Por multa baixa, Corinthians deve ganhar pouco por transferência de Ralf para a China

Por multa baixa, Corinthians deve ganhar pouco por transferência de Ralf para a China

Por Meu Timão

Ralf renovou o seu contrato com o Timão em dezembro

Ralf renovou o seu contrato com o Timão em dezembro

Foto: Agência Corinthians

O Corinthians pode perder outro jogador para o futebol chinês. O volante Ralf está negociando com o Beijing Guoan e um acerto está próximo. O problema é o valor baixo da multa rescisória do seu contrato com o Timão.

Caso a transferência seja concluída, o Corinthians vai receber apenas 1 milhão de dólares (cerca de R$ 4 milhões), que é o que está no contrato do volante. O vínculo foi renovado em dezembro do ano passado, após semanas de negociações entre as duas partes.

Segundo o UOL Esporte, as conversas entre o jogador e o clube chinês não começaram agora. Uma negociação foi aberta antes mesmo dele renovar seu contrato com o Timão, mas a possibilidade esfriou e o atleta optou por prolongar o seu vínculo por mais duas temporadas.

Ralf pode ser o terceiro jogador a deixar o Timão para a China. Jadson acertou a transferência ainda em dezembro, gerando cerca de R$ 6,3 milhões aos cofres corinthianos; o meia Renato Augusto, que está perto de assinar com os chineses, é quem mais pode render dinheiro ao alvinegro: são cerca de R$ 17 milhões de reais.

Veja Mais:

  • Oposicionista deve oficializar sua candidatura em breve

    Com diretores atuais como vice, Paulo Garcia se lança como candidato à presidência do Corinthians

    ver detalhes
  • Romarinho marcou sobre o Real Madrid, na semifinal do Mundial de Clubes de 2017

    Corinthians tira onda no Twitter após gol de Romarinho no Real Madrid

    ver detalhes
  • Novo uniforme branco do Corinthians na temporada 2017/18

    Corinthians e Nike renovam parceria até 2029; clube recebe bolada de luvas

    ver detalhes
  • Parte da dívida é relativa a venda de Felipe ao Porto

    Corinthians tem cerca de R$ 10 milhões a receber de clubes brasileiros e europeus

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes