Cristóvão se defende de vaias e explica substituição de Marquinhos Gabriel no clássico

Cristóvão se defende de vaias e explica substituição de Marquinhos Gabriel no clássico

Por Meu Timão

Cristóvão minimizou reprovação explícita da Fiel nos últimos dois jogos do Timão

Cristóvão minimizou reprovação explícita da Fiel nos últimos dois jogos do Timão

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

As sonoras vaias direcionadas ao técnico Cristóvão Borges por parte da torcida do Corinthians nos empates com São Paulo e Figueirense voltaram à tona nesta segunda-feira. Para o treinador alvinegro, a reprovação da Fiel durante o Majestoso do último dia 17 se deu devido à substituição do meia Marquinhos Gabriel pelo atacante Rildo.

“A história da vaia começou no jogo do São Paulo e foi por causa da substituição do Marquinhos Gabriel. Naquele momento do jogo, o São Paulo, por ter um jogo muito forte no lado de campo, o Marquinhos estava muito desgastado. Se eu substituísse outro, ele ia ter que continuar fechando o corredor e ia ser muito exigido. E o Rildo é um jogador que ia ajudar na proteção e poder atacar, então por isso eu fiz essa substituição”, explicou Cristóvão, em entrevista à rádio Jovem Pan.

Em contrapartida, já diante do Figueirense, no sábado, o treinador corinthiano voltou a ser criticado pela maioria dos 38 mil presentes na Arena. Embora não se veja como alvo das vaias, Cristóvão admite que a pressão pela vitória e a atuação aquém do time contribuíram para a condenação da torcida.

“Agora no jogo contra o Figueirense, não, foi tudo normal, não vi uma vaia direcionada, não. Foi a insatisfação de a gente não estar ganhando o jogo, um jogo que sabíamos que, em casa, temos de ganhar. Os erros que aconteceram a partir de ter tomado o gol, a torcida, claro, cobrou mais, exigiu mais, estava insatisfeita, é natural”, disse, acrescentando ainda que as mudanças promovidas por ele tiveram efeito positivo sobre a equipe.

“Qualquer coisa e qualquer acontecimento a partir dali é aquela cobrança. As substituições ajudaram a equipe, conseguiu pressionar, empatar o jogo e teve possibilidades de ter ganhado. No jogo contra o Figueirense achei tudo normal”, finalizou.

Veja Mais:

  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes
  • Sala de cabines de TV da Arena passa a ser chamada Lilácio Pereira Jr.

    Corinthians batiza sala de transmissões da Arena em tributo a vítima de acidente

    ver detalhes
  • Golaço de Marlone sobre Cobresal rendeu a ele indicação ao Puskás

    Marlone supera Messi e Neymar e vai à final do Prêmio Puskás da Fifa

    ver detalhes
  • Luidy (boné) conheceu o CT Joaquim Grava na última quinta-feira

    Contratação do Corinthians vai ao CT pela primeira vez

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes