Tubulação causou acidente com mortes na Arena em 2013, diz jornal

Tubulação causou acidente com mortes na Arena em 2013, diz jornal

Por Meu Timão

2.8 mil visualizações 29 comentários Comunicar erro

Estudo diz que solo instável causou queda de guindaste na Arena Corinthians

Estudo diz que solo instável causou queda de guindaste na Arena Corinthians

O Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT) concluiu a razão da queda do guindaste que matou dois operários da Arena Corinthians, em novembro de 2013. O acidente foi iniciado devido a uma ruptura de um duto localizado no subsolo do estádio. A informação é do jornal Estadão.

De acordo com a publicação, o laudo encomendado pelo Ministério do Trabalho indica que houve sobrecarga de peso em parte do guindaste por conta da ruptura do duto de 1,20 metro de diâmetro. Posteriormente, uma inclinação maior que a suportada ocasionou a queda do equipamento durante as obras de construção do setor Leste da Arena Corinthians.

O acidente causou a morte dos funcionários Fabio Luiz Pereira, de 42 anos, e Ronaldo dos Santos, 44. Ainda segundo o documento do IPT, a empreiteira Odebrecht, responsável pela construção do estádio, é quem deveria ter realizado avaliação sobre a tubulação enterrada de água pluviais existente no trajeto da máquina, além de averiguar se o duto suportaria a pressão do guindaste.

Em setembro do ano passado, a Justiça de São Paulo isentou Corinthians e Odebrecht pela morte dos dois operários e considerou culpado Valentim Valeretto, então encarregado pela verificação das condições do solo. O funcionário seria acusado de homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

Entretanto, no mês de março, seis pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público de São Paulo e transformadas em réus pela Justiça do Estado, incluindo Valeretto. Quatro delas eram empregadas da Odebrecht, enquanto as outras duas trabalhavam para a Locar, empresa terceirizada para operar o guindaste.

Os engenheiros Frederico Marcos de Almeida Horta Barbosa e Márcio Prado Wermelinger, o técnico Gilson Guardia e o encarregado Valentim Valeretto, vinculados à empreiteira na época da queda do equipamento, viraram réus. A dupla da Locar era formada por José Walter Joaquim, operador de guindaste, e Leanderson Breder Dias, supervisor de equipamentos.

O jornal procurou a Odebrecht a respeito da conclusão do IPT. Em nota, a construtora afirmou que “estudos realizados por renomados especialistas descartaram a possibilidade de o solo e/ou o subsolo, incluindo as estruturas de drenagem, na área de operação do guindaste, ter sido a causa do acidente ocorrido durante as obras da Arena Corinthians”.

Veja Mais:

  • Sornoza fez boa temporada no Fluminense; meia já foi finalista da Libertadores com o Independiente del Valle

    Sem envolver jogadores, Corinthians e Fluminense chegam a acordo por transferência de Sornoza

    ver detalhes
  • Contratação de Ramiro foi aprovada pela torcida do Corinthians

    Torcida do Corinthians aprova contratação de Ramiro em enquete avassaladora

    ver detalhes
  • Resta apenas o acerto dos jogadores com seus novos clubes para selar o negócio

    Corinthians e Atlético-MG se acertam por troca de atacantes; jogadores aceitam conversar

    ver detalhes
  • Uendel pode acertar retorno para o Corinthians em breve

    Empresário confirma que Corinthians deve acertar retorno de Uendel em janeiro

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes