O que a imprensa ganha em apelidar a Arena Corinthians

O que a imprensa ganha em apelidar a Arena Corinthians

O que ganha a imprensa brasileira em apelidar o estádio corintiano? Para mim, não ganha e nem perde... ainda. O que passa apenas é uma provocação, uma implicância tola e constante com um clube popular, que possui poucos jornalista e editores torcedores pelo o mesmo.

O Corinthians está lutando para vender o Naming Right do estádio e a mídia insiste em apelida-lo, o que a imprensa alega é que se refere-se assim ao estádio corintiano, pois é como a torcida o chama... Mas a mesma Folha de S.Paulo, que sempre se refere, de forma jocosa, a Arena Corinthians de “Itaquerão”, fez uma enquete no seu site perguntando como os torcedores preferem chamar o estádio corintiano, e ganhou Arena Corinthians. Mas assim mesmo o Grupo Folha (jornal Folha de S.Paulo e portal UOL) insiste no apelido.

O ex-presidente do Corinthians e atual responsável pela Arena Corinthians, Andres Sanchez, acredita que essa postura de alguns veículos de imprensa prejudica na negociação e no fortalecimento do futebol afastando potenciais patrocinadores. Ele tem razão.

Já a muitas décadas os esportes de massa dos Estados Unidos, descobriram a importância de se envolver com o marketing para aumentar sua receita, e a imprensa norte-americana também descobriu que ganha e muito se também se envolver no de forma direta ou indireta no business.

Nos Estados Unidos e Canadá, foi a partir de acordos com a mídia que começou a se popularizar a estratégia das empresas de dar nome a estádios e competições.

Por lá, tal como cá, havia a rejeição de grande parte da mídia em falar e respeitar os direitos dos patrocinadores. Com o passar do tempo, porém, a própria mídia passou a aceitar e incentivar esse tipo de patrocínio. E o raciocínio é simples.

A mídia só tem a ganhar com ações de naming right. O benefício é claro. Com uma indústria do esporte cada vez mais amadurecida, há uma tendência de as empresas investirem ainda mais em ações de ativação. E isso inclui, necessariamente, um investimento maior em mídia para comunicar esse patrocínio.

Ou seja. No final das contas, a mídia ganha potencialmente um novo anunciante por conta do patrocínio da empresa.

A mídia começa a ajudar o mercado de naming right a crescer no Brasil. E, com a reforma e modernização de estádios, esse é mais um dos mercados que deve finalmente se consolidar na próxima década. Tudo isso trará mais assunto e maior fonte de faturamento. Inclusive para a própria mídia.

Exemplo do Estádio do Arsenal, o Emirates Stadium

O Corinthians busca um patrocinador forte e internacional que já se utilizada da mesma estratégia em outro país, como a Emirates Airlines, que patrocina o estádio do clube inglês de futebol, o Arsenal. E o mesmo tem muito a ensinar o Brasil e principalmente a imprensa brasileira.

O Arsenal mantinha um estádio modesto no bairro de Islington e viu a necessidade de começar a desenvolver um estádio maior que o Highbury, que tinha capacidade para 38.419 pessoas (o menor de quase todos os clubes europeus de grande expressão), durante a última parte da década de 1990. Considerando-se que havia pouco espaço para expansão do Highbury, já que ficava localizado ao lado de uma via pública e de edifícios, o principal projeto do clube era a construção de um novo estádio.

Encontrar um local para um novo estádio em Londres foi extremamente difícil. O clube estava disposto a considerar a localização, perto da autoestrada, se necessário, mas tinha uma forte preferência por um local no bairro londrino de Islington, perto do então estádio de Highbury. Quando encontram um próximo a rua Ashburton Grove, a apenas 500 m de Highbury. O plano foi anunciado em novembro de 1999, com uma data de inauguração prevista para agosto de 2003, que viria a ser adiada para o Verão de 2006 devido ao planejamento e dificuldades financeiras.

Inicialmente o estádio tinha o nome de Ashburton Grove, nome da rua onde está localizado, mas em 5 de outubro de 2004, o Arsenal anunciou um acordo de patrocínio de £100 milhões com a companhia aérea Emirates Airlines. O acordo previa a mudança de nome para Emirates Stadium, como uma estratégia de marketing da companhia dos Emirados Árabes Unidos, que financiaria o projeto junto com o Royal Bank of Scotland. O acordo previa também o patrocínio de camisa por um período de oito anos, a partir da temporada 2006-07.

O nome do estádio é muitas vezes encurtado para The Emirates, apesar de alguns jornais continuarem a usar o nome anterior (Ashburton Grove) para o novo estádio, especialmente aqueles que se opõem ao conceito de nomes de estádio estarem diretamente ligados ao patrocínio de empresas.

O estádio foi inaugurado em 22 de julho de 2006 e tem uma capacidade de 60.355 espectadores sentados,1 tornando-se o quinto maior estádio de futebol no Reino Unido, e o segundo maior estádi

Fonte: Rodney Gontijo - Blog "Rumo à Itaquera"

Veja Mais:

  • Cerca de 200 integrantes de organizadas foram ao Pacaembu neste domingo

    Ato de organizadas tem gritos de 'Vamo Chape' e pedido por liberdade nos estádios

    ver detalhes
  • Kalil, à direita de Roberto de Andrade, pediu licença de 60 dias

    Vice-presidente solicita licença do cargo e dispara contra diretoria do Corinthians

    ver detalhes
  • Bruno César anotou o segundo gol na vitória por 2 a 0

    Ex-jogador do Corinthians marca golaço de falta e dedica à Chapecoense; veja o vídeo

    ver detalhes
  • Maycon conta com o aval de Oswaldo de Oliveira para retorno

    Retorno de Maycon minimiza necessidade por contratação de volante no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes