Menos de um ano após turnê no Brasil, Corinthian-Casuals pode fechar as portas

Menos de um ano após turnê no Brasil, Corinthian-Casuals pode fechar as portas

Por Meu Timão

Vitórias em campo podem não ser suficientes para manter o Corinthian-Casuals vivo

Vitórias em campo podem não ser suficientes para manter o Corinthian-Casuals vivo

Foto: Corinthian-Casuals

Se, do lado de cá do Atlântico, o gigante Corinthians foi impactado pela crise no mundo do futebol, a coisa anda ainda mais complicada para o irmão inglês. E, menos de um ano após a turnê no Brasil, o Casuals pode não sobreviver.

Há anos, o clube luta para se manter vivo, mesmo tendo optado por seguir como um time amador. Na prática, no futebol inglês isso significa que o time não paga salário a nenhum dos funcionários (de jogadores a roupeiros e membros da comissão técnica e diretores).

Porém, as ligas não são separadas na Inglaterra, e, mesmo estando no que seria o equivalente à oitava divisão da Football Association (a CBF inglesa), o Casuals disputa com muitos times profissionalizados.

Apesar disso, não é em campo que o clube encontra as maiores dificuldades. Com elenco renovado, o time inglês vem fazendo excelente temporada e conseguiu, inclusive, a classificação para os play-offs da FA Trophy - único alívios aos cofres do clube londrino, já que o resultado rendeu cerca de 4 mil libras em premiações.

Porém, fora de campo a luta por manter o King's George aberto tem destruído a equipe. Sem nenhuma fonte de receita, a equipe pode não ser capaz de pagar as despesas da temporada que vem.

No Brasil para finalizar o filme "Vai, Corinthians!", o diretor (e ex-jogador) do Casual, Chris Watney, conversou sobre o assunto com exclusividade ao MEU TIMÃO. "O valor, cerca de 120 mil reais, é que o precisaremos para custear nossas despesas de treinamentos, equipamentos, aluguel do estádio, dos locais de treinamentos e vans para transportar a equipe por mais uma temporada. Sem isso, não há como continuar a jogar".

Os números, que parecem medíocres se comparados aos valores gigante brasileiro, podem determinar o fim de uma história de 133 anos. Pouco antes da turnê no Brasil, financiada pela renda da partida realizada na Arena, a expectativa da equipe inglesa era alavancar as vendas de camisas para os torcedores corinthianos do lado de cá.

Porém, a desvalorização do real afastou os brasileiros (uma camisa do Corinthian-Casuals, convertida, sairia por cerca de R$200, mais o frete), e esvaziou os cofres da equipe. Há risco, inclusive, de que até o lançamento do filme que conta a história dos clubes, o irmão inglês não exista mais.

Essa é a maior preocupação de Chris, que ainda vê no filme a única esperança de garantir a sobrevivência da equipe por mais algum tempo. Mas as chances diminuem à medida que o novo ano se aproxima, e o clima de insegurança permanece no King's George. Sem um patrocinador ou "milagre" nas palavras do próprio Chris, a equipe não poderá sobreviver até lá.

Veja Mais:

  • Wladimir será o mais novo colunista do Meu Timão

    Herói de 77 será colunista do Meu Timão

    ver detalhes
  • Dudu revelou que jogadores do Palmeiras tinham conhecimento de confusão feita pelo árbitro no clássico

    Atacante palmeirense diz por que não avisou árbitro de erro em expulsão de Gabriel

    ver detalhes
  • Jadson treinou nesta quinta-feira e não será problema para final no Moisés Lucarelli

    Jadson volta, e Carille ensaia escalação do Corinthians para primeira decisão do Paulista

    ver detalhes
  • Fiel esgotou bilhetes colocados à venda no Fiel Torcedor

    Em menos de uma hora, torcida do Corinthians esgota ingressos para decisão do Paulista

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes