Mano rejeita que sua permanência dependa do jogo de quarta, contra o Atlético Mineiro

Mano rejeita que sua permanência dependa do jogo de quarta, contra o Atlético Mineiro

Por Meu Timão

Mano começa a ficar pressionado no comando do Corinthians

Mano começa a ficar pressionado no comando do Corinthians

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

A pressão sobre o comandante alvinegro, Mano Menezes, aumentou depois da derrota para o Atlético Paranaense. Somando esse resultado negativo à derrota da rodada anterior contra o Figueirense, a situação ficou complicadíssima.

O time deixou o G4 e não vem convencendo com os atletas em campo. Mas, mesmo assim, o treinador não acredita que seu futuro dependa do resultado do duelo com o Atlético Mineiro, pelas quartas de final da Copa do Brasil.

- Sinceramente não estou pensando nisso. Acho que todas as equipes passaram por essas dificuldades que estamos passando no Campeonato Brasileiro. Quem tem calma e cabeça no lugar se recupera, passa a dificuldade do momento e cresce logo na frente. É o que temos de fazer nessa hora. Sabendo que as equipes abriram três pontos da gente. Temos de voltar a pontuar diante do Sport para começar a recuperar essa situação - afirmou o treinador, ainda no vestiário da Arena da Baixada.

E os questionamentos não pararam por aí. Perguntado se conseguiria mexer com seus atletas para buscar uma recuperação, o treinador foi enfático:

- Se eu não acreditasse nisso, eu certamente não ficaria como treinador, porque tenho responsabilidades - garantiu.

Na sequência das declarações, Mano falou sobre a pressão que é exercida sobre os treinadores do futebol nacional após uma sequência negativa de resultados.

- A pressão existe em todos os clubes. Quando você não vence no clube grande, não fica no lugar onde acha que deve estar, nenhum técnico fica confortável, porque a gente não gosta de perder. Os atletas também não estão confortáveis. Isso exige mudança de atitudes nossas. Não adianta ir para a casa chorar, não adianta reclamar da vida, de desfalque, da seleção, de ninguém. Temos de resolver nossos problemas, como temos capacidade de fazer. Falar pouco e deixar quem tem de falar, falar bastante - lembrou o treinador, deixando no ar a necessidade de a diretoria se pronunciar sobre o assunto.

Para finalizar, Mano ainda pediu o apoio da Fiel para a partida de quarta:

A pressão sobre Mano Menezes aumentou durante a última semana, quando o Corinthians foi a Florianópolis e Curitiba e perdeu, respectivamente, de Figueirense e Atlético, deixando o G4 do Brasileirão e caindo para a sétima posição da competição nacional.

Mesmo assim, o treinador não acredita que o resultado do duelo com o Atlético Mineiro, pelas quartas de final da Copa do Brasil, possam definir seu futuro no Parque São Jorge - primeiro duelo acontecerá nesta quarta-feira, às 22h, em Itaquera.

- Sinceramente não estou pensando nisso. Acho que todas as equipes passaram por essas dificuldades que estamos passando no Campeonato Brasileiro. Quem tem calma e cabeça no lugar se recupera, passa a dificuldade do momento e cresce logo na frente. É o que temos de fazer nessa hora. Sabendo que as equipes abriram três pontos da gente. Temos de voltar a pontuar diante do Sport para começar a recuperar essa situação - afirmou o treinador, ainda no vestiário da Arena da Baixada.

Questionado se ainda poderia mexer com os jogadores em busca de uma recuperação, o comandante do Timão respondeu:

- Se eu não acreditasse nisso, eu certamente não ficaria como treinador, porque tenho responsabilidades - garantiu.

Na sequência, Mano Menezes falou sobre a pressão que é exercida sobre os treinadores no futebol brasileiro após uma sequência ruim de resultados.

- A pressão existe em todos os clubes. Quando você não vence no clube grande, não fica no lugar onde acha que deve estar, nenhum técnico fica confortável, porque a gente não gosta de perder. Os atletas também não estão confortáveis. Isso exige mudança de atitudes nossas. Não adianta ir para a casa chorar, não adianta reclamar da vida, de desfalque, da seleção, de ninguém. Temos de resolver nossos problemas, como temos capacidade de fazer. Falar pouco e deixar quem tem de falar, falar bastante - lembrou o treinador, deixando no ar a necessidade de a diretoria se pronunciar sobre o assunto.

Ciente de que a pressão dos torcedores aumentará com o revés em Curitiba, Mano Menezes pediu apoio da Fiel na próxima quarta-feira, contra o Atlético Mineiro, na Arena Corinthians.

- O torcedor sabe que é peça importante. As dificuldades que estamos enfrentando fora de casa é porque o fator campo no futebol brasileiro influencia bastante. Queremos dar a ele uma atuação na quarta-feira como tivemos contra o São Paulo. Aí ele crê que a equipe pode continuar na Copa do Brasil. É assim que queremos ser e temos condição de ser - finalizou.

Veja Mais:

  • Campeonato Brasileiro agora tem quatro, e não três, vagas à fase de grupos da Libertadores

    Conmebol anuncia novidade, e Corinthians volta ao páreo por vaga direta na Libertadores

    ver detalhes
  • Alan Santos tem conversas avançadas com Corinthians

    Corinthians negocia contratação de volante do Coritiba, diz portal

    ver detalhes
  • Giovanni Augusto treinou como lateral nesta terça-feira

    Giovanni na lateral, mudança na zaga e susto de Rildo: o treino desta terça do Corinthians

    ver detalhes
  • Corinthians encara o Cruzeiro neste domingo, no Mineirão

    Resultado no Mineirão vale mais que os três pontos para Corinthians e Cruzeiro; entenda

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes