Corinthians paga por praga de imprensa Anti

Corinthians paga por praga de imprensa Anti

A morte do garoto Kevin Espada desencadeou uma histeria (euforia?) anticorintiana na mídia esportiva (tema que já abordei neste Observatório em “Mídia e paixão clubística”, partes I e II). Como objetividade nessa área é difícil de encontrar (Cláudio Carsughi, do UOL, e Paulo Júlio Clement, da Fox, são dois raros exemplos de imparcialidade), a alegria era tanta pelo Corinthians (quase sempre identificado como o time do ex-presidente Lula) estar se dando mal após um ano gerando boas notícias que até um “bem feito” na revista Veja se pôde colher num episódio tão triste quanto este.

Mas os mais excitados, em termos de revanchismo clubístico (com pitadas de político) foram os comentaristas flamenguistas (os rubro-negros parecem ter sido os mais golpeados pela conquista do Mundial de Clubes pelo timão no ano passado – porque o Flamengo foi ultrapassado em número de títulos e porque não perdoaram a pesquisa que deu como empatada a sua torcida com a corintiana).

No Lance!, Assaf embarcou, como muitos, na argumentação da violência para pedir a eliminação do Corinthians da Libertadores, conforme aconteceu com times ingleses no episódio da luta armada entre torcidas na década de 1980, com dezenas de mortos. Só que o disparo do sinalizador não se deu num contexto de violência (e, até o momento, o sinalizador não era considerado uma arma, mas objeto de festa. Ainda mais que, se tivesse atingido outra área que não o olho, não teria ocasionado lesão). Era um momento de comemoração e havia um clima de confraternização no estádio. A tese da violência, aventada por muitos, só se justifica para os que consideram o crime não como fruto de irresponsabilidade, culposo, mas doloso, intencional.

Praga de urubu

Esta foi a certeza do perito criminal Renato Maurício Prado, que em seu blog no Globo argumentou com supostas imagens de que o culpado mirou com mão firme na torcida adversária. Suplantou a polícia e a justiça, nosso anti-corintiano de carterinha.

Outro ardoroso anticorintiano, o rubro-negro Mauro César Pereira, fez vários posts no site da ESPN sobre seu coração dilacerado, sempre direcionando para sua interpretação (que mostra onde lhe doem os calos) de que se o Corinthians quer ser o das “invasões do Maracanã e do Japão” (note-se que o referido comentarista já duvidou das “invasões” em diversas ocasiões), deve ser também o da torcida que vitimou o menino. Não se viu tal comoção do jornalista com o vascaíno morto a pauladas por torcedores do Flamengo.

Duas palavras sobre o caso: sinalizadores são usados há anos em estádios de futebol mundo afora (vide o jogo da Copa do Rei entre Barcelona e Real Madrid) e uma tragédia, algum dia, era inevitável (a não ser que medidas rigorosas sobre sua proibição tivessem sido tomadas, como o serão agora). Quis o destino que fosse com a torcida do Corinthians. Destino não, dirão os esotéricos. Praga de urubu.

***

[Silvia Chiabai é jornalista]

Fonte: Observatório da Imprensa

Veja Mais:

  • Rodriguinho enfrenta o Patriotas na Colômbia; fora Gabriel, Carille promove quatro novidades

    Em treino na Colômbia, Carille define escalação do Corinthians para jogo da Sul-Americana

    ver detalhes
  • Cássio ergue taça de campeão paulista 2017; jogador está perto de atingir 300 jogos

    Perto dos 300 jogos, Cássio elege Corinthians de 2017 o melhor grupo do qual fez parte

    ver detalhes
  • Da arquibancada para o campo: estádio de adversário do Corinthians não tem alambrado; veja vídeo

    Da arquibancada para o campo: estádio de adversário do Corinthians não tem alambrado; veja vídeo

    ver detalhes
  • Romarinho foi protagonista da final da Libertadores há cinco anos

    Viraliza na web versão de gol do Romarinho narrado por Galvão Bueno; assista

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes