FIFA: Raja de novo no caminho do Brasil

FIFA: Raja de novo no caminho do Brasil

FIFA: Raja de novo no caminho do Brasil

FIFA: Raja de novo no caminho do Brasil

Treze anos depois, o Raja Casablanca volta a cruzar o caminho de uma equipe brasileira na Copa do Mundo de Clubes da FIFA, desta vez com a esperança de conseguir um resultado mais positivo. Adversário do Atlético Mineiro na semifinal, o atual campeão marroquino participou em 2000 da primeira edição da competição, sendo derrotado na estreia pelo Corinthians por 2 a 0, gols de Luizão e Fábio Luciano.

Após a queda para os paulistas ?' que conquistariam o título mais tarde ?', o Raja ainda cairia diante do Al Nassr (4 a 3) e encerraria sua participação com uma grande atuação contra o Real Madrid, na derrota por 3 a 2 sofrida apenas nos minutos finais, gol de Geremi. Uma década mais tarde, a experiência no torneio brasileira ainda está viva na memória não apenas dos torcedores, mas também dos jogadores do Raja.

'Aquela equipe do Raja era de alto nível e conseguiu levar o nome do futebol marroquino ao mundo todo', conta o goleiro Khalid Askri, que garante ter se tornado torcedor do Raja após aquele torneio, ao FIFA.com. 'Lembro que ficamos orgulhosos do que eles fizeram no Brasil e, mesmo com as derrotas, fizeram um bom papel contra o Real Madrid e o Corinthians.'

Exatamente como Askri conta, a derrota diante do Real Madrid é frequentemente apontada como um dos grandes momentos da história de um clube que conquistou em três ocasiões a Liga dos Campeões da África (em 1989, 1997 e 1999). 'Todos os marroquinos se lembram dessa partida. O Raja perdeu por 3 a 2, mas teve uma grande atuação. Lembro que seguramos o empate em 2 a 2 até o fim, quando cometemos uma falha e eles marcaram o terceiro', conta Chemseddine Chtibi.

'A nossa primeira participação foi extraordinária', completa o capitão Mohsine Moutaouali. 'O vídeo daquela partida é extremamente popular na Internet, e é o mais vendido do Marrocos. Nem eu e nem os torcedores jamais esqueceremos, porque foi quando mostramos que éramos uma equipe de classe mundial, apesar das diferenças entre nós e os astros do Real Madrid como Fernando Hierro, Guti e o goleiro Casillas.'

Outra história
Na atual Copa do Mundo de Clubes, o Raja - hoje apenas o campeão nacional - reescreve um capítulo ainda mais importante de sua história internacional. Com duas vitórias dramáticas sobre Auckland City e Monterrey, ambas por 2 a 1, a equipe de Casablanca superou em muito as expectativas e viu sua numerosa e animada torcida fazer uma bonita festa em Agadir.

'A gente espera fazer o mesmo que aquela geração de 2000, para que todos os marroquinos possam ficar orgulhosos. Não temos mais nada a perder agora', garante o goleiro Askri, que terá uma nova missão após parar quase todos os ataque do Monterrey nas quartas: crescer também para cima do Atlético Mineiro de Ronaldinho, Jô, Diego Tardelli e companhia.

'Eles têm uma equipe mais sólida, com muito mais meios de contratar astros como Ronaldinho. Ele é uma estrela mundial e é um sonho agora poder enfrentá-lo. Mas esperamos chegar ao menos na final', aponta o arqueiro. 'Temos uma bonita relação com o Brasil, e normalmente dizem que o Marrocos é o Brasil da África do Norte. Esperamos que nossos torcedores sigam nos apoiando e que possamos ir à final e ganhá-la', completa Chtibi.

As armas do Raja no Marrocos 2013 já são bem conhecidas de Cuca e do Atlético Mineiro, mas, ainda assim, será preciso muita atenção para que o campeão da Libertadores não repita os passos do Internacional de 2010, que acabou derrotado nesta mesma fase pelo surpreendente TP Mazembe. 'Esperava-se que o Monterrey passasse, pela tradição e pela escola que eles têm. Então foi, sim, uma surpresa', explica Cuca. 'O estilo africano é de muita correria, mas eles têm um time arrumadinho e bem postado. Eles tiveram méritos para jogar conosco.'

Fonte: FIFA

Veja Mais:

  • Corinthians optou por não utilizar redes sociais em respeito ao momento

    Corinthians suspende redes sociais em dia de velório coletivo da Chapecoense

    ver detalhes
  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians se despediu da Arena no empate por 0 a 0 com o Atlético-PR

    Maior do país, público do Corinthians é duas vezes a média do Brasileirão 2016

    ver detalhes
  • Sala de cabines de TV da Arena passa a ser chamada Lilácio Pereira Jr.

    Corinthians batiza sala de transmissões da Arena em tributo a vítima de acidente

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes