'Reminiscências de um ET no mundo do futebol', por Luis Paulo Rosenberg

80 mil visualizações 142 comentários

Por Luis Paulo Rosenberg

Luis Paulo Rosenberg, oficializando o acordo entre Corinthians e Batavo, em março de 2009

Luis Paulo Rosenberg, oficializando o acordo entre Corinthians e Batavo, em março de 2009

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Como vice-presidente do Corinthians, fui de rebaixado a campeão Mundial. Deixei minhas empresas de lado, abandonei magistério e passei por doença, mas tudo ficou pequeno comparado a trazer felicidade para a torcida.

Estive no comando do marketing do Corinthians durante sua arrancada, da série B, em 2008, até ser campeão mundial em Tóquio, em 2012, passando pelas conquistas da Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro,vários estaduais e Copa Libertadores.

Instado pelo guerreiro Marcos, deste TREM bão que a nós, paulistas, tanto encanta, vou partilhar alguns momentos daquela experiência. Sem querer posar de galo, creio que meu aprendizado, enquanto cartola, poderá ser instigante para o caro leitor.

Por que ET? Bem, um professor universitário que passou por FGV, UnB e ITA cair numa vice-presidência de futebol não é usual. Mesmo tendo trabalhado alguns anos no setor público e no setor privado por décadas, nada nos prepara para esse surpreendente mundo.

Demorei a fazer sentido de todos os retalhos que formam esse mosaico peculiar, com suas características diferenciadoras marcantes. Em destaque, o conteúdo emocional que caracteriza esse esporte. Quando trabalhei no Palácio do Planalto, a sensação era de estar em cima de uma área de terremoto: sempre que interesses poderosos eram contrariados, o chão tremia, os vidros estilhaçavam e o estrondo era assustador. No futebol, você está sentado no centro da cratera de um vulcão com erupções diárias, nádegas tostadas são o menor dos males de que lá se padece.

Como o sucesso do seu clube é parte significativa da felicidade de um torcedor de baixa renda, o grau de cobrança dele sobre os gestores da sua paixão é inadministrável. Sempre pensei na democracia madura que teríamos se os aficionados do futebol desenvolvessem um sistema de acompanhamento e cobrança sobre os políticos semelhante ao que mantêm sobre os cartolas do seu time.

Teríamos um regime mais representativo do que o de uma Suécia. Se você estiver acertando e o clube vencendo, ao cruzar na rua, ele pode lhe acenar com um “valeu”. Mas quando a coisa desanda, somos tratados como débeis mentais cavilosos e é recorrente a sugestão de inserirmos nosso título de PhD em orifício originalmente projetado para uma funcionalidade totalmente diversa.

Outra surpresa que o mercado da bola me reservou foi na forma como sua gestão está organizada. Quando aceitei liderar a regeneração financeira do Timão, imaginava que meu seria o departamento da lógica empresarial, dos estudos de mercado, dependente de técnica estatística e da aplicação dos cânones consagrados na metodologia do marketing. Em compensação, eu receberia uma recompensa emocional, pois estaria convivendo com jogadores e comissão técnica, dialogando sobre as opções táticas, curtindo as preleções antes e após o jogo, enfim, desfrutando do convívio dos meus ídolos.

Tudo ao contrário! O sucesso do marketing de um clube de futebol está em se conhecer a alma do torcedor, seu DNA, o que ele quer que seu clube seja. O desafio é muito mais complexo, é o de fazer existir o imaginário que ele carrega no coração. Assim, ó: claro que negociar contratos vantajosos de TV, de patrocínio de material esportivo e de conquista do patrocinador da camisa está no centro das atividades da área mercadológica. Conseguimos multiplicar a receita do marketing do Timão por cinco no período em que lá estivemos, mas isso era apenas o começo. O torcedor espera que você encha sua alma de orgulho, leve sua autoestima aos píncaros da lua, jamais o deixe em situação na qual um porco palmeirense ou um bambi são-paulino possa ironizá-lo.

A Fiel exige grandeza. Lembre, estamos lidando com o primeiro clube que teve coragem de lutar pelas Diretas Já, em plena ditadura, sob liderança do inesquecível Doutor Sócrates. E que antes havia levado 70 mil manos a invadirem o Maracanã, para assistir a uma semifinal de Campeonato Brasileiro.

Uma torcida que cresceu mais que qualquer outra no estado, mesmo passando mais de duas décadas sem ganhar um título sequer.

Tudo no Corinthians tem de ser gigantesco. Esse desafio me empurrou a buscar sempre mais, acreditando que o impossível não existe: viabilizar a produção de cinco longas-metragens registrando os momentos mais emocionantes da nossa história, apoiar campanhas de doação de sangue, combate à violência contra a mulher, defender o meio ambiente, produzir meia centena de livros registrando a passagem do Timão pela Terra, abrir mais de 100 lojas exclusivas de venda de 800 produtos licenciados, juntar-se ao Boca Juniors e ao Barcelona como os únicos clubes de futebol do mundo com times de pólo, celebrar o centenário do clube com a maior festa que a cidade tenha visto, construir seu próprio estádio e contratar, estando na série B, o jogador em atividade mais laureado da seleção brasileira. Ou seja, loucura após loucura, emanadas não de estudos rigorosos com validade estatística, mas da leitura correta do que provoca sorrisos no mano da periferia. Talvez o pico desse desvario em pensar fora da caixa veio com a concepção, com a Nike, da República Popular do Corinthians, projeto que definia o que somos: um povo vivendo no Brasil e sendo muito feliz por isso, mas pertencemos a outro país, a nação corintiana, solidária, sofrida, igualitária, discriminada, mas feliz e segura, sintetizada pelo refrão “nóis si basta”.

E do lado da recompensa emocional? Tive a maior curtição vivendo com o time? Esquece! Se no marketing a diretriz é alavancar emoções, no futebol a regra é a racionalidade absoluta. Começava por termos tido apenas dois técnicos durante toda a jornada, Mano Menezes e Tite, dos mais cerebrais profissionais do mercado. E ao técnico foi atribuída liberdade absoluta de ação, com preservação do espaço dele contra a bisbilhotice de dirigentes. Resultado: jamais pisei no vestiário antes ou depois de qualquer jogo, só o presidente e o diretor de futebol tinham esse privilégio. Nada de relacionamento pessoal com jogadores, eles estavam blindados de qualquer forma de influência que pudesse facilitar a aplicação do drible da vaca no treinador. O grupo era tratado como habitantes de um santuário, onde união, garra e disciplina formavam os alicerces do sucesso.

DE REBAIXADO A CAMPEÃO MUNDIAL

Antes que os apressados tirem a conclusões falsas, vamos esclarecer. Administrar o marketing alavancando a paixão do torcedor, somado à imposição do profissionalismo absoluto no comando do grupo de jogadores é só condição necessária para o sucesso. Ainda falta um ingrediente, a sorte de estar na hora certa e no lugar certo.

Como fui abençoado por São Jorge, nosso santo protetor! No primeiro ano, 2008, o certame da série B, vergonha irreparável ao cair, mas ocasião única de galvanização da torcida em torno da salvação do clube; em 2009, Ronaldo abraçado e abraçando a Fiel; 2010, comemorações do centenário, mais de 150 mil pessoas no Anhangabaú sem uma briga e com muita cantoria; 2011, campeão brasileiro e o começo da construção da Arena. Em 2012, os títulos da Libertadores e do Mundial.

Quando aceitei ser cartola, foi por motivo fútil e egoísta. Sucesso profissional, respeito dos pares, família adorável, sócios perfeitos, carros velozes, de tudo isso eu já desfrutava. Fanático pelo Timão desde criancinha, faltava-me a Libertadores e o estádio, que me livrariam da pentelhação dos anticorintianos. Nos cinco anos em que lá estive, senti-me num passeio interminável numa montanha russa, altos e baixos se sucedendo numa velocidade arrebatadora, mas, enfim, satisfiz o meu ego, completando minha felicidade com os galardões que faltavam.

Entretanto, tudo ficou tão pequeno, comparado ao trazer felicidade à Fiel. Virou cachaça, já não conseguia me concentrar nas minhas empresas, abandonei o magistério, passei por doença séria e por pouco não me abandonou a esposa. Mas o jogo da volta à série A, a festa do Anhangabaú, a conquista da Libertadores, a ocupação pela Fiel da estrada e do aeroporto no embarque para Tóquio representam uma alegria tão grande que valeu a pena toda aporrinhação. Faria tudo de novo.

Claro que a conquista do mundial foi o ápice dessa aventura. Passear por Tóquio naquela semana, com 30 mil corintianos espalhados pela cidade, arrancava lágrimas de alegria a cada esquina. Mas, para mim, o jogo que antecedeu a final com o Chelsea, disputada contra um fraco time egípcio, num estádio de 30 mil lugares, foi o mais emocionante de tudo. Era como estar no Pacaembu, apesar de zero grau, só se escutava falar em português, estádio lotado por uma só torcida, com as mesmas faixas de organizadas que vemos em nossos jogos no Brasil. Todos estávamos lá, motoqueiros, desempregados, capitães da indústria e especuladores do mercado, putas e virgens. A Fiel, dona do ironizado time “dos pobres”, reinava soberana no Oriente, para espanto e admiração dos japoneses.

Quando o avião que nos trouxe de volta pousou, governador no solo esperando para recepcionar a delegação, avisei ao presidente que ali acabava meu envolvimento, não voltaria mais a pisar no Corinthians. Havia completado um ciclo, precisava voltar a dar atenção à minha vida particular e permitir que sangue novo também desfrutasse da magia que era servir à Fiel. O clube não precisa de cartolas eternos, desconfio é que cartolas eternos precisam do clube.

Ainda hoje, quatro anos após meu desligamento, cruzo frequentemente com manos de memória mais acurada, que me param na rua, me dão um abraço e dizem: “Obrigado”. Nenhum prazer material se iguala à gratificação que sinto cada vez que vejo no olhar deles que nosso movimento pela grandeza do Corinthians lhes propiciou uma quadra de felicidade, à qual eles vão se agarrar a vida toda. Vai, Curíntia!

Por Luis Paulo Rosenberg, ex-vice-presidente do Corinthians, publicado inicialmente no jornal "O TREM Itabirano" e gentilmente cedido ao Meu Timão.

Veja Mais:

  • Corinthians perde para Palmeiras por 1 a 0, no Allianz Parque, e não conquista tetracampeonato do Paulistão

    Jô marca no último lance, mas Corinthians é superado nas penalidades e perde título do Paulistão

    ver detalhes
  • Cássio volta a salvar Corinthians com boas defesas durante Dérbi

    Torcida do Corinthians exalta Cássio e Jô, mas lamenta pênaltis desperdiçados; veja repercussão

    ver detalhes
  • Tiago Nunes explicou as escolhas por Michel, Avelar, Cantillo, Sidcley e Jô na cobranças de pênaltis

    Tiago Nunes justifica escolha por batedores na decisão por pênaltis e exalta maturidade dos atletas

    ver detalhes
  • Andrés Sanchez não demora para se pronunciar após vice-campeonato do Corinthians

    Andrés Sanchez parabeniza Corinthians por entrega na final e diz que 'temporada ainda não acabou'

    ver detalhes
  • Corinthians estreia no Brasileirão na próxima quarta-feira

    O que você espera do Corinthians no Campeonato Brasileiro? Vote em enquete do Meu Timão!

    ver detalhes
  • Cássio conquistou os quatro títulos paulistas do Corinthians nesta década

    Paulistão: Corinthians e Santos terminam década como os mais vencedores; Ituano iguala arquirrival

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: