Ídolo no Corinthians, volante revelado no Santa Fe se divide às vésperas do confronto

Ídolo no Corinthians, volante revelado no Santa Fe se divide às vésperas do confronto

Por Meu Timão

Ídolo corinthiano, Rincón evita escolher time para torcer nesta quarta-feira

Ídolo corinthiano, Rincón evita escolher time para torcer nesta quarta-feira

Foto: Fabiano Accorsi/Folhapress

Freddy Rincón tem seu nome marcado na história do Corinthians e, mesmo longe dos gramados, ainda torce pelo Alvinegro. Nesta quarta-feira, no entanto, o jogador estará com o coração divido. Isso porque foi no Santa Fe, adversário do Timão nesta quarta-feira, que o colombiano iniciou sua carreira para despontar no futebol mundial.

Em entrevista ao colombiano AS, Rincón comentou sobre sua relação com os dois clubes e suas expectativas para a partida válida pela segunda rodada da fase de grupos da Copa Libertadores.

“As duas equipes são muito importantes na minha carreira. Ao Santa Fe eu tenho uma gratidão muito grande, por todas as oportunidades que ele me deu, porque foi a equipe que me levou para o profissionalismo, graças ao professor Jorge Luis Pinto. E o Corinthians me deu o título mundial, uma reafirmação no mundo do futebol, são duas equipas que na minha vida significam muito”, afirmou o jogador.

Pelo Corinthians, Rincón conquistou o Campeonato Paulista de 1988, os Brasileiros de 1998 e 1999 e o Mundial de Clubes de 2000. Ao lado de Vampeta, formou um das melhores duplas de volantes da história do Corinthians e se tornou um dos ídolos do Alvinegro devido ao espírito raçudo que sempre demonstrou.

Ao ser questionado sobre a força do Alvinegro em casa, Rincón fez questão de destacar o poder da Fiel.

“Os jogos contra o Corinthians em São Paulo são muito difíceis, a equipe tem uma torcida muito forte, poderosa, empurra sua equipe todo o jogo, a motiva. O importante é não deixar o Corinthians se acomodar, porque se o Santa Fe permitir, com certeza terão mais uma derrota”, disse o ex-jogador, relembrando o carinho dos corinthianos.

“Eu fiz o meu trabalho no Brasil, meu dever, pus todo o esforço que tinha para ganhar títulos com o Corinthians, graças a Deus aconteceu por todo o meu esforço. A torcida é espetacular, sempre apoia, sempre foram especiais comigo, tenho-lhes um grande apreço”, completou o atleta, que para sempre ficará na história por ter levantado o troféu do primeiro título mundial do clube.

Por fim, o colombiano voltou a ressaltar a dificuldade de ver suas duas equipes do coração se enfrentando e evitou manifestar sua torcida para um dos clubes.

“Para mim é difícil porque os dois são equipes que eu amo muito, desejo sorte aos dois, que ganhe o melhor, o que se preparar melhor para fazer as coisas. A verdade, neste momento, meu coração está dividido”, concluiu.

Veja Mais:

  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians se despediu da Arena no empate por 0 a 0 com o Atlético-PR

    Maior do país, público do Corinthians é duas vezes a média do Brasileirão 2016

    ver detalhes
  • Sala de cabines de TV da Arena passa a ser chamada Lilácio Pereira Jr.

    Corinthians batiza sala de transmissões da Arena em tributo a vítima de acidente

    ver detalhes
  • Golaço de Marlone sobre Cobresal rendeu a ele indicação ao Puskás

    Marlone supera Messi e Neymar e vai à final do Prêmio Puskás da Fifa

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes