Serviços prestados por filho de Lula ao Corinthians geram batalha entre clube e sócio na Justiça

Serviços prestados por filho de Lula ao Corinthians geram batalha entre clube e sócio na Justiça

Filho de Lula trabalhou no Corinthians

Filho de Lula trabalhou no Corinthians

Foto: Reprodução/TV Uol

O Corinthians trava na Justiça uma batalha cujo pivô é Luis Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Sócio do clube, o torcedor Roberto Willian Miguel exige documentos que comprovem os serviços prestados por 'Lulinha' ao Timão.

Luis Claudio, que também acumula passagens pelos centros de treinamento de Palmeiras e São Paulo, assumiu cargo de auxiliar de preparação física do Corinthians entre 2009 e 2010. Depois, em 2011, por meio de contrato entre o Timão e a empresa LFT Marketing Esportivo, retornou ao clube do Parque São Jorge como funcionário terceirizado.

Entre salários (R$ 15 mil como CLT e R$ 20 mil como terceirizado) e rescisão contratual, Luis Claudio teria recebido cerca de R$ 500 mil pelos trabalhos feitos no Corinthians, de acordo com documentos enviados pelo por Roberto à Justiça. A principal intenção do sócio com a ação movida contra o clube é averiguar a coerência entre os serviços prestados pelo auxiliar de preparação física e tal suposto montante pago pela agremiação.

O Meu Timão teve acesso a um documento enviado pelo Corinthians, no dia 8 de setembro de 2016, à 39ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo. No texto, os advogados do clube pedem à Justiça que considere a ação do sócio como improcedente e que ele seja obrigado a arcar com as custas processuais e os honorários advocatícios.

Na visão do Corinthians, que na autonomia prevista pela Constituição Federal de 1988 se apoia nas regras previstas em seu estatuto social, não há obrigatoriedade para entregar cópias tampouco versões originais de quaisquer documentos ao associado. O que há é a preocupação de, em caso de vitória do requerente na Justiça, seja aberto um precedente para outras ações semelhantes cobrando transparência do clube em diversos temas.

O clube alega já ter permitido, por meio de seu departamento jurídico, que Roberto tivesse acesso aos papeis solicitados. Em tal ocasião, o torcedor foi liberado a fazer anotações, mas proibido de tirar fotos.

Mesmo após ter tido acesso aos documentos, Roberto exigiu do clube 'a adoção de providências necessárias no que tange à responsabilização dos responsáveis [pela contratação de Luis Claudio] sob pena de, não sendo tomadas as providências necessárias, Vossas Senhorias [dirigentes do clube] serem responsabilizados pela omissão na apuração dos fatos que causaram prejuízos materiais e morais ao Glorioso SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA'.

O Corinthians, por sua vez, alega que 'não houve qualquer irregularidade nas contratações havidas do Sr. Luis Cláudio. Mais do que isso, não ocorreu qualquer prejuízo material ao Corinthians ou mau procedimento do Clube requerido no tocante às referidas contratações'.

O Meu Timão entrou em contato com Roberto e fez alguns questionamentos. O sócio, em posse das perguntas, disse que teria de contatar seu advogado antes de respondê-las. Depois, não deu retorno à reportagem.

Roberto Willian Miguel durante passeata contra Lula

Roberto Willian Miguel durante passeata contra Lula

Foto: Reprodução/Facebook

Veja Mais:

  • Adauto (ao centro) classificou Corinthians como 'melhor vitrine do futebol brasileiro'

    Ex-Corinthians, Adauto defende Alessandro e minimiza falta de poder financeiro: 'Melhor vitrine'

    ver detalhes
  • Monster Jam agitou Itaquera nesse sábado

    Primeiro Monster Jam no Brasil leva mais de 30 mil pessoas à Arena Corinthians

    ver detalhes
  • Crislan pertence ao Braga, mas jogou no Vegalta Sendai por empréstimo

    Em alta no Japão, atacante despista sobre sondagem do Corinthians

    ver detalhes
  • Carille acredita em crescimento de Marquinhos Gabriel na próxima temporada

    Após sondagens, Corinthians e Marquinhos Gabriel negam possibilidade de empréstimo para 2018

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes