Justiça de São Paulo absolve Corinthians por venda de CIDs da Arena

Justiça de São Paulo absolve Corinthians por venda de CIDs da Arena

Por Meu Timão

27 mil visualizações 133 comentários Comunicar erro

Alvo do MP-SP, Timão foi absolvido pela Justiça pelo uso dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento na Arena

Alvo do MP-SP, Timão foi absolvido pela Justiça pelo uso dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento na Arena

Foto: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

A Justiça de São Paulo anulou, nesta terça-feira, o processo movido pelo Ministério Público contra o Corinthians, a construtora Odebrecht e o ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, por improbidade administrativa. A ação, que condenava o uso dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CID) na construção da Arena Corinthians, renderia mais de R$ 1 bilhão aos cofres públicos.

Segundo a sentença da juíza Lais Helena Bresser Lang, “não há, como alega o Ministério Público, um engodo para justificar a transferência irregular de recursos públicos (...), uma vez que esta teve única e exclusiva motivação de atender tempestivamente aos altos requisitos da FIFA para a efetiva realização do evento desportivo” – no caso, a Copa do Mundo de 2014.

Em maio, o Corinthians garantiu a venda das primeiras cotas de CIDs da Arena. A Odebrecht, principal responsável pelas obras do estádio alvinegro, comprou duas, no valor de R$ 50 mil cada. “Já estão sendo vendidos, R$ 3 mi ou R$ 4 mi de um total de R$ 480 milhões”, revelou Andrés Sanchez, superintendente de futebol, à Rede TV!.

O Ministério Público, por sua vez, contestava o modelo de concessão da isenção fiscal do empreendimento. Em resposta, a juíza declarou que todas as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal foram atendidas pelo clube, pela empreiteira e pelo ex-prefeito, hoje ministro das Cidades.

“(...) verificou-se a concessão regular de uma isenção especifica, decorrente da competência constitucional tributária do Município, observando-se, como apreciado, a teleologia da Lei de Responsabilidade Fiscal (o equilíbrio orçamentário), visando à majoração da arrecadação através de um legítimo fomento a uma região menos desenvolvida do Município”, acrescenta.

Para a viabilização da Arena, a cúpula corinthiana firmou dois empréstimos - R$ 400 milhões e R$ 350 milhões – com BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e Caixa Econômica Federal, respectivamente. O custo da construção, no entanto, já está em R$ 1,15 bilhão.

“Vendendo o nome do estádio em R$ 350 mi ou R$ 400 mi, que está atrasado realmente dois anos... Vendendo os CIDs, que é o incentivo fiscal da prefeitura numa lei que já existia, que já está em R$ 480 mi, estamos falando em R$ 800 mi, R$ 850 milhões. Tá (sic) pago o estádio” explicou o cartola.

Veja Mais:

  • Timão levou gol bizarro em Campinas e só empatou com Red Bull

    Defesa bate cabeça, e Corinthians tropeça diante do Red Bull em noite de gols contra

    ver detalhes
  • Renê Júnior (à dir.) fez sua estreia como titular e deixou boa impressão

    'Salva' de tropeço, dupla corinthiana empata na escolha do craque da partida

    ver detalhes
  • Atuação de Romão em derrota para Ponte Preta preocupou comissão técnica

    Após contratar Juninho, Corinthians busca novo lateral-esquerdo no mercado; Carille explica

    ver detalhes
  • Autora da obra, Katia Bagnarelli é viúva do eterno Doutor

    História de Sócrates é celebrada em lançamento de autobiografia nesta segunda-feira

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes