Em programa de TV, Edílson lembra quando provocou Rincón e usou faca para se defender

Em programa de TV, Edílson lembra quando provocou Rincón e usou faca para se defender

Por Meu Timão

Capetinha não negava o apelido nem mesmo nos bastidores do Corinthians

Capetinha não negava o apelido nem mesmo nos bastidores do Corinthians

Foto: Reprodução

O Corinthians dos últimos anos do século 20 chamava atenção não apenas pelo futebol envolvente e os consequentes títulos (Brasileirão de 1998 e 1999 e Mundial de Clubes de 2000, por exemplo), mas também pelo carisma de alguns atletas daquele elenco. Edílson Capetinha, um dos personagens mais irreverentes da história do Timão, participou do programa Resenha Espn na noite desse sábado e lembrou um episódio inusitado daquele time, no qual o atacante tirou onda para cima do volante colombiano Freddy Rincón.

"Aquele negão assustava, muito forte. E eu sacaneava ele. Falava: 'Freddy, você não joga nada. Só joga para trás'. E o negão ficava maluco", disse Edílson.

No episódio lembrado durante programa, Edílson contou quando, durante o primeiro tempo de uma partida, se recusou a tocar a bola para Rincón. De acordo com o Capetinha, o colombiano reclamou, ainda em campo, do excesso de tentativas de dribles do atacante. Este, por sua vez, disse que não tocaria para um jogador que "só joga para trás", irritando assim o volante.

"Acabou o primeiro tempo, lá na Bolívia. Estou entrando no vestiário, dou aquela olhadinha para trás e vejo o negão vindo atrás de mim. Entrei logo no vestiário, o Vampeta sentiu a maldade e já adiantou o passo para entrar comigo também. No corredor a caminho do vestiário tinha uma mesa com frutas e aqueles negócio de Gatorade. Aí tinha uma faquinha daqueles de descascar laranja, pequeninha. Aí fui lá para o canto. E meu irmão... Quando o negão chegou no vestiário ele deu uma bica naquela mesa de Gatorade e voou garrafinha de Gatorade para todo lado", lembrou.

Na sequência, demais jogadores do Corinthians tiveram de apartar os ânimos segurando Rincón e assim o impedindo de se aproximar de Edílson. Vampeta, por sua vez, permaneceu mais próximo do Capetinha como espécie de escudo, tentando acalmar o colombiano à distância. E não é que o atacante do Timão se aproveitou da situação aparentemente controlada para retomar a provocação?

"Ele de longe, eu com a faquinha na mão mostrando para ele. Aí cheguei para ele e falei 'Freddy, por que você só quer bater em mim e no Marcelinho? Por que não pega o Vampeta que é aqui do seu tamanho?'. Pô, aí o Vampeta olhou para mim bravo e falou 'Pô, não tenho nada a ver com isso. Estou aqui para te proteger e você me apronta uma dessas. Ô, Rincón, pode vir pegar ele'", contou, arrancando gargalhadas dos apresentadores do programa.

Veja Mais:

  • Michel (à esq.) e o sobrinho foram ao Maracanã naquele 23 de outubro

    Terceiro corinthiano solto no Rio desabafa: 'Fui pra ver o jogo, não pra brigar'

    ver detalhes
  • Torcedores na Arena poderão adicionar patch da Chapecoense em camisas

    Loja da Arena irá personalizar grátis camisas em homenagem à Chapecoense

    ver detalhes
  • Corinthians já definiu profissionais que devem permanecer e ser negociados

    Isaac, Mendoza, Oswaldo... Confira quem chega e quem sai do Corinthians

    ver detalhes
  • É tudo política, estúpido!

    [Marco Bello] É tudo política, estúpido!

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes