Presidente banca diretoria de futebol e nega concessões no Corinthians

3.2 mil visualizações 39 comentários

Por Meu Timão

Homem de confiança de Roberto, Alessandro não corre risco de deixar gerência de futebol

Homem de confiança de Roberto, Alessandro não corre risco de deixar gerência de futebol

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Flávio Adauto, diretor de futebol do Corinthians, e Alessandro Nunes, gerente, não devem deixar o clube antes da próxima eleição presidencial, marcada para fevereiro de 2018. É o que garante Roberto de Andrade, que se fortaleceu após o processo de impeachment contra si ser barrado no último dia 20.

Além de negar novas trocas na diretoria de futebol do Timão, o presidente esclareceu que está disposto a dialogar com diferentes alas políticas do Parque São Jorge, embora não pense em fazer concessões. No ano passado, Andrés Sanchez e antigos aliados articularam um possível retorno ao comando do Corinthians, mas acabaram barrados por Andrade.

“Eu não vendi a alma ao diabo, não. O que fiz foi ouvir pessoas. Gerir papéis, finanças é fácil, difícil é lidar com pessoas, egos, sentimentos. Tinha gente que estava querendo mais carinho, algo que realmente eu posso ter falhado”, disse Roberto em entrevista à Rádio Jovem Pan.

O mandatário corinthiano também voltou a falar sobre a ação de impeachment da qual se salvou. Para ele, tudo não se passou de jogo político, já que sua falha – duas assinaturas feitas como presidente do Corinthians antes de assumir tal cargo – não prejudicou o Timão.

“Primeiro que o processo de impeachment foi baseado na assinatura de uma ata, que as pessoas que fizeram o impeachment entenderam que a fiz antes de ser o presidente. Eu fui eleito no dia 7 de fevereiro e estava no dia 5, foi um erro material. Isso nós provamos na Comissão de Ética, como também foi aberto o inquérito policial contra mim. Eu assinei em abril, quando foram colhidas as assinaturas”, justificou.

Roberto de Andrade também foi acusado de fraude e, em depoimento à Polícia Civil, negou irregularidades. “A votação deixa de discutir o fato e vira política. Foi um movimento político querendo o poder do clube a qualquer custo. Viram nessa falha do clube que poderiam afastar o presidente, onde alguém assumiria o mandato por um ano. Os conselheiros tiveram bom senso e isso não avançou. Eu não fiz nada contra o clube, não poderia ser afastado”, finalizou.

Veja mais em: Roberto de Andrade, Alessandro, Flávio Adauto, Diretoria do Corinthians e Impeachment.

Veja Mais:

  • Novo patrocinador vai ocupar o lugar que era da MarjoSports na manga do uniforme do Corinthians

    Corinthians anuncia novo patrocinador e deve ganhar mais de R$ 40 milhões em cinco anos

    ver detalhes
  • Pedrinho ainda não se apresentou ao Benfica, de Portugal

    Benfica planeja adiar pagamento de Pedrinho para 2021; Corinthians se posiciona

    ver detalhes
  • Live do Meu Timão: volta do Paulistão e os novos titulares do Corinthians de Tiago Nunes

    VÍDEO: Programa do Meu Timão | Volta do Paulistão e novos titulares do Corinthians de Tiago Nunes

    ver detalhes
  • A Fiel não pode tratar Gabriel Pereira como a solução dos problemas do Corinthians

    [Andrew Sousa] A Fiel não pode tratar Gabriel Pereira como a solução dos problemas do Corinthians

    ver detalhes
  • 'Sabe o que o patrocinador do Corinthians poderia fazer agora?' | O BMG na nova camisa do Corinthians

    VÍDEO: 'Sabe o que o patrocinador do Corinthians poderia fazer agora?' | O BMG na nova camisa do Corinthians

    ver detalhes
  • Elenco principal do Corinthians voltou a ficar três meses com salário atrasado

    Corinthians volta a somar três meses de salário atrasado com elenco principal

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: