'Por que Tite deveria ter dito não', por Fernando Martinho

'Por que Tite deveria ter dito não', por Fernando Martinho

Por Meu Timão

O Corinthians já superou a saída de Tite e contratou um novo treinador que conquistou sua primeira vitória neste sábado. Ainda assim, um texto bem elaborado de Fernando Martinho, colunista do Doentes por Futebol, faz refletir se, para o bem do futebol, o treinador não deveria ter se posicionado contra a CBF.

Por que Tite deveria ter dito não

"A começar por ter assinado — com razão — uma petição para a renúncia do mandatário da CBF, Marco Polo Del Neto. Em seguida, o principal dos motivos: ele é o melhor treinador que o Brasil produziu nos últimos tempos. Com larga vantagem. Não precisa compará-lo a Dunga. É covardia até. Como diria Mauro Cezar Pereira, Dunga carecia de preparo e capacidade intelectual para estar à frente da Seleção Brasileira, sobretudo, após um 7 a 1.

Voltando a Tite. Se ele era o melhor, então por que recusar a coroação? Um grande exemplo de fidelidade a princípios e valores que Tite poderia ter seguido os passos: Carlos Bianchi. O lendário treinador argentino dominou o futebol sul-americano como ninguém na história. Ganhou as Libertadores de 1994, 2000, 2001 e 2003 — foi vice em 2004 —, e as Copas Intercontinentais de 94, 2000 e 2003. Após a renúncia de Marcelo Bielsa do comando da Seleção Argentina, o clamor popular por Bianchi que já estava desvinculado do Boca, levaram Julio Grondona à convida-lo para o cargo.

Biachi Tite

A negativa foi contundente. A alegação foi querer estar mais perto da família. Disse oficialmente não querer compromissos longos. Um ano mais tarde aceitou trabalhar no Atlético de Madrid a 10 mil quilômetros de distância Buenos Aires e de sua família. O La Nación cravou na época, que enquanto Julio Grondona fosse o presidente da AFA, ele não dirigiria a Seleção.

Se Tite recusasse a proposta, ganharia uma eterna lembrança como “o homem que disse não à Seleção”. Iriam especular que a proposta financeira não agradou, como ocorreu de fato com Muricy Ramalho em 2010, na época que a CBF era dirigida por Ricardo Teixeira. Um bom contrato com o Fluminense e sua patrocinadora Unimed naquele momento, mantiveram Muricy no Tricolor Carioca.

Tite e Del Nero

Mas Tite fez diferente. Aceitou. Respondeu que vai fazer o trabalho dele. O trabalho dele é treinar um time. Quem o escolheu para fazer esse trabalho foi Marco Polo Del Nero. Poderia sim ter recusado. Ele era o único que poderia.

A Seleção Argentina precisava de Bianchi. Bianchi não precisou dela. A Seleção Brasileira precisa de Tite, e Tite parece precisar da Seleção."

Fernando Martinho é editor da Revista Corner. Esse texto foi originalmente publicado no Doentes por Futebol e gentilmente cedido ao Meu Timão.

Veja Mais:

  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes
  • Sala de cabines de TV da Arena passa a ser chamada Lilácio Pereira Jr.

    Corinthians batiza sala de transmissões da Arena em tributo a vítima de acidente

    ver detalhes
  • Golaço de Marlone sobre Cobresal rendeu a ele indicação ao Puskás

    Marlone supera Messi e Neymar e vai à final do Prêmio Puskás da Fifa

    ver detalhes
  • Luidy (boné) conheceu o CT Joaquim Grava na última quinta-feira

    Contratação do Corinthians vai ao CT pela primeira vez

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes