Copa 2014: Caixa admite liberar empréstimo do BNDES a Arena Corinthians

Copa 2014: Caixa admite liberar empréstimo do BNDES a Arena Corinthians

Copa 2014: Caixa admite liberar empréstimo do BNDES a Arena Corinthians

Copa 2014: Caixa admite liberar empréstimo do BNDES a Arena Corinthians

Pela primeira vez a Caixa Econômica Federal admite que pode intermediar o empréstimo do BNDES para o Corinthians construir a Arena Corinthians. Em nota oficial, o banco informou ao Ministério Público Federal que estuda viabilizar a linha de crédito de R$ 400 milhões. A operação está em fase de análise preliminar.


'Os estudos relativos à eventual operação da Arena de se em fase de avaliação interna inicial, ainda não conclusiva, sob os aspectos técnicos (jurídico, engenharia, etc), bem como em relação aos seus aspectos econômico-financeiros, não havendo, neste momento, definição quanto à proposta de empréstimo que permita um maior detalhamento da operação pretendida, sendo certo que não há previsão de celebração de contrato nem liberação de valores', diz um trecho do documento.

O BNDES já havia autorizado, há cerca de um ano, o empréstimo de R$ 400 milhões para viabilizar a construção da Arena Corinthians. A linha de crédito, no entanto, precisa ser disponibilizada por um banco repassador, pois um clube de futebol não pode receber o dinheiro diretamente. Seria o Banco do Brasil, mas as exigências bancárias pedidas não foram atendidas pelo fundo imobiliário formado por Odebrecht e Corinthians. Daí o clube iniciou conversas com a Caixa Econômica Federal e outros bancos privados. A Caixa, tendo como base suas regras internas, teria o nível menor de exigências para liberar o empréstimo.

Outro fator que ajuda o Corinthians é a boa relação que a diretoria do clube tem com a Caixa. Recentemente, as duas partes acertaram um patrocínio na camisa por R$ 30 milhões pelo período de um ano. No mercado, entende-se que a Caixa possui uma política de financiamento mais flexível e não é porque outro banco público (BB) não tenha aceitado as garantias que a Caixa teria de recusar também. 'Cada banco tem a sua política. Se um acha que a garantia é menor que a necessário, pode cobrar um spread maior, vendo a análise do risco e colocando o tamanho do juro', diz um especialista ligado ao próprio BNDES. Como o banco é o garantidor da operação, ele arca com os riscos de o fundo não pagar. Segundo o BNDES, a 'operação está aprovada e tem de ser firmado o contrato com a SPE (Sociedade de Propósito Específico)'.

Para o BNDES não muda nada se for a Caixa ou qualquer outro banco o repassador do dinheiro. Após o acerto - que a Caixa avisa que não foi feito -, o BNDES fará o cronograma de desembolso do dinheiro, que provavelmente será bem mais rápido que o normal, pois a comprovação de uso é mais tranquila porque o estádio do Corinthians já tem 70% de avanço. A demora em ter acesso aos R$ 400 milhões fez com que o ex-presidente do Corinthians e responsável pelo estádio, Andrés Sanchez, ameaçasse paralisar a obra. Caso a Caixa libere o empréstimo, o Corinthians e Odebrecht terão uma carência de três anos para começar a pagar o financiamento, que deverá ser quitado em dez anos.

Fonte: Futebol Interior

Veja Mais:

  • Cássio foi presenteado por Dona Lina no encontro dos dois no CT Joaquim Grava

    Com presente guardado há cinco anos, corinthiana de 87 anos realiza sonho de conhecer Cássio

    ver detalhes
  • Felipe, Malcom e Gil foram vendidos pelo Corinthians em 2016

    Venda de atletas e luvas da TV fazem Corinthians ter maior arrecadação da história em 2016

    ver detalhes
  • Diga xis! Confira o novo álbum 3x4 do elenco do Corinthians

    Diga xis! Confira o novo álbum 3x4 do elenco do Corinthians

    ver detalhes
  • Danilo treinou com bola no campo; meia é preparado para o Brasileirão

    Danilo trabalha com bola e fica perto da volta; veja o que rolou no dia do Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes