Léo Príncipe responde se base do Corinthians é mal aproveitada

Léo Príncipe responde se base do Corinthians é mal aproveitada

5.4 mil visualizações 63 comentários Comunicar erro

Léo Príncipe (à esq.) e Pedro Henrique, pratas da casa presentes no elenco profissional

Léo Príncipe (à esq.) e Pedro Henrique, pratas da casa presentes no elenco profissional

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

O aproveitamento de jogadores oriundos das categorias de base é assunto diário no Corinthians. A convicção de parte da torcida é de que o clube mantém a cultura de não dar oportunidades reais aos seus juniores, enquanto direção e comissão técnica entendem que as joias têm de ser lapidadas antes de sentirem o peso da camisa corinthiana num jogo oficial.

Em entrevista coletiva nesta segunda-feira à tarde, no CT Joaquim Grava, o lateral-direito Léo Príncipe foi questionado se as divisões menores do Corinthians seriam mal aproveitadas. E o ala de 20 anos admitiu que o cenário, ainda que aos poucos, tem mudado. “A princípio está melhorando. A torcida cobrou muito a diretoria, mas dá para ver que temos nove jogadores. A base do Corinthians está provando que pode servir”, explicou Léo Príncipe, promovido após retornar de empréstimo do Oeste-SP.

Atualmente, compõem o elenco profissional do Corinthians os seguintes atletas: Matheus Vidotto e Caíque França (goleiros); Pedro Henrique, Yago e Léo Santos (zagueiros); Fagner, Guilherme Arana e Léo Príncipe (laterais) – o atacante Isaac Prado, constantemente confundido como prata da casa, foi contratado do Botafogo-SP, onde se destacou e despertou o interesse do Timão. Ele jamais entrou em campo.

“Nenhum jogador que sobe da base está pronto, são anos de carreira. Você tem que trabalhar para melhorar. Se ele for vendido ou não tem que trabalhar e corresponder”, frisou o lateral-direito, que pode emplacar sua segunda partida como titular diante do Sport, quinta-feira, às 19h30 (de Brasília), na Arena.

Todos os jogadores formados na base que estão na equipe “adulta” têm características defensivas. De acordo com Príncipe, o fato se deve à preocupação do clube em não tomar gols, ponto forte do Corinthians nos últimos anos.

“Primeiro é o bom trabalho feito na base com o Osmar, ele trabalha forte a linha de quatro, então quando subimos conseguimos corresponder. Na base tem o Gabriel Vasconcelos, Isaac, Léo Jabá. Quando tiverem oportunidades de jogar, precisam aproveitar”, completou.

Leia também: Devolvido ao Timão, Gabriel Vasconcelos treina com Cristóvão

Veja Mais:

  • Balbuena segue sem estender vínculo com o Corinthians

    Corinthians aciona Vampeta para tentar ajudar na renovação de Balbuena; clube se pronuncia

    ver detalhes
  • Vilson está afastado dos gramados desde março de 2017, quando passou por cirurgia

    Corinthians paga R$ 60 mil por atraso de 13 meses e quita dívida pela contratação de Vilson

    ver detalhes
  • Timão recebe o arquirrival Palmeiras na Arena neste sábado

    Torcida garante 33 mil ingressos para primeiro Dérbi de 2018; venda física começa nesta quarta

    ver detalhes
  • Ralf foi apresentado pelo Corinthians no início da tarde desta terça-feira, no CT

    Apresentado, Ralf fala em 'momento de Gabriel', mas avisa: 'Vou buscar meu espaço'

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes