Corinthians comercializa nova cota de CIDs, mas tem apenas 10% do total

6.5 mil visualizações 41 comentários

Por Meu Timão

Arena Corinthians foi inaugurada em maio de 2014

Arena Corinthians foi inaugurada em maio de 2014

Agência Corinthians

A Arena Corinthians alcançou os R$ 46 milhões de Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs) vendidos. A informação foi publicada nesta segunda-feira pelo portal Uol Esporte.

A notícia, apesar de positiva para os cofres do clube, demonstra a dificuldade do Timão em comercializar os títulos. Antes de inaugurar seu estádio em Itaquera, em maio de 2014, o Corinthians planejava arrecadar cerca de dez vezes mais, R$ 470 milhões, com tais papeis.

Os CIDs são parte de um acordo entre a prefeitura de São Paulo e o Corinthians. Na prática, são certificados emitidos pelo governo municipal para incentivar empresas a investir em empreendimentos que fomentem regiões carentes da cidade.

A emissão dos CIDs teve início em 2011, mas acabou congelada em razão do processo movido pelo Ministério Público contra o Timão, a construtora Odebrecht e o ex-prefeito paulistano Gilberto Kassab – o MP contestava o modelo de concessão da isenção fiscal do empreendimento.

Em outubro de 2015, a Justiça de São Paulo anulou a ação que condenava o uso dos CIDs e renderia mais de R$ 1 bilhão aos cofres públicos.

Leia também: Sentença favorável aos CIDs é vitória comparável à venda dos NR

Afinal, quem compra os CIDs?

O Corinthians garantiu a venda das primeiras cotas de CIDs da Arena em maio de 2015. A Odebrecht, principal responsável pelas obras do estádio alvinegro, comprou duas, no valor de R$ 50 mil cada. “Já estão sendo vendidos, R$ 3 mi ou R$ 4 mi, de um total de R$ 480 milhões”, revelou Andrés Sanchez, à época superintendente de futebol do time.

Segundo a reportagem, consórcios integrados pela Odebrecht fizeram novas aquisições dos certificados. A tática é simples: a construtora compra os CIDs a partir da dedução de tributos e reduz o valor a receber do Corinthians pela Arena, avaliada em mais de R$ 1,6 bilhão.

Dá pra pagar?

Para a viabilização da Arena, a cúpula corinthiana firmou dois empréstimos, de R$ 400 milhões e R$ 350 milhões, com Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Caixa Econômica Federal, respectivamente.

“Vendendo o nome do estádio (naming rights) em R$ 350 mi ou R$ 400 mi, que está atrasado realmente dois anos... Vendendo os CIDs, que é o incentivo fiscal da prefeitura numa lei que já existia, que já está em R$ 480 mi, estamos falando em R$ 800 mi, R$ 850 milhões. Tá (sic) pago o estádio”, disse Sanchez em entrevista recente.

Veja mais em: Arena Corinthians e Andrés Sanchez.

Veja Mais:

  • Fessin seguirá na Ponte Preta em 2022

    Mercado da bola do Corinthians: contratação no futsal e empréstimo de dupla da base

    ver detalhes
  • Adson, Cantillo e Luan, um representante de cada "estilo" do elenco do Corinthians

    Corinthians define três perfis de atleta no elenco para 2022; veja características

    ver detalhes
  • Du Queiroz marcou o gol da vitória do Corinthians contra o Audax; Róger Guedes também foi às redes

    Du Queiroz volta a marcar e Corinthians vence Osasco Audax em jogo-treino no CT Joaquim Grava

    ver detalhes
  • Igor Formiga ainda não recebeu chances no time de cima do Corinthians e tenta brilhar na Ponte

    Corinthians empresta mais dois jogadores para a Ponte Preta na temporada 2022

    ver detalhes
  • Estádio do Corinthians poderá receber 70% da sua capacidade

    Corinthians divulga valores dos ingressos para estreia no Paulistão 2022; veja detalhes

    ver detalhes
  • Emprestado pelo Nice-FRA, Robson Bambu está perto de ser anunciado pelo Corinthians; com a chegada do jogador, o clube passará a ter oito zagueiros sob contrato

    Robson Bambu será o oitavo zagueiro sob contrato com o Corinthians; Sub-23 tem outros seis

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia:

x