'Se eu jogasse eternamente lá, já ficaria muito feliz', diz Gil sobre sua passagem pelo Timão

'Se eu jogasse eternamente lá, já ficaria muito feliz', diz Gil sobre sua passagem pelo Timão

Por Meu Timão

Hoje no Juventus, Gil relembra boa fase corinthiana

Hoje no Juventus, Gil relembra boa fase corinthiana

Foto: Divulgação

Cria das categorias de base, o ex-atacante do Corinthians, Gil, teve suas primeiras oportunidades no Timão em 2000. Marcando época e sendo responsável por jogadas importantes no período em que atuou pelo clube, o atleta foi um dos principais jogadores da equipe alvinegra entre 2003 e 2004, quando vestiu a camisa 10. Além disso, conquistou junto ao time o Mundial em 2000, o Campeonato Paulista em 2001, o Torneio Rio São Paulo em 2002 e a Copa do Brasil de 2002. Em sua passagem pelo Timão, foram 263 partidas e 57 gols marcados. Em 2005, foi para o Tokyo Verdy, do Japão.

Em fase de retomada da carreira, aos 34 anos, hoje atuando pelo Juventus, o jogador busca aproveitar as novas oportunidades e apontou como erro ter deixado o Brasil, afirmando que seria mais feliz se tivesse permanecido no clube do Parque São Jorge.

"Eles (japoneses) acham que o fato de ser campeão acontece naturalmente, eles não tem a ambição. Tem que ter algo a mais, tem que sonhar isso dia a dia. Eu sai do Corinthians, uma coisa imensa, muito grande, e com todo respeito às equipes eu passei, ao Japão, eu não estava acostumado com essa falta de cobrança", disse Gil em entrevista à ESPN.

Gil acredita que, por ser atacante, não teve tantas oportunidades para construir e consolidar uma carreira dentro do Brasil, levando em conta que a cobrança é muito mais intensa se comparada à atletas que assumem outras posições.

"Você começa a pensar em sair porque chega um estágio dentro do clube que parece que te obrigam a sair, como o Léo Moura saiu do Flamengo. Aqui dá para jogar a vida inteira em um grande clube, como fizeram o Marcos e o Rogério Ceni. Mas acredito que são posições que são mais fáceis. Não que sejam mais fáceis, mas não tem a cobrança de um atacante. Se o atacante passa dois jogos sem fazer gol, tem uma cobrança imensa. Se não eu ficaria no Corinthians para sempre, se eu jogasse eternamente lá eu já ficaria muito feliz, não precisaria jogar fora em lugar nenhum", afirmou.

Aproveitando a oportunidade no Juventus, o jogador passou por situação curiosa nessa semana. Após marcar os quatro gols da vitória da equipe contra o Francana, o atacante foi "premiado" com 60 esfihas da Web Rádio Mooca, emissora que transmite as partidas do clube. Ainda sobre o convite para atuar na nova equipe, o atleta se mostrou feliz, mesmo em fase diferente da vivida no Corinthians.

"Como eu tive uma passagem de sucesso aqui (em São Paulo) tenho um carinho e um respeito grande, tem juventinos que gostam do Corinthians. Eu tive o convite e queria retornar a campo, quando a oportunidade aparece, tem que aproveitar. Eu reagi bem, claro que não é aquele Gil do Corinthians, até porque eu fiquei todo esse tempo parado, mas vou readquirindo a forma. Aqui nos mantivemos o tempo todo em 1º e em 2º lugar, é isso que me dá ânimo. Estou lutando para ser campeão, você precisa daquela faísca para acender", finalizou.

Veja Mais:

  • Marlone foi o destaque do treino desta quinta-feira

    Marlone marca, Caíque ganha chance e Oswaldo volta a ensaiar escalação do Corinthians

    ver detalhes
  • Alessandro é homem de confiança do presidente corinthiano

    Diretor de futebol refuta saída de Alessandro do Corinthians: 'Picuinha'

    ver detalhes
  • Rodriguinho admitiu possível saída do Corinthians

    Rodriguinho cogita saída do Corinthians: 'Vamos sentar e conversar'

    ver detalhes
  • Léo Jabá, marcado por Balbuena a imagem acima, está à disposição de Oswaldo

    Léo Jabá tranquiliza Corinthians após susto e está à disposição para jogo contra Cruzeiro

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes