Ídolo, Gamarra analisa o adversário do Corinthians na Libertadores

Ídolo, Gamarra analisa o adversário do Corinthians na Libertadores

Gamarra quando jogava pelo Corinthians

Gamarra quando jogava pelo Corinthians

Paraguai - Claudio Gamarra, o zagueiro que fez parte de uma das melhores defesas da Copa do Mundo de 1998 sem cometer faltas, é apontado como o maior jogador paraguaio de todos os tempos e um ídolo corintiano com direito a ter os pés gravados na calçada da fama do Parque São Jorge. Símbolo da redenção do futebol do seu país, o defensor analisou o Nacional-PAR, adversário do Timão na noite desta quarta-feira, na Libertadores, para o MARCA BRASIL.

'É um time forte em casa, que joga bem compacto, mas não tem sido bem-sucedido na Libertadores. Acho que falta um pouco de tradição, de malandragem. É um time novo, com bons jogadores tecnicamente e que trabalham juntos há uns três anos. Deveria ter resultados melhores, mas não deslanchou no torneio', afirmou o ex-zagueiro do Timão.

Com apenas quatro pontos, o Nacional tem pequenas chances de classificação e precisa vencer para continuar na briga. E o Corinthians pode se aproveitar disso nos contra-ataques. A seu favor, o Timão tem o bom retrospecto contra equipes paraguaias. Na história, o clube fez 19 jogos e venceu 10, além de quatro empates e cinco derrotas. No primeiro e único confronto com o rival desta quarta, vitória por 2 a 0.

Até mesmo contra clubes tradicionais do Paraguai, como Olimpia, Libertad e Cerro Porteño, o Corinthians tem vitórias históricas. Quem não se lembra do massacre por 8 a 2 em cima do Cerro, na Libertadores de 1999. O Olimpia, que na visão de Gamarra é o time mais forte do país no momento, e pode ser o adversário do Timão nas oitavas, também é freguês. São quatro vitórias, um empate e três derrotas.

'O Paraguai tem tradição na Libertadores principalmente com o Olimpia. Verdade que perdeu de 6 a 0 para o Lanús, mas tem muita chance de classificar', ressaltou o atual dirigente do clube Rubio Ñu.

Enquanto os times paraguaios tentam se reencontrar, Gamarra celebra o crescimento do futebol do seu país, que disputou as últimas quatro Copas.

'Estive naquele grupo de 98 que começou uma nova fórmula de futebol paraguaio. Tenho muito orgulho', disse.

Reportagem de André Pires e Felipe Piccoli

Fonte: Marca Brasil

Veja Mais:

  • Cássio foi mais uma vez chamado por Tite

    Cássio é convocado por Tite e desfalca Corinthians em até três jogos no Brasileirão

    ver detalhes
  • Pablo segue com a situação indefinida para 2018

    Bordeaux endurece com agente de Pablo e avisa: para outro clube o valor é dobrado

    ver detalhes
  • Carille viu seu time tropeçar de novo no segundo turno do Campeonato Brasileiro

    Chances de título do Corinthians seguem caindo; matemáticos colocam arquirrival de vez na briga

    ver detalhes
  • Jô tem permanência incerta no Corinthians para 2018

    Portal destrincha o porquê da cautela do Corinthians para contratar atacante para 2018

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes