Ex-presidente palmeirense critica Arena Corinthians e ironiza naming rights

Ex-presidente palmeirense critica Arena Corinthians e ironiza naming rights

Por Meu Timão

Corinthians é dono do seu próprio estádio

Corinthians é dono do seu próprio estádio

Foto: Meu Timão

O ex-presidente do Palmeiras, Luiz Gonzaga Belluzzo, tratou de aparecer nos holofotes da imprensa à custa do Corinthians nesta sexta-feira. Um dos responsáveis pela construção do Allianz Parque, estádio do arquirrival, o ex-cartola criticou a maneira pela qual o Timão ergueu a Arena Corinthians, inaugurada em maio de 2014, e ironizou a possível venda dos naming rights (direito de uso do nome) da casa corinthiana.

“O Corinthians não vendeu os naming rights, e nem vai conseguir, nem vale nada. O Palmeiras, por outro lado, viu a Allianz comprar na hora, ninguém é bobo. Palmeiras recebeu R$ 30 milhões, fora outras propriedades que a Wtorre conseguiu vender”, afirmou Belluzzo em entrevista ao UOL Esporte.

A diretoria do Timão negocia a concessão do direito de nome da Arena em Itaquera desde o início das obras. Embora o discurso seja otimista, o clube alvinegro ainda não selou o contrato milionário – especula-se que o acordo renda ao Corinthians cerca de R$ 300 milhões pelo período de 20 anos.

Apesar de sua relação ser com o Palmeiras, Belluzzo fez questão de analisar o cenário financeiro atual do Corinthians. Para ele, a equipe paulista encontra-se “apertada” devido à conta do estádio, já avaliado em R$ 1,6 bilhão. O Timão paga mensalmente cerca de R$ 5 milhões ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Parte do montante será quitado com a venda dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs) e, futuramente, com o acordo dos naming rights.

“Tem que se levar em conta as circunstâncias e os aspectos de negócio. O Corinthians deve uma grande quantia por causa do estádio, enquanto o Palmeiras só recebe, só tem participação nas receitas. Palmeiras só cedeu o terreno. (...) Estádio vale R$ 900 milhões a R$ 1 bilhão, este é o valor presente, fazendo uma projeção das receitas diante do que está acontecendo”, explicou.

Vale destacar que o Palmeiras acumula desavenças em seus bastidores com a WTorre, construtora do Allianz Parque. O clube da Barra Funda, aliás, entrou a Justiça contra a empresa, haja vista que a mesma tem o direito de explorar o espaço até 2044. Coincidentemente, Belluzzo, incomodado com a gestão corinthiana, foi quem assinou o extenso vínculo.

As comparações entre a Arena Corinthians e o Allianz Parque são frequente, já que foram erguidos praticamente à mesma época. Impulsionado por Andrés Sanchez, ex-presidente e ex-superintendente de futebol, o Timão construiu o estádio a partir de empréstimos e, por isso, terá doze anos para quitá-lo. O Palmeiras, por sua vez, concedeu o Allianz à Wtorre, que custeou a obra.

Veja Mais:

  • Arana pode se transferir para a Inter de Milão nos próximos dias

    Com oferta na mão, Corinthians espera retorno de presidente para definir venda de Arana

    ver detalhes
  • Corinthians optou por não utilizar redes sociais em respeito ao momento

    Corinthians suspende redes sociais em dia de velório coletivo da Chapecoense

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians se despediu da Arena no empate por 0 a 0 com o Atlético-PR

    Maior do país, público do Corinthians é duas vezes a média do Brasileirão 2016

    ver detalhes
  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes