. É compreender esse clima, que já está aflorado. Acabou o jogo no domingo, já pensa. Libertadores é energia no ar, mas com consciência do momento', destacou.

Um dos mitos que Tite busca destruir na cabeça dos jogadores é o da pancada em jogo de Libertadores. O comandante quer que seus jogadores briguem pela bola como nunca, mas sem faltas. O estilo contra o Cruz Azul, no México, é o plano para ser competitivo na competição.

'A cada jogo tem que ter esse mesmo comportamento. Esse mesmo nível técnico, competitivo, físico e cabeça. Libertadores não é pancada, é ser competitivo, ter concentração o tempo todo.'

Fonte: Marca Brasil

Veja Mais:

  • Jô passou em branco nesta noite de quarta, diante do Grêmio

    Corinthians não cria, apenas empata com Grêmio na Arena, mas mantém vantagem na liderança

    ver detalhes
  • Corinthians de Romero corre risco de ver Santos se aproximar

    Corinthians mantém diferença, mas tem de secar rival nesta quinta; veja classificação atualizada

    ver detalhes
  • Rodriguinho foi eleito o pior em campo

    Carille e dupla de meias são eleitos vilões de tropeço do Corinthians contra Grêmio

    ver detalhes
  • Kazim discutiu com torcedor do Corinthians durante aquecimento

    Kazim discute com torcedor na Arena Corinthians durante duelo contra Grêmio

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes