Cristóvão Borges sinaliza manutenção do esquema de Tite e fala em 'substituição do pai'

Cristóvão Borges sinaliza manutenção do esquema de Tite e fala em 'substituição do pai'

Por Meu Timão

Cristóvão Borges comandou, nessa segunda-feira, seu primeiro treino no Corinthians

Cristóvão Borges comandou, nessa segunda-feira, seu primeiro treino no Corinthians

Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

O Corinthians está de cara nova. Mas não tão diferente. Ao menos essa é a promessa de Cristóvão Borges, novo treinador do Timão.

Em entrevista concedida nesta segunda-feira, no CT Joaquim Grava, durante sua apresentação à imprensa, o técnico sinalizou a manutenção do trabalho que vinha sendo feito por Tite, novo treinador da Seleção Brasileira.

Ao ser questionado se manteria o esquema 4-2-3-1/4-1-4-1 que Tite vinha usando, Cristóvão destacou a necessidade de tempo para que o sistema se encaixe e deu a entender que, caso faça substituições de jogadores, fará poucas e aos poucos.

"O time vitorioso que nós aplaudimos, o 4-1-4-1, na virada do ano, na remontagem da equipe, ele (Tite) tentou fazer isso. E aí não funcionou do jeito que ele queria. Porque tudo tem tempo. Processo requer tempo. Ele não jogava assim. Cheguei e agora terei os próximos jogos sem quase que tempo nenhum para treinar. Mesmo que tivesse, não mudaria muito. Se precisar, vou mexer aos poucos. O futuro dirá se esse é o caminho", declarou o treinador que já estreará na próxima quarta-feira, em Belo Horizonte, contra o Atlético-MG.

Fato é que Cristóvão encontra um elenco "órfão". Desde 2010, com exceção de 2014, os jogadores do Corinthians se acostumaram a prestar serviços a Tite. Seja no 4-1-4-1 ou em qualquer outro esquema que já tenha sido utilizado pelo hoje treinador da Seleção. E o novo comandante alvinegro não vê problema em se encaixar nesse grupo.

"Isso vai depender muito da substituição do 'pai'. Então é comigo. Depende do meu comportamento. Se eu for bem e agradar a eles (jogadores)... E isso acredito muito. Os times que trabalhei, sob muita cobrança, times que a exigência é muito grande, nunca tive problema em lidar com grupos. Nesse momento, para ser treinador, além de estudar, aí a parte é de experiência vivida, prática, tem me ajudado bastante na minha carreira", disse.

Veja Mais:

  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians se despediu da Arena no empate por 0 a 0 com o Atlético-PR

    Maior do país, público do Corinthians é duas vezes a média do Brasileirão 2016

    ver detalhes
  • Sala de cabines de TV da Arena passa a ser chamada Lilácio Pereira Jr.

    Corinthians batiza sala de transmissões da Arena em tributo a vítima de acidente

    ver detalhes
  • Golaço de Marlone sobre Cobresal rendeu a ele indicação ao Puskás

    Marlone supera Messi e Neymar e vai à final do Prêmio Puskás da Fifa

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes