Ataque e retrospecto no Pacaembu são armas do Corinthians contra Boca

Ataque e retrospecto no Pacaembu são armas do Corinthians contra Boca

Ataque e retrospecto no Pacaembu são armas do Corinthians contra Boca

Ataque e retrospecto no Pacaembu são armas do Corinthians contra Boca

Gustavo Franceschini
Do UOL, em Buenos Aires (Argentina)

O Corinthians terá uma missão difícil diante do Boca Juniors, no próximo dia 15, mas não impossível. Para eliminar os argentinos no jogo de volta das oitavas da LIbertadores, a equipe brasileira contará com um ótimo retrospecto no Pacaembu desde 2006 e, principalmente, precisará que seu ataque volte à velha forma.

Até agora, o Corinthians fez 27 jogos no ano, e em apenas cinco deles saiu sem marcar gols. Além das três derrotas sofridas até agora, contra Ponte Preta, Tijuana e o próprio Boca, a equipe do técnico Tite passou em branco nos empates contra Botafogo-SP e Santos.

Mais que isso, o ataque é o grande destaque do Corinthians até agora na temporada. Em uma comparação com os números de 2012, quando o elenco alvinegro venceu a Copa Libertadores e o Mundial, o time atual perde em quase todos os quesitos como número de vitórias, eficiência da defesa e pontos ganhos.

O único em que essa equipe vence, considerando o mesmo ponto exato da temporada, é o número de gols marcados. Foram 45 em 2013, contra 42 no ano passado. Méritos para o trio Guerrero, Emerson e Alexandre Pato, protagonistas de uma briga acirrada por uma vaga no setor e responsáveis por muitos dos gols alvinegros até agora.

 Na Bombonera, porém, nenhum dos três brilhou. Quem chegou mais perto foi Guerrero, que acertou a trave esquerda de Orión já no segundo tempo, após uma bela jogada de Romarinho. Emerson se esforçou, mas criou pouco e ainda se meteu em algumas confusões. Pato, por sua vez, entrou apenas na metade do segundo tempo e teve poucas chances de mudar o jogo.

Seria um dos reflexos do que Tite avaliou como uma proposta 'menos técnica' do Boca. Bem marcado e pressionado, o Corinthians não rendeu o que deveria em um confronto sem um grande nível técnico. Os números do Datafolha, porém, mostram que não é bem assim. Na comparação com o primeiro jogo da final do ano passado, é possível perceber que o Corinthians teve um aproveitamento de passes melhor (81,7% contra 74,7%) e chutou mais que em 2012 (oito contra seis), entre outros quesitos.

 Na prática, as estatísticas mostram que na última quarta os brasileiros até tiveram suas chances, mas não as aproveitaram como deveriam. Em São Paulo, no dia 15 de maio, o desempenho de Pato, Emerson e Guerrero será fundamental. Para passar pelo Boca, o Corinthians precisa vencer por dois ou mais gols de diferença. Uma vitória por 1 a 0 leva a decisão para os pênaltis, enquanto qualquer outro triunfo por apenas um gol faz o Boca avançar, o que igualmente acontece em caso de vitória argentina ou empate.

O retrospecto no Pacaembu mostra que tudo é possível. O Corinthians não perde em sua casa, pela Libertadores, desde a traumática eliminação diante do River Plate, em 2006. Desde então foram  15 partidas no local, sendo que só em duas dessas o clube do Parque São Jorge não venceu.

Foto: UOL

Fonte: Terceiro Tempo

Veja Mais:

  • Recuperado de lesão, Balbuena volta a compor zaga com Pablo; dupla terá de parar melhor ataque do Paulista

    Defesa x ataque: Corinthians e São Paulo buscam vitória e equilíbrio em clássico no Morumbi

    ver detalhes
  • Auricchio (à dir.) passou a integrar diretoria da base do Corinthians

    Corinthians nomeia ex-diretor de futebol para cargo na base

    ver detalhes
  • Após 1 a 1 na Arena, Timão volta a campo contra São Paulo na tarde deste domingo

    Rival tropeça, e Corinthians pode diminuir distância para primeira colocação geral

    ver detalhes
  • Carille não confirmou a equipe titular que enfrenta o São Paulo

    Rodriguinho não treina e Balbuena volta: veja provável escalação do Corinthians para o Majestoso

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes