Torcedores do Atlético-MG fazem foguetório ao lado de hotel do Corinthians

Torcedores do Atlético-MG fazem foguetório ao lado de hotel do Corinthians

Por Meu Timão

Parece que o tradicional grito de "Eu acredito" da torcida adversário não tem sido muito sincero. Isso porque, para ter alguma chance na partida, os torcedores do Atlético-MG, recorreram a uma velha estratégia: soltar fogos de artificio ao lado do hotel para prejudicar o sono dos jogadores corinthianos.

Foram cerca de quatro séries de disparos da 1h da manhã até as 4h, para prejudicar jogadores e comissão técnica do Corinthians. A estratégia "de guerra" é fruto do desespero dos atleticanos, que estão a 8 pontos atrás do Timão na competição, e que mesmo com a vitória em Minas não podem tirar a liderança corinthiana nesta rodada.

O que os atleticanos esqueceram é que o Hotel Ouro Minas, escolhido pela delegação, tem tradição em receber equipes de futebol e hóspedes importantes. Por essa razão, o grupo que comanda o lugar fez um investimento pesado para garantir isolamento acústico dentro das acomodações.

A ação, portanto, só incomodou quem vive na região. Nas redes sociais, o "feito" chegou a colocar o nome do hotel da delegação corinthiana, no Trending Topics do Twitter. Com comentários divididos - enquanto atleticanos se gabavam dos fogos de artíficio, torcedores de outros clubes ressaltaram a mediocridade do clube mineiro.

Veja Mais:

  • Corinthiano Luidy é o novo reforço do Figueirense

    Anunciado por clube da Série B, Luidy agradece Corinthians

    ver detalhes
  • Timão e Caixa não chegaram a acordo pela renovação

    Corinthians recebe ofertas, mas pode permanecer sem patrocínio master na decisão; veja imposições

    ver detalhes
  • Fagner não corre risco de perder finais do Paulistão

    Julgamento de Fagner por suposta agressão no Majestoso acontecerá só após finais do Paulistão

    ver detalhes
  • Jadson, com a 10, fez um dos gols contra a Universidad de Chile na Arena

    Corinthians vai devolver camisa 10 a Jadson; utilização na decisão ainda é incógnita

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes