Corinthians ganha Recopa e fecha ciclo de conquistas afundando São Paulo

Corinthians ganha Recopa e fecha ciclo de conquistas afundando São Paulo

Corinthians ganha Recopa e fecha ciclo de conquistas afundando São Paulo

Corinthians ganha Recopa e fecha ciclo de conquistas afundando São Paulo

Gustavo Franceschini e Mauricio Duarte
Do UOL, em São Paulo

Para quem venceu um Brasileiro, uma Libertadores e um Mundial de Clubes em sequência, a Recopa Sul-Americana pode não encher os olhos. Não para o corintiano, não nesta quarta-feira. Com um 2 a 0 convincente, o time de Tite conquistou o torneio diante de um Pacaembu lotado e fechou um ciclo de conquistas afundando o rival São Paulo, que chega a nove jogos sem vencer em uma crise histórica.

No Morumbi, a diretoria está em xeque, Paulo Autuori causa certa desconfiança na torcida, o elenco não esconde algumas rachaduras e nem o alçapão de sempre funciona. As quatro derrotas seguidas em casa configuram um recorde negativo na história do São Paulo, que piora ainda mais sua temporada ao cair diante do maior rival.

O Corinthians, nesse contexto, só ganha. A queda precoce na Libertadores, o começo trôpego no Brasileiro e o mau rendimento são praticamente esquecidos quando a equipe se apresenta tão superior a um rival e sai de campo dando a volta olímpica.

Tite, ídolo da torcida, fica ainda mais incontestável aos olhos da torcida, que agora espera que a taça sirva de combustível para o resto da temporada. Se repetir o que fez na noite desta quarta no Pacaembu, a equipe tem grandes chances de alcançar seu objetivo.

O 2 a 1 do jogo de ida praticamente não pesou para os donos da casa. Alheio à vantagem, o Corinthians fez uma verdadeira blitz no primeiro tempo, pressionando a saída de bola do São Paulo e encurralando Lúcio e Rafael Toloi em sua área.

Guerrero e Ralf se destacaram pelos desarmes no ataque, Romarinho chegou a aparecer na cara de Rogério e Danilo distribuiu passes de calcanhar, mas quem se destacou mesmo foi Emerson Sheik. A providencial renovação de contrato, a pouco mais de 24 horas da decisão, parece ter feito muito bem ao atacante.

Com liberdade, o atacante infernizou Douglas e Lúcio, irritou Rodrigo Caio e foi o grande armador do Corinthians, mesmo quando o time diminuiu o ritmo, a partir dos 20 minutos. Foi ele quem, aos 36 minutos, apareceu na grande área e cruzou rasteiro para Guerrero. O peruano dominou de costas, girou em Lúcio e a bola sobrou para Romarinho que, iluminado, só teve o trabalho de tocar para as redes e abrir o placar.

A festa do camisa 17 foi o alívio contido da torcida, que nos últimos jogos acostumou-se a ver gols perdidos e o castigo rival no contra-ataque. Se para os corintianos o roteiro mudou, o são-paulino viu o mesmo filme mais uma vez.

Recuado, o São Paulo foi surpreendido várias vezes pela marcação ofensiva do Corinthians, em lances que denotavam a tal 'falta de comprometimento' que a torcida tanto tem reclamado. Sem Jadson, machucado, o time tricolor entrou em campo três volantes e com Ganso na armação, mas não criou praticamente nada.

Acuado, mais uma vez recorreu à violência, expediente usado com frequência no Campeonato Brasileiro, por exemplo, torneio em que o time é campeão de cartões amarelos e vermelhos. Na noite desta quarta, Paulo César de Oliveira perdoou algumas das entradas mais duras e até foi lembrado pela torcida por isso, mas quem resolveu o jogo foi mesmo o São Paulo.

Com o 1 a 0 contra si, Paulo Autuori resolveu partir para o ataque com Aloísio na vaga de Douglas. Não deu certo. Sem brilhar, o São Paulo ficou preso na marcação alvinegra e abriu espaços em sua defesa. Fábio Santos, aos 20 minutos, só não fez o segundo porque não quis, ao tentar um chute de frente para Rogério Ceni quando tinha Guerrero completamente livre ao seu lado.

O susto não acordou o São Paulo. Juan, em mais uma noite ruim, passou a sofrer com Romarinho. O Corinthians, especialmente com Guerrero e Emerson, aproveitou a superioridade para tirar uma casquinha do rival, sempre com um drible a mais ou um toque de efeito.

Foi a seriedade de Danilo, porém, que deu números finais ao jogo. Aos 24 minutos, um cruzamento da esquerda encontrou o meia bem posicionado para cabecear para o gol de Rogério, que encostou na bola e mandou na trave. Na sobra, o camisa 20 não perdoou.

O apito final foi a coroação de uma noite de nostalgia para a torcida corintiana. Depois de meses desconfiando da sua equipe, as arquibancadas do Pacaembu viram novamente o time consciente e perigoso dos melhores momentos de 2012. A presença de Paulinho, herói das recentes conquistas só aumentou o clima positivo, que teve olé, provocação e exaltação aos campeões em campo.

Os próximos meses dirão se foi só um jogo para recordar ou uma mudança, de fato, no espírito da equipe atual, renovada em relação a 2012. Certeza só a de que a noite, para os são-paulinos, foi para se esquecer.

Fonte: Terceiro Tempo

Veja Mais:

  • Cerca de 200 integrantes de organizadas foram ao Pacaembu neste domingo

    Ato de organizadas tem gritos de 'Vamo Chape' e pedido por liberdade nos estádios

    ver detalhes
  • Kalil, à direita de Roberto de Andrade, pediu licença de 60 dias

    Vice-presidente solicita licença do cargo e dispara contra diretoria do Corinthians

    ver detalhes
  • Bruno César anotou o segundo gol na vitória por 2 a 0

    Ex-jogador do Corinthians marca golaço de falta e dedica à Chapecoense; veja o vídeo

    ver detalhes
  • Maycon conta com o aval de Oswaldo de Oliveira para retorno

    Retorno de Maycon minimiza necessidade por contratação de volante no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes