Sindicato repudia invasão no CT do Timão e se preocupa com segurança

Sindicato repudia invasão no CT do Timão e se preocupa com segurança

O Sindicato de Atletas Profissionais do Estado de São Paulo (SAPESP) emitiu uma nota de repúdio à invasão ao CT Joaquim Grava, na manhã deste sábado. Aproximadamente 100 torcedores do Corinthians pularam o muro e arrebentaram grades do local, exigindo uma conversa com ao menos um representante do elenco. Os últimos corintianos deixaram o CT somente após cerca de 15 minutos de conversa com o técnico Mano Menezes.
– Isso não pode ser permitido. Os torcedores não podem invadir um local para agredir quem quer que seja. Isso tem que mudar no futebol, porque estamos muito preocupados com a segurança dos jogadores – afirmou Rinaldo Martorelli, presidente do Sindicato.
O principal motivo da confusão foi a goleda por 5 a 1 sofrida pelo Corinthians contra o Santos na última quarta-feira. Na quinta e na sexta não houve protesto em relação ao assunto no CT, à exceção de um torcedor que compareceu ao local, xingou o presidente Mário Gobbi por alguns minutos e reclamou do atraso de salários para atletas.
Após duas derrotas consecutivas, o Corinthians volta a campo pelo Campeonato Paulista neste domingo, às 17h (horário de Brasília), contra a Ponte Preta, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.

Fonte: Globo Esporte

Veja Mais:

  • 'General' Balbuena marcou na Colômbia e salvou o Corinthians

    Balbuena marca nos acréscimos e Corinthians se salva de vexame na Colômbia pela Sul-Americana

    ver detalhes
  • Timão sofreu, mas conseguiu empatar com Patriotas no 'apagar das luzes'

    Dez tweets que descrevem a sensação de todo corinthiano com o empate na Colômbia

    ver detalhes
  • Moisés foi um dos destaques negativos do Corinthians nesta quarta

    Torcida do Corinthians salva Balbuena e detona dupla de jogadores após empate na Colômbia

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians tem acendido sinalizadores constantemente

    Corinthians divulga parcial para jogo de domingo e se posiciona sobre interdição do setor Norte

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes