Fim das vacas magras? Caixa pode "bancar" Séries B, C e D dos Brasileiro

Fim das vacas magras? Caixa pode "bancar" Séries B, C e D dos Brasileiro

1.1 mil visualizações 13 comentários Comunicar erro

Séries inferiores ainda são deficitárias

Séries inferiores ainda são deficitárias

Brasília, DF, 15 (AFI) ?' Uma audiência pública promovida pela Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, em Brasília, deve iniciar uma discussão sobre um possível financiamento público aos Campeonatos Brasileiros das Séries B, C e D. De acordo com o Painel FC da Folha de S. Paulo, há a possibilidade de repasse de um percentual das loterias aos clubes destas divisões, nos próximos anos.


A reunião contará com a presença do diretor de competições da CBF, Virgílio Elísio, além de dirigentes dos clubes das três divisões, representantes da Federação Brasiliense de Futebol (FBF) e um representante da Caixa Econômica Federal, responsável pela operação de jogos lotéricos no Brasil.

A ideia é de que as três divisões inferiores do país, que hoje são deficitárias, recebam uma ajuda do poder público. Para tanto, um especialista convidado, Pedro Trengrouse, coordenador do curso Fifa/FGV, tentará mostrar a deputados e senadores a importância do futebol para o país e sua cadeia produtiva.

Hoje, o futebol brasileiro vive um cenário de grande desigualdade entre os clubes grandes e os demais. Os times que disputam o Brasileirão, além de todos os ganhos com publicidade, fecharam acordos individuais por cotas de TV. Corinthians e Flamengo, por exemplo, recebem mais de R$ 100 milhões anuais da TV Globo.

Por outro lado, mesmo estando na mesma divisão, clubes como Criciúma, Náutico, Ponte Preta e Portuguesa recebem o piso da TV Globo, com valores que giram entre R$ 20 e R$ 30 milhões. No meio, há vários grupos que recebem cerca de R$ 80 milhões, R$ 50 milhões e R$ 35 milhões.

Outro lado da moeda
O cenário na Série B já é outro totalmente diferente. Com exceção de Palmeiras e Sport ?' que fecharam com a Globo por R$ 70 milhões e R$ 25 milhões, respectivamente -, todos os demais 18 clubes recebem uma cota de R$ 3 milhões por cerca de sete meses de competição. A CBF arca apenas com os gastos com exame antidoping e arbitragem.

Nas Séries C e D, o déficit é ainda maior. Os clubes não recebem cota alguma. A CBF apenas arca com os gastos de taxa de arbitragem, exames antidoping, transportes e hospedagens das delegações. Fato que faz muitos clubes desistirem de disputar a Série D.

Caixa no futebol
Recentemente, a Caixa anunciou uma parceria com o Ministério do Esporte para patrocinar o futebol feminino. A estatal foi a grande responsável pela viabilização do primeiro Campeonato Brasileiro Feminino, que está sendo realizado desde do dia 18 de setembro e irá até 4 de dezembro.

Esta, contudo, não é a primeira ação da Caixa dentro do futebol. A estatal investe mais de R$ 100 milhões em patrocínios a clubes nacionais. O acordo mais oneroso aos cofres da empresa é com o Corinthians, que recebe anualmente R$ 31 milhões. O segundo colocado no ranking é o Flamengo, com R$ 25 milhões, seguido pelo Vasco, com R$ 15 milhões.

Os demais acordos são bem mais modestos. Na quarta posição, estão três clubes. Vitória, Coritiba e Atlético-PR recebem R$ 6 milhões cada um. O Atlético-GO ganha por ano R$ 2,4 milhões, enquanto Avaí e Figueirense abocanham R$ 1,75 milhão. Os últimos são Chapecoense e ASA, com R$ 1 milhão.

Fonte: Futebol Interior

Veja Mais:

  • Renan Areias (no centro) está no Corinthians desde os seis anos de idade

    Corinthians empresta capitão do Sub-20 para o Red Bull Brasil

    ver detalhes
  • Fessin já marcou três gols pelo Corinthians no Paulista Sub-20

    Fessin marca, Corinthians vence no Paulista Sub-20 e diminui distância para rival

    ver detalhes
  • Corinthians fechou a primeira fase na liderança e invicto no Paulista Feminino

    Corinthians vence Portuguesa e fecha primeira fase do Paulista Feminino líder invicto

    ver detalhes
  • Corinthians de Ronaldo foi eliminado pelo Tolima em 2011 e mesmo assim Tite seguiu como técnico

    Tite/11 x Loss/18: diferenças e semelhanças entre as crises corinthianas comparadas por Andrés

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes