Renato Augusto e Mazziotti relembram início do meia no Timão: 'Pensava em tirar o pé'

Renato Augusto e Mazziotti relembram início do meia no Timão: 'Pensava em tirar o pé'

Por Meu Timão

2.9 mil visualizações 40 comentários Comunicar erro

Bruno Mazziotti foi fundamental na temporada mais bem sucedida de Renato Augusto

Bruno Mazziotti foi fundamental na temporada mais bem sucedida de Renato Augusto

Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Renato Augusto foi o melhor jogador do Corinthians nessa temporada. Grande parte de seu sucesso se deve ao fisioterapeuta Bruno Mazziotti. O camisa 8 chegou em 2013, com rótulo de ser um "jogador de vidro". Renato chegou a pensar em jogar de uma maneira mais cautelosa, para não sofrer mais lesões.

"Eu cheguei a imaginar que eu jamais voltaria a jogar da mesma forma que joguei nessa temporada. Então acho que eu já estava pensando de outra forma, já estava vendo o futebol de outra forma, pensando em tirar o pé, levar até onde o corpo aguentasse", disse o meia em entrevista ao Esporte Espetacular, da Globo.

O fisioterapeuta comparou o meia com um carro de Fórmula 1. Destacando a qualidade que o meia tinha e o trabalho que precisava ser feito.

"O Renato era um carro de Fórmula 1, porque a exigência era tão grande quanto, totalmente desbalanceado e fora de esquadro. Então nesse momento eu entendia que precisava desconstruir essa máquina, como se tivesse voltando pra trás pra poder começar do zero e ai construir de forma perfeita cada peça, cada encaixe necessário para que esse carro pudesse suportar um grande prêmio, por exemplo", disse Bruno Mazziotti.

O trabalho de recuperação do meio-campista começou a ser feito com mais atenção no inicio de 2014, uma das medidas tomadas foram a utilização de palmilhas. Visando provocar instabilidades no corpo e fazendo ele se adequar a essas situações.

"A indicação de palmilhas pra poder melhorar o nível de apoio do pé, colocar um pouco de instabilidade no pé. Naquele momento a gente criou algumas palmilhas para desconstruir, criando diversas instabilidades, para o corpo tentar se moldar", afirmou o ex-fisiologista do Corinthians.

O meia também precisou passar por um processo de preparação psicológica. Renato afirma que mesmo quando não havia mais lesões, ainda se sentia mal e com medo de forçar algo mais sério.

"Foi um trabalho primeiro do corpo, depois da mente. Porque eu comecei a ficar com medo. Eu falava: 'Bruno, tô com dor aqui, vai abrir'. Ele dizia: 'Pode ir, não vai abrir! Não vai!'. Aí na primeira bola você fica com medo. Na segunda você tenta e vê que opa, não doeu. Daqui a pouco quando você vê você está fazendo o movimento involuntário. Então foi um trabalho psicológico bem grande", relembra Renato.

Renato teve em 2015 o seu melhor ano, como profissional, em número de jogos, com 52 atuações. Na próxima temporada o meia não terá mais a companhia de Bruno Mazziotti. O fisioterapeuta aceitou a proposta do Shandong Luneng, time do Mano Menezes.

Veja Mais:

  • Jogadores do Corinthians vivem dia de ator em lançamento de nova chuteira

    Jogadores do Corinthians vivem dia de ator em lançamento de nova chuteira

    ver detalhes
  • Contratações do Corinthians para 2018: Ralf, Marllon & cia chegam pra resolver?

    VÍDEO | Contratações do Corinthians para 2018: Ralf, Marllon & cia chegam pra resolver?

    ver detalhes
  • Matheus foi recepcionado por Emerson Sheik no CT do Corinthians

    Perto de ser anunciado, atacante vai ao CT do Corinthians e recebe boas-vindas de Sheik

    ver detalhes
  • Quinto andar do Parque São Jorge ferve em busca de cargos

    Com 38 vagas em cinco órgãos do Corinthians, quinto andar vira o 'Congresso'; Andrés quebra a cabeça

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes