Juíza que determinou prisão de corinthianos libera detidos com armas de fogo e maconha

Juíza que determinou prisão de corinthianos libera detidos com armas de fogo e maconha

Por Meu Timão

Juíza Marcela Tavares: decisões distintas para casos semelhantes

Juíza Marcela Tavares: decisões distintas para casos semelhantes

Foto: Divulgação/Felipe Cardoso-TJRJ

Responsável pela prisão preventiva de 31 corinthianos supostamente envolvidos na briga com policiais militares no estádio do Maracanã, há quase um mês, a juíza Marcela Assad Caram Januthe Tavares tem tomado decisões um tanto arbitrárias. Na última quarta-feira, por exemplo, ela determinou a liberação de dois homens presos em flagrante com um fuzil, uma pistola e mais de quatro quilos de maconha no Morro da Coroa, favela na Região Central do Rio. A informação é do jornal Extra.

Julio Cesar Magalhães Bastos e Cristiano da Conceição Pedro foram detidos pela PM na terça-feira. Um dia depois, durante a audiência de custódia, Marcela Tavares designou a soltura da dupla sob a explicação de que a conduta de cada um não foi explicada pela Polícia Civil – justamente o principal argumento dos advogados de defesa de parte dos corinthianos detidos em Bangu.

“Compulsando atentamente o procedimento, (...) verifico frágil a regularidade do flagrante, tento em vista que as circunstâncias da prisão não se encontram claras, tampouco a individualização das condutas dos flagranteados, assistindo razão à defesa, induzindo esta magistrada a concluir pela irregularidade formal do APF”, escreveu a magistrada.

Em nota, o comando da UPP Coroa/Fallet/Fogueteiro afirmou que Cristiano era quem portava o fuzil. Entretanto, segundo Marcela, o registro da ocorrência não detalhou qual arma cada indivíduo portava durante o flagrante. Os dois suspeitos responderão por tráfico de drogas e porte ilegal de arma em liberdade.

Chama atenção a intepretação dúbia de Marcela Tavares para o caso dos torcedores do Corinthians detidos no Rio de Janeiro. Ao Meu Timão, o advogado de Gustavo Inocêncio Meira Rosário, de 24 anos, detido após o episódio, confirmou que processo judicial não conta com material recolhido da transmissão do jogo, o que facilitaria a identificação de cada um dos envolvidos.

“Eles se basearam no reconhecimento por tatuagem, por características físicas, até porque três policiais jamais conseguiriam reconhecer 30 agressores”, garantiu João Drummond Freitas.

Mais presos – Os dez torcedores alvinegros que estavam detidos no Rio de Janeiro desde a semana passada acusados de ameaçar a juíza Marcela Assad Caram tiveram a prisão preventiva decretada na quarta-feira. A decisão foi tomada pela magistrada Ana Helena Mota Lima Valle.

Veja mais em: Corinthianos presos no Rio.

Veja Mais:

  • Arena Corinthians tem promessa de bom público no domingo

    Corinthians vende mais de 27 mil ingressos contra o Botafogo; bilheterias abrem nesta quinta

    ver detalhes
  • 'General' Balbuena marcou na Colômbia e salvou o Corinthians

    Balbuena marca nos acréscimos e Corinthians se salva de vexame na Colômbia pela Sul-Americana

    ver detalhes
  • Balbuena (à esq.) auxiliou Carille na tradução de perguntas em espanhol após empate em Tunja

    Após noite de herói, Balbuena ataca de tradutor para Carille em entrevista coletiva

    ver detalhes
  • Timão sofreu, mas conseguiu empatar com Patriotas no 'apagar das luzes'

    Dez tweets que descrevem a sensação de todo corinthiano com o empate na Colômbia

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes