Marin, que roubou a medalha, foi acusado de desviar verba pública, dizem arquivos da ditadura

Marin, que roubou a medalha, foi acusado de desviar verba pública, dizem arquivos da ditadura

A carreira política do presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e do COL (Comitê Organizador Local), José Maria Marin, foi marcada por diversas acusações de irregularidades: caixa dois, utilização da máquina do governo em campanhas, desvios de dinheiro público e armações eleitorais. É o que mostram documentos em arquivos da ditadura obtidos pelo UOL Esporte.

A reportagem pesquisou mais de 100 papéis relacionados ao dirigente nos arquivos do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), do SNI (Sistema Nacional de Informação), órgãos que reuniam as investigações do regime, e na Assembleia Legislativa. Nesta sexta-feira, publica a segunda matéria da série sobre a atuação de Marin como político nos anos de chumbo.

É importante lembrar que políticos alinhados com o regime militar também eram investigados pela vigilância governamental. Marin era tido como "integrado" ao regime militar.

Sua carreira se inicia como vereador em 1964, pouco antes do golpe militar, com base política em Santo Amaro, bairro da zona sul da capital de São Paulo. Em seu segundo mandato na Câmara de Vereadores, apareceram as primeiras acusações de irregularidades.

Em 1969, Arnaldo Toledo Salgado denunciou que "a "suntuosa" campanha eleitoral de Marin era custeada, em parte, "por dinheiro recebido de firmas e feirantes, cuja situação nas feiras era irregular". A informação constam da ficha no SNI sobre Marin.

Um ano depois, em 1970, outro relatório do órgão de investigação do Ministério da Aeronáutica apontou que o subprefeito de Santo Amaro, Fernando Walter, "é omisso e um inocente útil nas mãos da politicalha do vereador José Maria Marin". Um aliado do político, indicado como "esquerdista", é quem que, de fato, despacharia os assuntos na subprefeitura. Ressalte-se: o Marin não teve nenhuma atividade de esquerda ou subversiva (contra o governo).

O mesmo documento tinha também informação de que o gabinete da subprefeitura era usado para reuniões com professores para obtenção de apoio político e que o carro oficial era utilizado em sua campanha – na época, se candidataria a deputado estadual

Esse é o período em que Marin se aproximou de Paulo Maluf. Foi com ele que o atualmente cartola formou a chapa na convenção da Arena (Aliança Renovadora Nacional) para o governo do Estado. Conseguiram o direito a se candidatar, derrotando o ex-governador Laudo Natel por uma margem de votos de 28 votos.

A convenção é cercada de irregularidades como registra o processo no TRE (Tribunal Regional Eleitoral), iniciado após recurso de Laudo Natel. Havia uma discrepância no número de participantes do pleito e nos votos.

No meio da votação, ocorreu um incêndio que levou à evacuação do local. Na confusão, duas testemunhas relataram ter visto o deputado estadual Nabi Abi Chedid, ex-presidente da CBF e aliado de Maluf, a colocar votos de volta na urna. Houve três erros seguidos na contagem de votos.

"Bastam essas referências para se averiguar que a convenção da Arena não transcorreu normalmente, sendo visível a ocorrência de irregularidades a nível de fraude", relatou o juiz Gomes Martins, do TRE. Sua posição foi derrotada: o TRE aprovou a resultado da convenção por 5 a 1, o que foi referendado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O presidente da República, Ernesto Geisel, apoiara Natel, mas aceitou referendar a candidatura da chapa Marin/Maluf após decisões do tribunal.

LINHA DURA

Marin foi ligado à ala radical da ditadura, dizem arquivos do regime
Como vice-governador, Marin se envolveu no caso de maior repercussão de sua carreira: as fraudes na Caixa Econômica Estadual. Sua participação está registrada em documentos da Comissão Especial de Inquérito, arquivados na Assembleia Legislativa.

A Caixa Econômica fez empréstimos vultosos a empresas da região de Santo Amaro, base política de Marin. Logo depois, as firmas faliram e nunca pagaram o dinheiro. Depois, descobriu-se que os documentos que possibilitaram os empréstimos eram fraudulentos. O caso levou à demissão de toda a diretoria do banco e à criação da comissão.

Um dos diretores responsáveis por conceder empréstimos era Plínio Schimidt. À comissão, Marin confirmou que Schimidt tinha sido seu sócio e seu assessor, o que o levou a indicá-lo à diretoria da Caixa. Deputados estaduais de oposição afirmaram que havia indícios de que o próprio vice-governador pedira pela liberação dos empréstimos.

Ouvido pela comissão, Marin negou: "Não posso fazer nenhuma relação desses empréstimos com a figura do vice-governador porque acho que vários empréstimos foram realizados (...) para Santo Amaro".

O então vice-governador admitiu, porém, ainda ser amigo naquela época de Schimidt. Sem maioria na assembleia, a oposição não conseguiu dar seguimento à comissão, que foi arquivada sem relatório final.

Como governador a partir de março de 1982, Marin voltou a ser envolvido em acusação de corrupção como mostra relatório do SNI daquele ano. Desta vez, foi acusado de demitir o diretor da Eletropau

Fonte: uol

Veja Mais:

  • Michel (à esq.) e o sobrinho foram ao Maracanã naquele 23 de outubro

    Terceiro corinthiano solto no Rio desabafa: 'Fui pra ver o jogo, não pra brigar'

    ver detalhes
  • Torcedores na Arena poderão adicionar patch da Chapecoense em camisas

    Loja da Arena irá personalizar grátis camisas em homenagem à Chapecoense

    ver detalhes
  • Corinthians já definiu profissionais que devem permanecer e ser negociados

    Isaac, Mendoza, Oswaldo... Confira quem chega e quem sai do Corinthians

    ver detalhes
  • É tudo política, estúpido!

    [Marco Bello] É tudo política, estúpido!

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes