Vampeta conta bastidores de rachão e opina sobre quem foi o maior jogador da história do Corinthians

Vampeta conta bastidores de rachão e opina sobre quem foi o maior jogador da história do Corinthians

Por Meu Timão

Vampeta participou de jogo festivo na inauguração da Arena Corinthians, em 2014

Vampeta participou de jogo festivo na inauguração da Arena Corinthians, em 2014

Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Conhecido por suas entrevistas irreverentes, o ex-volante Vampeta também gosta de um "papo reto". Ídolo do Corinthians e hoje presidente do Grêmio Osasco Audax, ele concedeu entrevista para o canal oficial do Timão. Em episódio publicado neste sábado, o Velho Vamp lembrou o quarteto mágico formado por ele, Rincón, Ricardinho e Marcelinho Carioca e opinou sobre quem foi o maior jogador da história do clube alvinegro.

"A gente até brincava de ver quem errava menos passes. Era quase impossível de errarmos tantos passes numa partida ali no meio de campo. Eu, Rincón, Ricardinho e Marcelinhos sempre tivemos bons passes. Às vezes o Marcelinho errava porque tentava inventar alguma arte. Afinal, ele era o mais criativo de todos. Em números, aliás, acho que o Marcelinho o maior de todos na história do Corinthians. Mas a bola chegava redonda para ele e para o Ricardinho também, né, comigo e com o Rincón ali atrás", declarou.

Na sequência da entrevista, Vampeta lembrou que a qualidade do time bicampeão brasileiro de 1998 e 1999 e campeão mundial de 2000 estimulava até mesmo uma rivalidade interna. Nos tradicionais rachões disputados na época no Parque São Jorge, o elenco se dividia em dois grupos e levava a brincadeira mais a sério do que muitas partidas oficiais.

"Antes dos jogos tinha o rachão, né. Normalmente partíamos o time. Vinha para o meu time eu, Edílson e Marcelinho. Enfrentávamos sempre o Rincón, o Ricardinho, o Luizão... O Dinei vinha para o meu time também, a gente dividia tudo né. E esses rachões, que em tese eram treinos para a gente relaxar, eram mais pegados do uma partida às vezes, porque tinha essa rivalidade para ver quem era melhor, quem não perdia. O Parque São Jorge ficava lotado para ver aquela rivalidade entre nós. Mas dentro de campo, quando entrávamos em campo para jogar, tudo dava certo", lembrou o Velho Vamp.

Por fim, o ídolo corinthiano, hoje com 42 anos, enalteceu o elenco do Timão daquela época. Os títulos nacionais conquistados sobre Cruzeiro e Atlético-MG, bem como o Mundial de Clubes vencido em pleno Maracanã também foram citados pelo ex-volante.

"Fomos campeões brasileiro em cima do Cruzeiro. Aí o time de 99 ficou um pouco mais forte. Um pouco não, muito mais forte. Aí fomos campeões paulista e brasileiro, com entrosamento fantástico. Nosso ataque era muito forte, com Edílson e Luizão. Rincón era seleção da Colômbia, eu comecei a ir para a Seleção, Ricardinho, Marcelinho, Edílson, Luizão, Dida... Todo mundo era da Seleção. O João Carlos chegou a ser convocado também. Dos 11 titulares, praticamente oito serviam seleções. Era um time muito forte", comentou Vampeta.

Veja Mais:

  • Arana pode se transferir para a Inter de Milão nos próximos dias

    Com oferta na mão, Corinthians espera retorno de presidente para definir venda de Arana

    ver detalhes
  • Corinthians optou por não utilizar redes sociais em respeito ao momento

    Corinthians suspende redes sociais em dia de velório coletivo da Chapecoense

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians se despediu da Arena no empate por 0 a 0 com o Atlético-PR

    Maior do país, público do Corinthians é duas vezes a média do Brasileirão 2016

    ver detalhes
  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes